Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

O(s) Impostor(es)

enric marco.jpg

Javier Cercas escreveu sobre Enric Marco Batlle, um catalão que durante décadas inventou a sua própria biografia como lutador anti fanquista e sobrevivente do campo de concentração de Flossenburg, desmascarado por um historiador em 2005. É um extraordinário livro, como costumam ser os dele. Vale a pena ouvir esta conversa sobre os difíceis anos em que a história se impôs e cresceu dentro dele.

 

joseph hirt.jpg&q=80&MaxW=550&MaxH=400&RCRadius=5

 

Mas não será caso único nem original. Joseph Hirt, autoproclamado sobrevivente do campo de concentração de Auschwitz, é também um impostor, tendo admitido o embuste em que transformou a sua vida, após ter sido desmentido por um professor de História.

 

Dá que pensar como foi possível enganarem tanta gente durante tanto tempo.

The hidden Holocaust

holocaust.png

Holocaust by bullets

 

Acabo de assistir a um programa de reportagem da CBS news, através da SIC notícias. O Padre Patrick Desbois fundou uma organização - Yahad-In Unum - cujo objectivo é procurar os locais de enterramento ou valas comuns, não assinaladas, onde foram enterrados milhares de judeus durante a II Guerra Mundial, nos territórios polaco e da antiga União Soviética.

 

Ao fim de tantos anos começa a falar-se dos segredos proibidos e assustadores do lado negro da humanidade - estes assassinatos em massa não teriam sido possíveis sem a cumplicidade, por acção ou por missão, das populações locais. Assistiam aos massacres com se de um espectáculo se tratasse, levando a família e aproveitando para roubar os despojos.

 

Vale a pena ver e meditar.

Holocausto

 

 

 

Já não são corpos já não são gente

bonecos desarticulados em posições angulosas

sem cabelos dentes carne.

São ossos que nos furam a alma

palhaços tristes trapos imundos

daqueles que se erguem como máquinas

impenetráveis aos nossos olhos

daqueles para quem a morte se engole

com o pão de todos os dias.

 

Já não são corpos já não são gente

são vozes que de todos os cantos do mundo

gritam e choram para sempre.

 

Teresín - Theresienstadt

 

 

Theresienstadt, ou Teresín (em checo) – foi um campo de concentração nazi, desde 1941, para onde se deportavam judeus, definitiva ou transitoriamente, a caminho de Auschwitz.

 

Era um campo de concentração que, originalmente, foi pensado para albergar a burguesia judaica germanófona. Havia pintores, escritores, músicos, cientistas, diplomatas, professores, etc. Fazia-se uma tentativa de proceder como se a vida decorresse dentro da normalidade, mantendo as crianças nas aulas e uma produção artística que, por entre os horrores que ali se passavam, poderiam sugerir aos presos a ilusão e alguns vislumbres do que era ser-se humano. Chegou mesmo a ser usado como propaganda do regime nazi, que autorizou a Cruz Vermelha a visitá-lo em 1944.

 

Calcula-se que dos 140.000 deportados para Theresienstadt apenas 12.747 sobreviveram à guerra. No Museu Judaico de Praga estão guardadas colecções de desenhos e pinturas realizados pelas crianças e pintores de Theresienstadt. Muitos músicos continuaram a compor no campo de concentração.

 

Anne Sofie Von Otter, em 2007, publicou um CD com uma compilação de obras de vários compositores de Theresienstadt.

 

Não encontrei no YouTube nenhum excerto do CD. Mas é lindíssimo. Apenas encontrei uma interpretação de uma sonata para violino, de Erwin Schulhoff.

 

Yvonne Smeulers

 

Adenda (informação de Eugénia de Vasconcellos): ver o livro de Daniel Blaufuks.