Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Algo está muito errado

Quando um Estado que se diz democrático se propõe prender por 25 anos elementos que defenderam e defendem a independência de uma região, por meios não violentos.

 

Em Espanha, por muito que eu pense que os separatistas catalães conduziram muito mal todo este processo, não consigo entender e revolta-me o meu sentimento de justiça e liberdade, quando se aceita que haja pessoas presas há mais de um ano, preventivamente, por defenderem os interesses do povo que as elegeu legitimamente, e que se coloque sequer a hipótese de as condenar como se fossem assassinas.

 

Algo está mesmo muito mal no reino aqui ao lado.

Do rápido e acelerado desgaste das regras democráticas

macron_le_pen.jpg

Marine Le Pen ganharia hoje a primeira volta das eleições presidenciais francesas

 

 

O que mais me impressiona quando ouço e leio os argumentos dos chamados coletes amarelos a exigir a demissão de Macron e a realização de novas eleições, é a repetição de eu não votei nele e de ele não nos representa.

 

A democracia representativa, ou seja, o governo pela maioria eleita livremente, por um intervalo temporal que se rege pela lei, deixou de ter significado. Como não se vota em uma determinada pessoa ou opção política, não tem que se acatar a decisão e a escolha da maioria.

 

Portugal não é excepção, ao contrário do que se tem dito e repetido em vários meios de comunicação. As novas formas e ritmos das greves que estão a aparecer, tal como as notícias que se põem a circular sobre os actores políticos, muitas delas inventadas mas muitas outras, infelizmente, bem reais, são o perfeito caldo para o aparecimento daqueles que acabarão com todos os tipos de greves e todos os tipos de reivindicações - os ditadores e as ditaduras.

Obejctivo - destruir

Acredito na boa fé de muitos dos que se juntaram às primeiras manifestações dos coletes amarelos, em Paris.

 

Agora ninguém tem qualquer dúvida sobre o objectivo que move a continuação da destruição e do vandalismo das novas manifestações. É vandalismo e terrorismo, com o objectivo imediato de roubar e lucrar e outro mais subterrâneo, aproveitado e incentivado pela extrema direita e pela extrema esquerda de destruir a confiança no regime democrático.

 

Por cá tenta-se copiar. A extensa e permanente cobertura pelos media dão motivos para aumentar a violência, pela divulgação do medo a nível nacional e internacional. É muito difícil tentar perceber qual o equilíbrio entre a informação e a propaganda gratuita. 

 

Macron foi eleito há pouco mais de um ano. A extrema-direita está exultante perante as últimas vitórias, nomeadamente em Espanha. E nós todos, por acção ou omissão, vamos deixando que o abismo se aproxime.

O inenarrável

O próximo Presidente brasileiro será uma criatura inenarrável, que defende a tortura, a violação das mulheres, o esterilização dos pobres, o assassinato de "corruptos", incluindo o antigo Presidente Fernando Henrique Cardoso, que é homofóbico, etc., etc., etc.

 

E isso acontecerá porque a maioria dos brasileiros que votam, em liberdade, vão escolher essa criatura inenarrável. Chegamos à conclusão de que a maioria dos brasileiros, que votam em liberdade, ou são inenarráveis ou querem ter um Presidente inenarrável. Também nos EUA e noutros países da Europa tem havido escolhas semelhantes.

 

É assustador, mas é a realidade.

 

Caricaturas

serena williams.jpgMark Knight

 

A triste cena de que Serena Williams foi protagonista, no Grand Slam, em que perdeu para Naomi Osaka, já foi objecto de acesas discussões de sexismo e racismo. E aquilo que deveria ter sido a grande notícia, precisamente uma tenista de 23 anos ter derrotado a grande Serena Williams, foi abafado por tanto disparate.

 

Até o autor da caricatura foi criticado e acusado de racismo, pela acentuação dos traços fisionómicos de Serena Williams. E eu que pensava que as caricaturas faziam precisamente isso!

"Os jornalistas não são o inimigo"

free press.png

 

Os ataques de Trump à imprensa e, de um modo geral, a todos os meios de comunicação livres, mostram que, até na (quase) indestrutível democracia americana, o autoritarismo e as tendências ditatoriais fazem o seu caminho. A era Trump colocou a nu aquilo de que já se falava e que já se sabia há algum tempo: que as pessoas eram cada vez mais manipuladas pelo que se lê nas redes sociais, que há fábricas de invenção de notícias e que a ignorância e a má-fé imperam.

 

É claro que, para quem joga um jogo viciado, como Trump, ter uma imprensa livre é uma péssima notícia. Daí o ataque constante e violento a todos os que o confrontam, tal como aos seus apoiantes, com as mentiras e as inenarráveis declarações diárias a que nos habituou.

 

O grito da imprensa norte americana de hoje, com cerca de 300 jornais a assinarem editoriais em que escreve que Os jornalistas não são o inimigo deveria ser repetido e ecoado por todo o lado, nomeadamente em Portugal. A democracia é um hábito que morre rapidamente, se todos os dias não a experimentamos.

