Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Um beijo de súbito

toledo el greco.png

El Greco

 

Um beijo de súbito e ao fundo uma régua inteira de rio

Foi o dia em que perdi tudo quase tudo as chaves do carro

até o chão Não teve importância alguma porque

sequer me lembrava onde deixara o carro

Acontece-me muito de manhã esquecer-me do lugar

onde à noite estacionei a realidade

 

O melhor por vezes é sermos mesmo despojados de tudo

quanto menos tivermos menos perdemos

por exemplo o tempo Quanto menos juntarmos

menos desarrumamos por exemplo a vida

sem quinquilharia barata ao fundo da carteira

mais facilmente as coisas nos sobrevêm à mão

por exemplo a solidão

 

Até esse beijo súbito preso na moldura de um rio inútil

se terá perdido no meio das bugigangas todas que juntámos,

os filhos os livros os brincos (tantos brincos se perdem numa vida)

as ferramentas as casas a papelada a mobília as

roupas as tralhas e as palavras as memórias os bibelots

que já eram dos avós: os velhos guardam sempre tanto lixo

tantos fios eléctricos embaraçados tanta meia sem par

tanto amor desirmanado por aí

por onde?

 

Nesta confusão de tudo recolhermos em desalinho

Como encontrar, então, de súbito

o beijo ao precisarmos dele

ou a moldura

ou mesmo o tejo imóvel lá por dentro?

 

Rita Taborda Duarte

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.