Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Anjos esquecidos

 

 

Às vezes parece que estes dias formam uma espécie de mundo à parte, uma ponte sobre a vida em que apenas as coisas doces e confortáveis existem. Gostamos de nos sentir assim, sem que a terra seca, as cidades poluídas, a miséria, o crime e a solidão nos assombrem.

 

Natal não é esse estado de levitação. Natal é haver grupos de pessoas que estão junto da noite e da tristeza, varrendo as cinzas e soprando a pouca poeira de luz, iluminando alguns cantos abandonados.

 

E nós, dentro dos nossos quentes agasalhos de afectos, nem sempre nos lembramos desses esquecidos anjos cansados e terrenos, com olheiras, mãos e palavras que curam.

 

Cabazes de Natal

 

 

Na recta final para o Natal, finalizam-se os cabazes. Uma das ideias para os deste ano foi retirada de um blogue, que as tem bastante boas. Fudge (doce de chocolate). É muitíssimo fácil e, pela prova, muito bom:

  • Num tacho coloquei ao lume 400ml de natas, 500g de açúcar e 100g de margarina. Quando começou a ferver espevitei o lume e fui mexendo, até que as bolhas que se formavam diminuíram e ficaram homogéneas (cerca de 20 minutos). Retirei do lume e juntei 100g de chocolate negro para culinária, que se derreteu. De seguida espalhei a massa num tabuleiro forrado de papel vegetal. Agora estou à espera de amanhã, para partir aos bocadinhos, ensacar e enfeitar.

A outra foi a concretização de uma experiência que já tardava - borrachões - são uma espécie de bolachas/ biscoitos, da região da Beira Baixa, que devem o seu nome à aguardente com que são feitos. Mas eu segui uma receita de uma familiar bastante longínqua, que permite usar jeropiga (ou vinho, em vez da aguardente). De facto ficaram uns biscoitos bastante bons, mas nada parecidos com os borrachões que há na terra da minha avó. Enfim, deve ser a inovação geracional.

  • Bati 250ml de azeite com 250ml de jeropiga, 250g de açúcar e 1 ovo inteiro. Depois juntei 1 colher de sobremesa de fermento e cerca de 600g de farinha - digo 600g porque estive a pesar a farinha, pois a receita dizia q.b., que eu detesto, porque nunca sei quanto basta. A referência é a massa começar a desligar do recipiente onde é batida. Nada científico, portanto. Espalhei a massa no tabuleiro de ir ao forno, pincelado com óleo (penso que a margarina derretida fará o mesmo papel e não fritará tão rapidamente). A temperatura é mais uma vez q.b. Sugiro médio até ficarem bem cozidos (aí uns 20 a 30 minutos). Quando acabaram de cozer, cortei a massa em quadrados e polvilhei com uma mistura de açúcar e canela (sobrante das rabanadas, entretanto já preparadas para a próxima noite).

Como não tive paciência para transformar toda a abóbora em compota, os meus cabazes, tal como o lifestyle da Margarida Rebelo Pinto, sofreram um downsizing. Pode ser que se componham um pouco com estas novas iguarias.

 

Licor de pêra

 

Quando desci do escadote com o último frasco de cascas em aguardente, não antevi que eram de pêra. Mais precisamente as laranjas e marmelos travestiram-se de pêra-rocha. Nada de espanto que a hora é de acabar as prendas. Mais um fim de tarde envolta em perfume dionisíaco, a cor amarelo esverdeada do licor de pêra, excelentíssima variação inusitada.

 

Já está engarrafado e rolhado, mas os rótulos estavam a faltar. Depois de uma noite de descanso, veio a inspiração, desta vez mais nacionalista que politiqueira:

 

Da lentidão dos dedos

 

É verdade que tenho feito todos os esforços para me manter afastada de notícias. Desligo o Crespo, mudo de canal mal vislumbro a Ana Lourenço, retiro o volume à Judite de Sousa e a todos os (poucos e sempre os mesmos) convidados das várias actualidades televisivas. Ainda vou ouvindo a TSF mas a RFM tem ganho audiência no meu gabinete.

 

Mas as (más) notícias impõem-se como o céu de chuva deste inverno. Os massacres nas escolas do EUA são daquelas coisas que ultrapassam a minha capacidade de entendimento. Não consigo perceber que patologia individual e colectiva é esta que multiplica os tiroteios, ceifando crianças e jovens, em nome de quê ou para quê. Já vi filmes e documentários que abordam este assunto, mas permaneço obtusa.

