Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Da clarividência lusa

por Sofia Loureiro dos Santos, em 07.03.21

mapa_novoaeroporto_montijo.jpg

 

Portugal e os portugueses são tão avançados, tão à frente e de uma clarividência científica tão especial, que depois de décadas a discutir o novo aeroporto, a sua localização e especificidade, afinal nem vai ser preciso construí-lo porque provavelmente vai deixar de fazer sentido apostar nos transportes aéreos e nos aeroportos.

Isto é que é avanço e previdência!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:31

Para contornar a fadiga pandémica

por Sofia Loureiro dos Santos, em 28.02.21

forged-in-fire.png

A fartura de ouvir falar da pandemia, dos casos, dos mortos, dos hospitais, dos internamentos, das UCI, dos virologistas, dos jornalistas, é tanta, tanta, tanta, tanta, que estou fã dos mais inusitados programas televisivos.

É verdade. Descobri algumas pérolas que não perco.

Papo tudo o que tem a ver com obras e remodelações de casas. Estou catedrática em open concepts e em destruir paredes, daquelas de madeira e papelão, que fazem as delícias dos Property Brothers, do Love it or List it, ou de qualquer outro dos infindáveis modelos de mudar uma casa do dia para a noite – bem, é mais em 4 semanas – e fazer com que os felizes vendedores ou moradores se sintam em casas de revistas de decoração. Penso mesmo que nunca conseguirão usar tão fantásticas cozinhas, tão maravilhosos jardins e tão luxuosos ensuite bathrooms, para não estragarem nada.

Isto para não falar dos já velhos e ultrapassados programas de culinária – MasterChef, 24Kitchen e que mais haja, para miúdos e graúdos, que eu fico horas a aprender a fazer variados e espampanantes cozinhados, luxuriantes, sedosos, saudáveis, vegetarianos, asiáticos, portugueses, japoneses, italianos, tailandeses, mesmo que depois não ponha nada em prática. É só para me deliciar com os sabores e os aspectos, alguns truques que já incorporei (na cozinha tudo se incorpora), mas na maioria das vezes é apenas a sublimação de uma escrava de dietas.

Mas agora estou mais voltada para facas, facalhões, espadas, machados, setas, enfim, tudo o que corta, fere e mata.

Descobri, ou sejam deram-me a descobrir, um programa no canal História, que se chama Forged in Fire. O que tem isto a ver com História é um mistério, mas isso são ninharias e picuinhices, portanto ser do canal História, Odisseia ou Hollywood é a mesma coisa.

Ora esse programa não é mais que um MasterChef, mas de ferreiros.

O concurso consta de um grupo de ferreiros, profissionais ou amadores, ainda não percebi muito bem, que têm um determinado número de horas para fabricar uma faca. Há um júri, composto por 3 indivíduos, tanto quanto percebi experts em tudo o que corte, fira ou estripe, um com uns bigodes retorcidos, outro com um sorriso assustador e outro magrinho e com olhos alucinados. Há ainda o apresentador, que foi militar, com umas orelhas bastante proeminentes e uma pose marcial espectacular.

Habitualmente os concorrentes têm aspecto e arcaboiço condicentes com ferreiros: enormes nas várias dimensões corporais, muito frequentemente com adornos pilosos exuberantes, outras vezes de cabeças bastante rapadas. Mas o mais divertido é que são extremamente dóceis e polidos, aceitando sempre com grande urbanidade e desportivismo as críticas do júri e debandam depois das eliminações a que são sujeitos, sem usarem as ditas armas brancas que acabaram de fazer.

E muito espantada fico com a ciência e a enorme trabalheira por detrás de qualquer simples navalha. Há imensos tipos de metal, que se podem ir buscar a correntes de bicicleta ou a restos de tanques de guerra, que se misturam, aquecem e batem como o Cétautomatix do Astérix. Depois há a têmpera, que é o mergulho do metal incandescente em óleo, para que a lâmina fique dura. E ainda o cabo, todo um outro manancial de conhecimento e preparação, importantíssimo para o manejo da arma.

