Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Da diáspora

 

É difícil falar do imensurável tédio e incontido asco que estas pseudo-iniciativas me causam. E da incompreensão relativamente à presença do inefável líder do PS, que não perde uma oportunidade de passear o vácuo do seu pensamento e a irrelevância da sua presença na irrealidade deste tempo de colaboracionistas.

 

E segue a quadra da obrigatoriedade do contentamento hipócrita.

 

Liberdade e segurança (2)

Pino: Gypsy

 

Se qualquer cidadão do mundo tem o direito de procurar melhorar a sua vida, de se mover e escolher a seu local de acolhimento, também o estado que o acolhe tem o direito de exigir respeito pelas regras de cidadania.

 

E essas regras não têm apenas a ver com segurança. São regras de participação na sociedade escolhida. São as regras do cumprimento das leis, de todas, nomeadamente aquelas que dizem respeito à observação dos direitos das mulheres e das crianças. Não se pode permitir que haja crianças impedidas de ir à escola por motivos culturais. Não se pode permitir que as mulheres se submetam aos ditames dos homens por causa da sua etnia. Não se podem permitir crimes de honra. Não se pode permitir que cidadãos de um país não paguem impostos, que roubem, que enganem o estado e os outros cidadãos.

 

Pertencer a uma minoria, seja ela qual for, não é razão para discriminação do estado, mas também não pode ser razão para que o estado se demita das suas funções.

Liberdade e segurança (1)

Edouard Manet: Gitane à la cigarette

 

Não é fácil perceber o que se está verdadeiramente a passar em relação à expulsão de romenos de França. A manipulação política dos factos é óbvia e é muito fácil escolher um lado, assumindo valores de legalidade e segurança ou de liberdade e tolerância.

 

O problema é que estes valores não são, nem podem ser, mutuamente exclusivos. Os direitos humanos e a nossa ideia de uma Europa multicultural e multirracial não podem impedir que se zele pelo cumprimento das leis, pela inserção das comunidades migrantes nas comunidades que as acolhem, pela recusa do paternalismo condescendente, que é uma forma encapotada de racismo e de xenofobia.

 

No entanto, até onde irá a luta pela segurança e o apelo aos instintos mais primários da população, ao ligar a existência de comunidades nómadas, de emigrantes ilegais, ao aumento da criminalidade e do desemprego?

 

A política de emigração na Europa é cada vez mais restritiva, inventando-se argumentos que dificultam ou incapacitam a mobilidade dos cidadãos de países pobres que, legitimamente, procuram melhorar as suas perspectivas de vida. Além disso a existência de emigrantes no espaço europeu é crucial para o rejuvenescimento da população e para a sustentabilidade daquilo a que se convencionou chamar o estado social.

 

Por muito racional que se seja e que se compreenda a finitude dos recursos, a existência de inúmeras moles humanas sem trabalho nem raízes que constituem um problema grave para as sociedades ocidentais, esta racionalidade não pode ser sinónimo de deportações em massa. A liberdade de circulação, a possibilidade de sonhar e o direito que todos temos de lutar por um futuro, não podem ser negados em função de uma generalização de comportamentos agressivos e nocivos à nossa forma de vida.

 

A mistura de culturas, de raças, signifique esta palavra o que significar, de pessoas, é o melhor património da raça humana.

(Ir)responsabilidades perigosas

 

Os partidos da oposição estão de acordo quanto a algumas alterações à lei que o PS e o Governo não aceitam.

 

Os partidos da oposição, nomeadamente o PSD e o CDS à direita, o BE e o PCP à esquerda, devem assumir as suas responsabilidades. Já que estão de acordo sobre esta e outras leis que já passaram na Assembleia, talvez valesse a pena chegarem a acordo para uma alternativa ao governo do PS.

 

Assim como o Presidente Cavaco Silva. Se optar por caucionar esta nova coligação, pode preparar-se para encontrar outra solução governativa.

 

Entretanto há sempre umas mentes peregrinas que se esquecem do que é a liberdade individual e a privacidade, achando que os fins (combate à corrupção) justificam quaisquer meios (acesso aos rendimentos de todos os cidadãos através da internet). Até porque não se percebe como é que a corrupção é combatida com esta medida, a não ser que todos os cidadãos passassem a ser informadores do fisco. Pelos vistos Francisco Assis também não percebe.

 

Paulo Portas, totalmente encafuado no fato de estadista, populista, absolutamente credível político dos capacetes azuis, vai preenchendo páginas de jornais e minutos televisivos.

 

Vivemos tempos bem complicados e perigosos.

 

Todos diferentes, todos iguais

Já tinha lido um post no Canhoto sobre a discussão parlamentar de um projecto de lei, assinado pelo Bloco de Esquerda (BE), que pretende abrir a possibilidade de formação de turmas bilingues (Português e a língua materna dos pais) e multiculturais, aventando a hipótese de haver mais de um professor por turma, com o propósito de integrar melhor os filhos dos imigrantes na sociedade.

