Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Das eruditas refeições

Não sei porquê, mas já há algum tempo que tinha vontade de comida indiana. Suspeito que pela quantidade de saladas, frangos, galinhas e perus, peixinhos grelhados ou cozidos, 2 a 3 esquálidas peças de fruta por dia, iogurtes magríssimos e sem pinga de açúcar, sementes de linhaça, girassol e mais que agora me escapam, para além dos treinos dignos de uma recruta, a necessidade de desbundar é avassaladora.

 

Independentemente do motivo, decidi que era altura de avançar sem medo nem culpa para o Kerala, que a pesquisa na internet me devolveu como um dos melhores restaurantes de comida indiana em Lisboa, mais precisamente em Campo de Ourique, na Rua de Infantaria 16, nº 37A.

 

Convém dizer que Campo de Ourique é um bairro de que gosto particularmente, manifestando sempre esse gosto em voz alta, de cada vez que lá vou. Convém também dizer que sou muito ignorante em imensas coisas, sendo uma delas a geografia.

 

Lá fomos muito contentes, eu e o meu companheiro de aventuras culinárias (e outras), rezando para encontrar lugar de estacionamento, o que até nem foi difícil. Esperava-nos uma sala espaçosa, rectangular, com as mesas dispostas dos lados maiores, ao fundo a zona técnica, sobriamente decorada, com as cores habituais e alguns quadros nas paredes, também do tipo habitual. Comemos muito bem.

 

restaurante kerala.jpg

 

Embora estas incursões na culinária possam estar associadas a acontecimentos insólitos que já não me deviam espantar, a verdade é que continuam a fazê-lo. Bem me lembro de um restaurante brasileiro em que o meu companheiro resolveu discutir com o empregado não só a sua naturalidade nesse imenso Brasil, como o conhecimento do hino brasileiro. Conversa puxa conversa e a certa altura estava o pobre empregado a cantarolar o hino para provar que o conhecia. De outra vez, a mesma excêntrica companhia levou para o almoço, num restaurante chinês a que íamos frequentemente, um livro que andava a ler para perguntar, indicando o nome numa página, como se pronunciava em chinês Chiang Kai-shek. A dona do restaurante, que falava muito mal o português, ficou embasbacada e muito divertida, apontando os seus 2 indicadores simetricamente para a sua testa, não sei bem se a louvar a curiosidade de quem perguntava se a chamar-lhe louco, ou se apenas a rir da pronúncia dele.

chiang-kai-shek.jpg

Enfim, e para encurtar a história, no meio do caril de peixe, depois de uma famosa chamuça de vegetais, fiquei a saber que Kerala é um dos 28 estados da Índia, por sinal o mais alfabetizado, com melhores níveis de saúde e de cultura, que a língua lá falada é o malaiala, e que as religiões se distribuem entre 55% Hinduísmo, 26% Islamismo e 18% Cristianismo. Fiquei ainda a saber que os donos, de estatura baixa, eram de Kerala e que estavam cá há poucos meses, tendo aberto o restaurante em Março.

 

kerala.jpg

 

Pode ser pela minha falta de conhecimentos em tanta coisa, mas fico sempre espantada com alguém que parece passar os dias a ler enciclopédias. Por isso quando, à noite, ao vermos um excelente documentário na Netflix sobre 5 realizadores de cinema importantíssimos durante a II Guerra Mundial – “Five Came Back” (John Ford, John Huston, George Stevens, Frank Capra e William Wyler), e se contava como John Huston tinha sido enviado às ilhas mais longínquas dos EUA, ao ouvir à minha direita “Pois, as ilhas Aleutas”, fartei-me de rir, causando o embaraço envergonhado do dito erudito.

 

A verdade é que ainda fiquei a saber que a capital de Kerala é uma cidade de nome impronunciável (Thiruvananthapuram), e que os naturais de Kerala comem arroz a todas, mas todas, as refeições.

 

De facto, adoro!

De uma essência

180730-PRMRS-MFL-0213-3028.jpg

 

O protocolo permitia apenas um escasso número de pessoas a acompanhar cada agraciado. Atentamente e com os murmurinhos das antecipações cerimoniais, fez-se silêncio à entrada do Presidente da República.

 

Marcelo Rebelo de Sousa foi conciso, agradecendo em nome de Portugal (da Pátria, palavra em desuso e mal amada, mas razão de ser de qualquer militar) aos nove agraciados que deram de si o melhor pelo País.