São habitualmente 4 concorrentes que vão sendo eliminados até ficarem 2. Esses têm depois uma semana para, na sua própria casa (forja), fabricarem uma arma icónica e histórica – talvez daí ser no canal História, quem sabe - que vai desde uma espada chinesa de tempos imemoriais a um machado com cachimbo dos índios americanos.

A final é entre esses 2 ferreiros e as suas obras são submetidas às provas mais inconcebíveis: bater em blocos de gelo, em troncos de madeira, cortar carcaças de porcos, furar e estripar bonecos feitos de gel balístico, cortar canos de água, enfim, tudo para ver se o gume aguenta, se o corte é limpo e se, no fim, como diz o jurado de sorriso assustador – your blade will kill.

Portanto para me afastar da paranóia da pandemia estou a transformar-me numa maníaca de facas – só espero que me mantenha tão contemplativa como com as opíparas refeições servidas e degustadas apenas com a imaginação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:02

Dos comprovativos necessários.....

.... para exercício físico

por Sofia Loureiro dos Santos, em 23.01.21

fitness covid.png

Acho que estamos a entrar no reino do disparate descabelado e generalizado.

Portanto, eu preciso de fazer exercício físico, e tenho-o feito 4 vezes por semana, com uma PT. É a melhor (e única) forma de combater a obesidade, a hipertensão arterial, a ansiedade, e comprovadamente prevenir inúmeras doenças, da diabetes à demência, passando pela oncológica.

No meio de uma pandemia, em que foi decretado o confinamento geral, gostaria de saber a razão pela qual é preciso um comprovativo para mostrar à polícia, para que esta não me multe por fazer exercício físico na rua.

Não é possível ir aos ginásios - locais fechados. Não é possível ir aos complexos desportivos, como o do Jamor, para treinar ao ar livre - estão interditados. Não se percebe qual o benefício para o impedimento da transmissão viral. Será que são o vento e a chuva a espalharem o vírus? Estão enclausurados nas nuvens?

A minha PT, com imenso receio de ser multada por dar treinos, coloca-se a mais de 2 metros de distância, de máscara, grita por cima da ventania ordens de agachamentos e lounges, comigo de corta-vento e gorro, transportando colchão e halteres. Temos ido para um sítio ermo, desabrigado e sem gente nem casas à volta, para evitar ajuntamentos, mas um pouco longe para ir a pé, até pelo tempo invernoso que se tem feito sentir.

Fiquei agora a saber que não podemos ir de carro e que tenho que ter um comprovativo de morada para apresentar, caso a Polícia mo peça.

Exactamente - comprovativo de morada para poder estar num ermo, ao frio e à chuva, a treinar. Isto quando há artigos científicos que especificam que a transmissão viral é muito mais frequente indoors do que outdoors e que o fitness é uma das actividades que podem (e devem) ser efectuadas, precisamente ao ar livre.

Estamos a atingir um nível de paranóia e demência assustadores. Nada disto ajuda a combater a pandemia, só agrava. Principalmente a pandemia do pânico, que nunca foi bom conselheiro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:44

Neurótica, eu?

por Sofia Loureiro dos Santos, em 28.09.20

crazy woman (2).jpg

 

Neurótica, eu?

Nem pensar. Estou calma e serena, aliás como sempre.

É claro que toda esta situação é desafiante, mas estamos à altura dos acontecimentos.

Tenho mantido uma distância confortável dos telejornais, comentadores e programas de (des)informação, tal a vontade de usar todos os métodos de tortura conhecidos e desconhecidos em todos os que me aparecem pela frente, perorando sobre vírus, medidas de saúde pública, estatísticas de infecções e óbitos.

Também me tenho poupado a tudo o que nos mostre como esta experiência nos melhora e enriquece, principalmente no vocabulário vernáculo e na criatividade com que se procuram projécteis à mão de semear.