 

Por cá continuamos com a depressão generalizada causada por um governo de alienados, por um Presidente que se demitiu (e ainda não se/nos deu conta disso) e uma oposição irrelevante.

 

Portugal entristece, envelhece e lentifica. A média etária da população está acima dos 50 anos, pelo menos nas filas das caixas dos supermercados, onde o tempo de ensacar, procurar o dinheiro e contá-lo se multiplicou pela dezena, com os entorpecidos dedos catando moedas, os entorpecidos olhos perscrutando-lhes o valor, a enervada mente fazendo contas. Nas lojas deambulam olhos mais ou menos gulosos em dieta acelerada. Muito antes do downsizing da gente mediática, já o país encolheu e continua a encolher. Abundam os novos e os antigos pobres. Ontem mesmo ouvi uma história de uma miúda que anda 12 Km a pé (6 à ida e 6 à vinda) para ir à escola, não traz almoço e ninguém lho dá. As reunites que atacam tantos docentes poderiam servir para a resolução deste problema. Mas a moda da sociedade civil é só para peditórios e declamações piedosas, não é para o dia a dia da solidariedade.

 

Pois, esqueci-me que a caridade é mais amorosa.

 

Quadras de Natal (3)

 

Stefano di Giovanni

 

Quero dar ao meu amor

um fio do meu cabelo

ternura branca de dor

rugas fundas em novelo.

 

Minha alma estendida

umas mãos cheias de nada

o resto da minha vida

a seu lado ancorada.

 

A doçura da romã

quero dar ao meu amado

o respirar da manhã

rumor do campo acordado.

 

Quando chegar o Natal

com a penúria enfeitada

em poeira de cristal

serei a noite encantada.

 

E enquanto o tempo quiser

serão meus braços seu manto

sempre que o céu mantiver

o tom cinzento de pranto.

 

E enquanto o tempo poisar

no ombro do nosso amor

nos dias que irão faltar

o mundo será melhor.

 

Dos vários tipos de marmelos

 

Há que ser divulgar as boas práticas festivas: os licores deste ano resultam da maceração apurada de amoras silvestres, cascas de laranja, sementes e cascas de marmelo em aguardente vínica, desde há 1 ano. Ou seja, os resultantes licores de Amora e de Laranja e Marmelo seguiram a preceito os receituários que já deram provas:

  • Filtrar a aguardente onde estiveram a macerar os frutos, sementes e casacas (guardar as amoras para as mergulhar no licor)
  • Medir o filtrado e fazer um xarope com 750g açúcar para 750ml de água (ferver por 10 a 15 minutos) por cada litro de filtrado
  • Juntar o xarope ao filtrado e levar ao lume até ferver
  • Engarrafar e deixar arrefecer antes de rolhar e rotular; no de amora juntar as ditas.

Todos estes passos requerem animação e bom humor, para os quais as variadas provas de degustação contribuem enormemente, principalmente se houver restos das colheitas anteriores para comparar.

 

 

Da desconstrução dos doces

 

 

A habilidade está na adaptação às contrariedades. Grandes descobertas se fizeram por acaso, ou porque alguma experiência correu mal.

 

É sempre com esse espírito que enfrento os meus preparados. Na verdade, o doce de abóbora ficou com ponto a mais, descoberto quando a colher de pau se recusou a mover-se presa do dito doce. Por outro lado, a geleia de marmelo ficou com ponto a menos. Eis se não quando a minha mente imaginou de imediato uma conjunção de vontades entre o pétreo doce de abóbora e a mole geleia de marmelo.

 

Pois este fim-de-semana, como já estamos quase no Natal, reuniram-se os membros da Grande Cozinha Semanal, armados de paciência e criatividade. As prioridades estavam bem definidas: sem o doce e os licores nem Jesus nasce. Portanto agarrou-se na panela maior cá de casa e misturaram-se o doce com a geleia. Deixou-se ferver com um bocadinho de água e transformou-se em Doce de Abóbora em cama de Geleia de marmelo, na consistência perfeita.

 

Os licores foram um de laranja e marmelo e outro de amora, que já estão engarrafados. As numerosas degustações afiançam a delicadeza e doçura dos mesmos. Aí não houve surpresas.

 

Enfim, mais um fim-de-semana de exaustão.