 

O nome foi chamado alta e claramente, pronunciado de forma a percebermos todas as sílabas. O meu pai deu dois passos em frente e recebeu, das mãos do Presidente, a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada, colocada com cuidado, respeito e carinho. As fotografias da praxe. E ele, com um aprumo que faz parte da sua essência, da sua mais funda memória de militar, perfilou-se.

 

Tão pouco que somos. E tanto que alguns de nós são. Aquela figura frágil, quase etérea, perfilada e orgulhosa, segura pelo núcleo da sua vida, de frente para o destino.

 

180730-PRMRS-MFL-0230-3045.jpg

 

Da Mediania

warren king.jpg

Warren King

 

 

Na verdade, só agora percebeu a bênção que é não se inteirar de nada. O mundo deixou de lhe interessar. Tanto que a sua arrogância tinha para dizer, tudo o que pensava precisar de partilhar, pensamentos, sugestões, indignações, espantos, comoções, palavras, textos, poemas, notícias dissecadas, treino de costela detectivesca, desprezos, confianças, juras de fidelidade e dores de traições, nada mais lhe interessava.

 

A vida facilitou-se enormemente com o afastamento da mundana necessidade de estar a par dos acontecimentos. Vagueia mole e sonolentamente pelas redes sociais, observa com um olho meio fechado os títulos dos jornais, ouve de vez em quando os locutores dos canais de notícias, com aquele jeito de estar sempre a anunciar o apocalipse, os comentadores a perorar sobre as últimas colheitas e a próxima guerra intergaláctica.

 

O mundo não precisava da sua atenção, nem das suas análises. Pode concentrar-se na perpétua e menor actividade de passar um dia após o outro entre as paredes da sua realidade, com pedras e flores mais ou menos aleatórias. A comezinha tarefa de viver, comer, dormir, trabalhar, rir, chorar, ver séries de televisão à desfilada, ouvir música, muita música, acordar para a ginástica, discutir e planear concertos, teatro, livros, sonhar as viagens que há-de curtr.

 

A mediania que nasce connosco e não se encomenda, mas que se recomenda.

Extraordinário

livro luisa meireles.jpg

Habituei-me a lidar com a exigência, a pontualidade, as regras, a voz de comando. Aprendi as conversas, os livros, a necessidade de pensar e reflectir. Cresci a sentir a seriedade, o sentido do dever, do serviço, da obrigação, da superação.

 

A minha casa era o espelho do que julgava ser o mundo. Sempre a fazer mais e melhor, independentemente de qualquer necessidade ou mesmo esperança de reconhecimento, fazer o máximo como um dever. À medida que os anos passaram percebi que a minha casa não era a norma, nem um hábito generalizado. À medida que fui assumindo outras responsabilidades reconheci que a minha casa era, de algum modo, extraordinária.

apresentacao biografia.png 

E ontem, mais uma vez, ao ouvir o que pessoas a quem tanto devemos diziam do meu pai, ao ver tanta gente a comover-se, a cumprimentá-lo e a agradecer-lhe o exemplo, ao ler o seu percurso descrito por pessoas estranhas à minha casa, posso assumir sem pudor que sou filha de um pai extraordinário.

Dos palpites e das considerações

cancao israel.jpg

 

É claro que nunca ganhei nem ganharei nunca o euromilhões. O meu jeito para apreciar eventos e palpitar resultados, sejam eles de jogos de sorte e azar, concursos televisivos ou resultados eleitorais, é patente em vários dos posts que já aqui deixei, e só ultrapassável pelo Prof. Marcelo.

 

O problema é que me esqueço e reincido. Mas mantenho que, apesar de ter achado impecável o espectáculo, de onde destaco as actuações extra ao próprio festival (apesar de não ter gostado da versão da Mariza do Barco Negro), para além de toda a organização, alegria e profissionalismo das apresentadoras, as canções eram bastante horrorosas, tendo brilhado pelo grotesco a vencedora. O Jardim, da Cláudia Pascoal e da Isaura, foi muito melhor.

 

Definitivamente, nunca serei rica.

Do amor

Zhang Yaxi.jpg

Mulher e criança

Zhang Yaxi

 

 

Falamos tanto de amor, do amor, com a mão no peito e os olhos semicerrados, enchendo a voz de intensidade e aquilo a que todos convencionámos que é amar. Diariamente e desde sempre, ou pelo menos desde que nos habituámos a considerar tudo o que é íntimo como parte integrante do espaço público, reduzindo ou excluindo o direito ao segredo, ao privado, ao não partilhável, somos inundados por imagens e ideologia de como se deve amar, do que é o amor correcto, decente, moderno, tolerante, querido, trendy.