 

Mas é importante que os jornalistas, da imprensa escrita e das restantes formas de comunicação, olhem para si próprios e percebam que também são vítimas de si próprios. Desde o momento em que se constituem actores políticos e entram no jogo da manipulação dos factos, realçando o que pode comprometer uma certa orientação política, esquecendo ou deturpando o que a favorece, quando usam acriticamente as redes sociais, fazendo de caixa de ressonância aos mais aberrantes (pseudo) factos, sem qualquer investigação das fontes e da veracidade dos mesmos, estão a hipotecar a sua isenção e credibilidade informativas. Quando pescam comentários e causas estapafúrdias, com a miragem das audiências e da visibilidade que desejam, quando publicam artigos mal traduzidos e mal escritos, sem qualquer enquadramento histórico e/ ou científico, acabam por se comparar com o lixo pseudo informativo que pulula pela internet.

 

E é importante que nós próprios, cidadãos, olhemos para a nossa incapacidade de perceber que a imprensa livre não sobrevive sem dinheiro, que a independência económica é uma das mais importantes chaves para o rigor e a exigência, e um dos mais eficazes antídotos contra a corrupção. Se os jornais em papel se pagam também se devem pagar os jornais digitais. Por outro lado a formação, a honestidade e a competência dos jornalistas é semelhante às das outras profissões, não sendo eles super heróis nem párias sociais.

 

O verdadeiro inimigo é, de facto, a ignorância. É o ingrediente mais fértil para a intolerância, a estupidez, o desprezo pelos outros, o fanatismo. Combater a ignorância é um dever de toda a sociedade, sendo a informação livre um dos seus mais importantes instrumentos.

Liberdade de expressão

A liberdade de expressão é um valor inestimável e sem o qual não há democracia. Mesmo que alguém defenda o contrário do que eu defendo, mesmo que o considere desprezível, tem o direito de o defender. Mas o que está em causa na reacção negativa ao convite a Marine Le Pen como oradora na Web Summit nada tem a ver com o respeito pela liberdade de expressão.

 

O governo português abriu os braços à Web Summit e apoiou a sua realização em Lisboa. A Web Summit pretende ser uma plataforma de encontro da vanguarda da tecnologia, por isso Lisboa e Portugal terão interesse em que a visibilidade se faça a partir destas conferências, que chamam gente, turismo e, quem sabe, investimento e emprego.

 

O que percebemos agora é que, a coberto da atenção mediática, está a ser infiltrada e aporveitada como plataforma para diulgação de ideologia de extrema direita, o que não deixa de ser contraditório com tudo o que a apologia da nova tecnlogia sem fronteiras representa.

 

Por isso nada de ingenuidade da parte do governo ou de quem representa o Estado. Acho muito bem que se demarquem deste convite e do que ele significa, mesmo que a consequência seja perder a Web Summit 2019. A coerência e a decência podem ter que pagar um preço, que é sempre menor do que o do oportunismo e o do cinismo político. Marine le Pen terá com certeza oportunidade de dizer o que pensa em eventos organizados por entidades privadas, sejam elas quais forem, sem apoios públicos. E só irá ouvi-la quem quiser.

Extraordinário

livro luisa meireles.jpg

Habituei-me a lidar com a exigência, a pontualidade, as regras, a voz de comando. Aprendi as conversas, os livros, a necessidade de pensar e reflectir. Cresci a sentir a seriedade, o sentido do dever, do serviço, da obrigação, da superação.

 

A minha casa era o espelho do que julgava ser o mundo. Sempre a fazer mais e melhor, independentemente de qualquer necessidade ou mesmo esperança de reconhecimento, fazer o máximo como um dever. À medida que os anos passaram percebi que a minha casa não era a norma, nem um hábito generalizado. À medida que fui assumindo outras responsabilidades reconheci que a minha casa era, de algum modo, extraordinária.

apresentacao biografia.png 

E ontem, mais uma vez, ao ouvir o que pessoas a quem tanto devemos diziam do meu pai, ao ver tanta gente a comover-se, a cumprimentá-lo e a agradecer-lhe o exemplo, ao ler o seu percurso descrito por pessoas estranhas à minha casa, posso assumir sem pudor que sou filha de um pai extraordinário.

Catalunya

bandeira catalunha.pngpuidgemont.jpg

 Puigdemont detido na Alemanha

 

O que se está a passar em Espanha, mais precisamente na Catalunha, é vergonhoso. Dentro da democracia espanhola, dentro da União Europeia, prendem-se pessoas por delito de opinião, por delitos políticos. Não estão asseguradas as elementares liberdades de expressão de pensamento, de direitos de cidadania.

 

As últimas eleições foram marcadas pelo poder central e Rajoy não aceitou os resultados eleitorais. O Rei descredibilizou-se como sendo um elemento unificador das várias Espanhas.

 

O fosso cava-se mais fundo e uma solução para o problema da Catalunha está cada vez mais longe de se vislumbrar.