Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Nove de Novembro

muro berlim.jpg

 

Em 1938, na Alemanha nazi, a noite de 9 de Novembro foi de violência contra os Judeus, com milhares de ataques a casas, a lojas e a sinagogas, levadas a cabo pelas SA e por cidadãos anónimos - Kristallnacht - Noite de Cristal. Anunciava-se o pesadelo e o horror de que o mundo inteiro se apercebeu após o fim da II Guerra Mundial - o Holocausto.

Em 1989, na noite de 9 de Novembro, caiu o símbolo da Guerra Fria, o muro que separava Berlim Leste de Berlim Oeste, erguido a 13 de Agosto de 1961 numa tentativa tosca de travar a hemorragia de gente que fugia do bloco comunista, numa bravata que podia ter iniciado a III Guerra Mundial.

Custa-nos hoje acreditar como foi possível tudo isto - a loucura nazi que perseguiu, torturou e matou milhões de pessoas, nomeadamente Judeus, arrastando o mundo para uma Guerra 21 anos após uma matança de proporções nunca vistas, a loucura comunista que fechou e dividiu o mundo, perseguiu, torturou e matou milhões de pessoas com base num totalitarismo pseudo científico e violento.

E no entanto as sementes do ódio e da intolerância estão a germinar de novo. A Europa vai-se esquecendo da sua História recente e os movimentos xenófobos, racistas e totalitários começam a ganhar cada vez mais força. Com os EUA perdidos na era Trump, é difícil recuperar a esperança renascida a 9 de Novembro de 1989 em que tudo parecia ser possível, como a reunificação da Alemanha no ano seguinte.

As desigualdades, as várias crises (demográfica, das migrações, climática, do trabalho), a emergência das novas organizações da sociedade e do trabalho com a era digital, a voragem exponencial que nos deixa em desequilíbrio permanente, os bloqueios políticos, os movimentos sociais que tão depressa inundam o quotidiano como se esquecem e descartam por outros, a irrealidade e irrelevância dos factos, a volatilidade da verdade, hordas de outros tempos neste nosso escasso e turbulento tempo.

Nove de Novembro é também a data de nascimento da minha mãe. Facto irrelevante para o resto do mundo, mas fundamental para este meu pequeno e invisível mundinho, onde diariamente me alimento de inquietação e esperança.

Coisas

thomas dambo.jpg

Thomas Dambo

 

Nestes dias molhados e peganhentos parece que tudo se encavalita, mistura e confunde. Os lençóis engelham, os sapatos encavalitam, os casacos não se despegam das cruzetas, as janelas emperram, os sacos de compras rouquejam pela rua, as folhas secas agarram-se às rodas do carro.

É nestas circunstâncias que se avolumam os objectos e as coisas que temos, que sempre achamos poucas mas que são muitas, demasiadas. Coisas, coisas e coisas, amontoadas e desarrumadas. Tropeçamos em fios dos computadores e telemóveis, enrolam-se os tapetes, afastamos almofadas, amontoamos frascos de colónia, pasta de dentes, copos, sabonetes, cremes e mais cremes, desodorizantes e amaciadores, esponjas e escovas, brincos, camisolas, meias, calças, candeeiros, livros, cadeiras.

Olhamos à volta e não percebemos o porquê da necessidade da maior parte das coisas que se multiplicam, que se reproduzem pelos cantos das salas e dos quartos e das cozinhas e das casas de banho, casas que se transformam em pletoras totalmente desviadas da nossa vida e do nosso mundo.

É urgente que nos desnudemos das coisas que nos rodeiam, das coisas que não nos preenchem mas apenas nos cobrem e impedem de olhar para o essencial, para o que somos, para o que queremos, para o que amamos.

Na estrada

Pablo-Picasso--Arbre_janvier-1944.jpg

Pablo Picasso

 

Há sentimentos que ficam pendentes, emoções embrulhadas em esquecimento, em prioritários matizes de vida a continuar, como se tivessem desaparecido. Mas basta um segundo de desatenção, uma fenda na muralha entretanto erguida e defendida, para que se instalem e avolumem sem perdão.

 

Na lista telefónica do telemóvel, que avançadas tecnologias nos colocam à disposição e à altura dos olhos, aparece o número de quem já não está. De repente a sua voz enche o carro e eu fico sem perceber se o tempo recuou ou se a realidade regressou por um momento, tudo eterno e ritual, como a batalha contra o tempo, que sempre nos vence.

Dia de formação

praca-do-principe-real.jpg

Jardim do Príncipe Real

 

  1.  

Pudera nascer de manhã

como as aves que atravessam a paisagem

e seguir viagem

sem barco sem rumo

apenas com a vida na bagagem.

disclosure_Donna Swain.jpg

Disclosure

 

  1.  

Interesse sem conflito

tenho dito

e repito

que no desinteresse do delito

só interessa o retido

se sentido.

Concert_of_Birds_Frans_Snyders.jpg

Concert of birds

 

3.

Boca a altifalar

braços a esbracejar

monocordismo em torrente

bocejo inerente.

Gente

Womens Suffrage Statue Nashville.jpg

Alan LeQuire

 

 

Não tenho género nem genes

que me distanciem de ti

outro género e outros genes

tão semelhantes a mim.

Tão diferentes entre si

todos pequenos e grandes

todos juntos e separados

nas diversidade e abundância

de génios e gente.

Lado a lado sem segredo

somos género humano

decente

sem medo.

Ensaios

Tenho ensaiado alguns textos sobre diversos assuntos que considero importantes, mas quando chego a meio, desisto. Ou porque já passaram alguns dias sobre o assunto e já não é actual, havendo mais uns milhares para falar, ou porque já se disse tudo e o seu contrário, pelo que nada acrescentaria.

 

E assim vou deixando passar as oportunidades de me exprimir, desistindo da veemência, adiando as opiniões, duvidando das certezas entretanto experimentadas. Tudo acaba por se relativizar e desvanecer.

 

E, no fim do dia, qual era mesmo a notícia?

Cenas da vida quotidiana

hipertensao.jpeg

 

 

(Cena matinal, no quarto, a um domingo)

......................................................................................

 

Acumulam-se os comprimidos, as dores nas cruzes, os quilos a mais e as teimosias. O novo esfigmomanómetro, devidamente certificado, é disputado por uma matrona estremunhada, já que o seu anafado marido teve que se render à necessidade imperiosa de monitorizar a tensão arterial, na tentativa de levar uma vida mais saudável e activa, submetendo-se às caminhadas na passadeira lá de casa, que estacionava pacífica e silenciosa, substituindo estantes e cabides.

 

Ao manusear o dito aparelho, colocando a manga por cima do casaco do pijama, deu-se conta de que os tubos e o mostrador estavam pegajosos. Comentando, espantada, tal facto, ouve a resposta pronta e cândida, com a espontaneidade que só da verdade desponta:

 

- Ah, é que caiu em cima do bolo.

......................................................................................

 

A contabilização do riso

Não basta termos regras e horários para levantar, para deitar, para comer, para dormir, para trabalhar, para amar, para educar filhos, para ser empático, para ser civilizado, para beber, para  ser limpo, para ser saudável, para ser lindo, para ser magro, para andar, para correr, para falar, para cantar, agora também devemos ter aulas que nos ensinem a rir e temos que contabilizar a quantidade diária do mesmo.