Concordo com a maioria do que Rui Pena Pires escreve. A escola pública deve ser multicultural pela constituição multicultural e multiracial das turmas, em vez de se formarem guetos de escolas e de turmas para os filhos de imigrantes, e escolas e turmas para os filhos de portugueses.

Esquece-se o BE de que os filhos dos imigrantes já são portugueses, ou assim devem ser considerados, e que para a sua integração ser possível, nomeadamente no mercado de trabalho, português e europeu, devem ter exactamente as mesmas oportunidades, na qual está a total aprendizagem e dominação do Português e do Inglês. Só assim os filhos dos imigrantes poderão aspirar a terem uma integração plena na nossa sociedade.

Esta proposta de lei é demagógica e paternalista, acentuando a desigualdade de oportunidades numa escola que a deve reduzir, potenciando a formação de grupos de alunos diferentes e, portanto, marginais, pelas origens geográfica, linguística e cultural (e social!) dos seus pais.

Os novos portugueses


Apesar de não ter votado em Cavaco Silva, de ele me enervar com o seu porte rígido e computorizado e a sua voz de risco de giz em ardósia, tenho que reconhecer que gostei de duas coisas neste 10 de Junho, primeiro em que ele é Presidente.

Gostei que ele responsabilizasse todos os portugueses pelo bom ou mau país que temos, que ele tenha dissertado sobre as almas pouco caridosas que tanto se queixam da desigualdade, exclusão social e miséria, mas que trabalham sobretudo em esquemas para não cumprirem as suas obrigações fiscais, que culpam de tudo o estado e que tudo exigem do estado.

Gostei que ele homenageasse as Forças Armadas, que lhes restituísse o prestígio e a honra de desfilarem no dia de Portugal. A elas devemos o 25 de Abril, a elas devemos o 25 de Novembro, a elas devemos alguma da boa imagem de Portugal no mundo, com elas contamos sempre, inclusivamente para melhorar essa imagem, por exemplo em acções de paz.

Não gostei que faltasse a homenagem a todos quantos fazem Portugal, nomeadamente e cada vez mais, aos imigrantes, que nos ajudam a renovar o país, que trabalham quantas vezes em condições precárias de indignidade e desumanidade. Faltou a homenagem a essa massa anónima que limpa as nossas casas, que lava os nossos carros, que trata dos nossos pais e filhos, que constrói as nossas casas, que paga as nossas reformas, que tem filhos que serão os próximos filhos da nação.

Era talvez mais importante que muitos roteiros para a inclusão, incluí-los onde eles já pertencem por direito – no país, facultando-lhes uma educação exigente e sem paternalismos bacocos, uma nacionalidade de que eles e os seus descendentes se possam orgulhar.

Escolheram-nos, servem-nos – porque não chamar-lhes portugueses?

Imigrantes de leste

Espera por mim, meu amor.
Por entre a multidão
saberei a luz dos teus olhos.
Desta longa noite em que te anseio,
da tua mão sem a minha,
dos meus lábios sem a tua língua.

Encontraremos as pedras lisas
do nosso amor,
a terra do nosso chão,
a chuva da nossa primavera.

Espera por mim, meu amor.


Têm filhos, alguns já cá nascidos. Têm cursos superiores que aqui não são reconhecidos. Têm que aprender outra língua para se fazerem entender, para trabalharem, para conseguirem novamente as licenciaturas. Têm que procurar o trabalho onde ele está. Têm que fazer quilómetros dentro de Portugal, em camionetas ou de comboio, porque as portagens são caras.

Trabalham, ousam, arriscam, persistem, não desistem do sonho que os trouxe.

Obrigada por nos terem escolhido. Sejam bem-vindos.

Igualdade (II)

A Europa precisa de emigrantes. Estamos de acordo em que a integração dos estrangeiros passa pelo respeito dos seus costumes, da sua religião, enfim, pela liberdade de se exprimirem. Devem ser tratados com dignidade e poderem procurar uma vida melhor fora das fronteiras do seu país natal.

Parece-me que a tentativa de restringir a entrada de emigrantes e de dificultar a sua legalização apenas tem conseguido a proliferação de mafias e de miséria. Em vez de burocracias hipócritas deveria ser exigida e facilitada a aprendizagem da língua do país de acolhimento e o respeito pelas leis vigentes, tal como a qualquer outro cidadão.

Mas o que se está a passar em Paris não pode ser desculpado, em nome de valores morais e humanitários. Dos valores maiores que as sociedades democráticas devem preservar, a segurança e a paz são essenciais. Por muito que se entendam as razões de revolta, descrença e desesperança de quem tem praticado tamanha violência, tal não pode ser admissível. A democracia não pode ficar refém ao defender os seus próprios valores.