Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

A vez da Espanha

 

Segundo todos os jornais, a Espanha está a horas de um pedido de resgate financeiro, após inúmeras negações repetidas pelo seu Primeiro-ministro, no poder há cerca de 6 meses, tal como aconteceu a Portugal, também após inúmeras declarações de Sócrates, negando a necessidade de recurso a uma intervenção externa.

 

Gostava de ouvir os defensores da intervenção do FMI a Portugal, que usaram a teimosia do governo socialista como arma de arremesso e justificação para a crise política que levou à realização de eleições antecipadas, o coro de insultos que se ouviram e leram em relação a Sócrates e a Teixeira dos Santos, os culpados da inevitável intervenção a tão mal governado país, explicarem esta incongruência.

 

Rajoy não é mentiroso, nem está delirante, é totalmente a favor de austeridades e minimização das funções do estado, é um homem às direitas. Como é que é possível os mercados terem-se voltado consistentemente contra Espanha?

 

Os países europeus, principalmente aqueles que aceitaram ser apelidados de preguiçosos, mentirosos, gastadores, etc., aqueles que foram aceitando que o poder político fosse substituído por pressão do poder económico, principalmente aqueles que aceitaram que quem decide na união europeia é a Alemanha, olham para a destruição de um projecto de cooperação, de paz e de bem-estar social, conformados.

 

Quando se fazem análises históricas aos grandes conflitos europeus e aos seus primórdios, custa a perceber que tudo estava à vista e ninguém conseguir perceber. Estamos outra vez na mesma. De fato a História repete-se pela cegueira que impede os líderes dos povos reconhecerem evidentes sinais de alarme.

 

Esta Europa não é para nós

 

 

A Europa fez o que o eixo franco-alemão tanto desejava – as decisões europeias não são democráticas e a democracia passou a ser uma palavra sem significado nos países europeus.

 

O novo acordo, que não é tratado para que não seja necessária a ratificação parlamentar e/ou referendo, impõe que os orçamentos de cada estado soberano sejam revistos pela Alemanha, que as constituições de cada estado soberano sejam modificadas. Ou seja, que os estados deixem de ser soberanos e passem a ser uma parte da Alemanha.

 

Para que iremos nós, cidadãos portugueses, eleger parlamentos se os instrumentos da governação vão passar a ser decididos e Berlim?

 

O governo português, liderado por Passos Coelho, não podia ser mais subserviente nem acomodatício. Tal como o líder do seu parceiro de coligação. Honra seja feita a António José Seguro que, desta vez, não se mostra disponível a abster-se na questão constitucional.

 

Esta Europa não é para nós. Convinha que nos preparássemos para sair pelo nosso próprio pé deste pseudofederalismo.

 

União orçamental

 

A Chanceler alemã, do alto do seu estatuto auto investido de Timoneira da Europa, quer uma união orçamental. Ontem Sarkozy, auto investido de Adjunto da Timoneira europeia, fez um discurso em que proclamava a união com a Alemanha na defesa do euro e da Europa.

 

A expressão União Orçamental agrupa as seguintes exigências - inscrição nas constituições dos países membros de tectos de dívidas públicas e de défices orçamentais, com penalizações automáticas para os infractores, desde que, obviamente, não sejam a Alemanha e a França. Quanto aos limites e aos orçamentos não se sabe bem se necessitam apenas de ser aprovados pelo Parlamento alemão ou se também têm que ser ratificados pelo francês.

 

Estou muitíssimo interessada em saber a opinião dos dirigentes dos partidos da coligação governamental, do maior partido da oposição e do Presidente da República, sobre esta refundação europeia e sobre a implementação democrática deste novo Tratado Europeu.