Estou portanto a evoluir no sentido positivo de alguém que vê fantásticas oportunidades no obscurantismo e na histeria das redes sociais, na ignorância e demissão dos nossos jornalistas, na mediatização da insanidade.

Neurótica, eu?

Nem pensar!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:16

O jornalismo a que temos direito (2)

por Sofia Loureiro dos Santos, em 18.06.20

diario-de-noticias-logo.jpg

Não sei se é por ignorância: só há UMA Ordem dos Médicos, que tem órgãos representativos regionais - a Secção Regional do Norte, a Secção Regional do Centro e a Secção Regional do Sul, cada uma com o seu Presidente, ou por não saber expressar-se por escrito. Para a jornalista Rita Rato Nunes o Presidente da Ordem dos Médicos do Sul (Alexandre Valentim Lourenço) fez declarações retumbantes, pelo que é preciso dar-lhes o devido realce, mesmo dando-lhe uma função inexistente.

Mas o mais cómico, ou dramático, é que esta asneira foi replicada por variados meios de comunicação que, de forma acéfala e sem qualquer juízo crítico, propagam disparates com o maior desplante. Mas incompetentes são os ministros novatos e titubeantes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:16

O fado dos confinados

por Sofia Loureiro dos Santos, em 30.03.20

raul-pina-vicente-fadistas.jpg

Raul Pina Vicente

 

Quem diria que este fado

Seria algum dia escrito

Com o país confinado

Num reduto tão restrito

 

À janela como o gato

Estamos ao sol a crestar

E à noite sem recato

À lua vamos cantar

 

Vozes altas afinadas

Dedos soltos e trementes

As palavras libertadas

No louvor aos mais valentes

 

E o fado prisioneiro

Solta-se enquanto chora

Que o fado é sempre o primeiro

A voar pela noite fora

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:36

O circuito dos confinados

por Sofia Loureiro dos Santos, em 30.03.20

circuito.jpg

 

Vou do quarto para o banho

e do banho prá cozinha

dou um salto até à sala

onde aceno à vizinha.

 

A seguir a esta volta

esta grande caminhada

vou deitar-me ao trabalho

numa sesta abençoada.

 

É obrigatório estar

sempre a par das novidades

e ouvir com atenção

o falar das Entidades

 

Cada um na sua toca

solitário no seu ninho

mas luzindo com o olhar

transbordante de carinho.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:34

Espelho meu espelho meu - há alguém mais desgrenhado do que eu?

por Sofia Loureiro dos Santos, em 29.03.20

mafalda desgrenhada.jpg

 

Fecho a porta nego o vírus

escondo-me com afinco

sabe lá se estou ou não

faço de morta e minto

 

Penteio-me a preceito

com pente escova e desvelo

palha d’aço esbranquiçada

arremedo de cabelo.

 

Da sua cor não me lembro

se bordeaux se acastanhado

a última vez que o vi

era louro envergonhado.

 

Agora tem listas brancas

e amarelas desbotadas

cabelo crespo e singelo

de pontas arrepiadas.

 

Quando pudermos sair

desta toca de coelho

o melhor é nem olharmos

para o pobre do espelho!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:32

Rimas de quebrar vírus

por Sofia Loureiro dos Santos, em 22.03.20

SARS-CoV-2.jpg

 

Lava a cara lava a boca

usa a água e o sabão

lava a mão e lava a outra

com desvelo e atenção.

 

Entra em casa sem receio

limpa bem o puxador

abre a porta e depressa

tira a roupa do exterior.

 

Não te encostes a ninguém

os abraços vão esperar

cobre a boca e o nariz

se tiveres que espirrar.

 

Não te assustes não te alarmes

exercita o coração

estica encolhe encolhe e estica

até à próxima sessão.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:42

Estilo quarentena 2020

por Sofia Loureiro dos Santos, em 22.03.20

Sem sair de casa durante 3 meses

desgrenhado 3.jpeg

desgrenhado 4.jpg

desgrenhado 5.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:08


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg