Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Da incerteza das certezas

trump putin.png

 

Depois do embuste que levou à guerra no Iraque, de que já aqui falei mais de uma vez, como nos podemos sentir seguros perante a afirmação de Macron sobre as provas do uso de armas químicas pelo regime Sírio?

 

Que elas foram usadas, parece não haver dúvidas. Inaceitável e muito suspeito é o facto da Rússia vetar investigações independentes, patrocinadas pela ONU, impedindo que as decisões sejam totalmente suportadas por provas colhidas por uma Comissão que não esteja manipulada por qualquer das partes.

 

Mas tudo isto me angustia e alarma. A credibilidade dos actores políticos é nenhuma e qualquer passo dado pode desencadear tempestades impossíveis de controlar. Infelizmente, as Nações estão pouco Unidas e a força que têm para se fazerem ouvir é nenhuma.

Das cautelosas cautelas do PCP

pcp chechenia.jpg

 

 

O PCP só tem certezas quando se trata dos desmandos dos EUA, dos seus aliados capitalistas e opressores do povo trabalhador. Quanto à Rússia e aos seus amigos e protegidos, tudo são dúvidas existenciais e cautelas adicionais.

 

Será que há uma perseguição contra os LGBT na Chechénia? Será que estão a colocar pessoas em campos de concentração devido à sua orientação sexual? Será que a Coreia do Norte é uma democracia? Será que o regime Sírio tem armas químicas e as pode usar contra o seu povo? Será?

O uso das armas químicas

O facto de se condenar o uso de armas químicas na Síria não é o mesmo que aplaudir o ataque dos EUA. A rapidez com que já se concluiu que tinha sido Bashar al-Assad o responsável, aceitando a intervenção dos EUA sem mais explicações e à margem das Instituições internacionais, recorda o que se passou com a manipulação informativa aquando da guerra do Iraque, nomeadamente com a evidência de existência das armas de destruição maciça. Não podemos, no entanto, escamotear que houve, de facto, um horrível ataque com armas químicas.

 

Mas a estratégia do PCP de tentar desviar o assunto que se discute com outros horríveis pecados do adversário, desculpabilizando os seus aliados, é também conhecido, arcaico e desonesto.

Do arcaísmo ideológico ainda vivo

O PCP continua a manter as suas costumeiras características de uma cegueira ideológica arcaica. Inacreditável que, perante um inqualificável crime de guerra na Síria, com a utilização de premeditada de armas químicas, não se tenha juntado ao voto de condenação no Parlamento português. Pelo contrário, condena os EUA pelo bombardeamento que se lhe seguiu.

 

É lamentável e incompreensível.