 

E no entanto, o que experimentamos é tantas vezes diferente, o amor que vivemos é tantas vezes menos glamoroso, menos cintilante, é tantas vezes doloroso, rotineiro, entediante, é tantas vezes violento, irascível, sufocante, é tantas vezes mais verdadeiro, mais constante, mais fundo, mais maravilhoso.

 

O amor não tem receitas nem normativos, o amor não tem amarras nem correctivos, o amor arranha-nos e abraço-nos, é o que nos perde e o que nos salva, é paixão, amizade, contenção, carinho, resistência, resiliência, luta, incapacidade, distância, reconhecimento, companhia, partilha, segredo, a nossa funda e discreta alegria, a nossa intrínseca e indispensável respiração. O amor tem ângulos, estrias, poços de lama, armas em riste, conversações de paz, estratégias e diplomacias, palhaçadas, risos, silêncio, serenidade, hábitos. O amor envelhece e reforma-se, renova-se e adormece, renasce e reacende-se todos os dias.

 

Todos os dias nos amamos e odiamos, em repentes e em remoinhos, as mães, os pais, os filhos, os irmãos, os maridos, as mulheres, os amantes, os vizinhos, os colegas, a humanidade em geral. Sem remédio nem sentido, o amor é o que de mais individual, único e especial cada um de nós tem para dar e receber.

Rodando

questioning-mind.jpg

Questioning Mind

Michaekl Alfano

 

O que dizer de tanto que já se disse e ninguém lê, ninguém colhe, ninguém quer? Anulação voluntária e pedagógica, assistindo aos rios de tinta digital que outros pintam por mim. Será que se interessam? Será que me interesso?

 

Habituamo-nos ao anonimato das ideias, das atitudes, das emoções. Será que ainda existem, de tanto que se estilhaçam continuamente pelo espaço de três ou quatro palavras, duras de preferência?

 

Todos nos apressamos à assertiva opinião instantânea, sem cuidar dos interstícios, das pregas, das variações cromáticas, da rugosidade dos dias. É mais fácil cortar com gumes afiados e em ângulos rectos, mesmo que as calcificações das superfícies nos impeçam a perfeição.

 

Nada interessa a não ser a minha boca, os meus dedos, o meu grito, o meu espaço. Nada interessa a não ser a minha voz.

 

E assim o mundo vai rodando sobre os mesmos intermináveis eixos, o tempo corrói as certezas e abraça a relatividade das coisas. Tudo o que penso ou pensei se esvai e esbate, tudo se esgota sem retorno.

Da hidratação saudável

garrafa treino 2.png

 

Precipitando-me em tropel acelerado para uma vida tão saudável que nem sei como, algum dia, a morte me escolherá, ontem dei mais um passo muito decisivo nesta correria. O objectivo era arranjar uma garrafa de água para levar para o treino (palavra que já entrou no meu léxico) que não fosse de plástico.

 

Tal como Cristo, o jejum ressuscitou e é prescrito por todos os PTs do país (ou do mundo?). Comer de 3 em 3 horas, para que a glicemia se mantenha estável e não haja picos de insulina? Isso já está totalmente ultrapassado. A nova trendy dietética é o jejum. Não sei por quanto tempo (e achei melhor nem indagar pois, seguramente, não iria gostar da resposta). Ora a juntar-se-lhe, e ao ultra processamento dos alimentos, agachamentos, remadas e empranchamentos, para além das bicicletas, passadeiras e sei lá que mais, está o bebericar de água que terá, pelo menos na ciência certa dos PTs, propriedades adelgaçantes e um estranho e inexplicado efeito de redução da frequência cardíaca, levada aos píncaros pelos esplendorosos exercícios.

 

Mas, oh horror dos horrores, a garrafinha de água do Luso que eu, displicentemente, usava, estava a potenciar todos os efeitos cancerígenos e obesogénicos do plástico do dito continente. Não pensem que é fácil resolver este magno problema. Uma garrafinha de água para o treino (devia emagrecer só de repetir esta palavra) tem que ser leve e não se partir, para além de ser rápida e fácil de usar no bebericanço. As que encontrei na Sport Zone e na Decathlon tinham que se desenroscar umas, outras tinham um bico para esguichar nada simpático, outras ainda nem percebi como se usam. E além disso eram todas de plástico.

 

Ontem, ao passar por uma bancada do Smartlunch, empresa que proliferou e inchou nos últimos anos, dei com as garrafas exemplares! De vidro, envoltas numa matéria plástica (mas sem contacto com a água) para que não se partam, com uma rolha fácil de desenroscar - heaven, como diria a Tootsie.

 

Enfim, saúde saudável, aí vou eu.