Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Histórias de Lisboa

Há um ano estreava Histórias de Lisboa. Para mim, um fantástico desafio e experiência, aumentados pelo orgulho de participar num espectáculo do Teatro Meridional.

Neste vídeo podemos perceber o conceito, os bastidores, a Lisboa de há um ano, poesia, e excelentes profissionais a criarem e a trabalharem. É sempre um milagre. Obrigada a todos por esta oportunidade, especialmente à Natália e ao Rui. E parabéns!

E como a Lisboa de hoje é diferente da Lisboa de então. Como, de um momento para o outro, tudo muda. Talvez se pudéssemos guardar alguma desta Lisboa silenciosa, espaçosa, dormente e luminosa para um futuro que rapidamente irá voltar, negando as juras de revolução na vida e no uso e abuso dos recursos, fosse se não o suficiente pelo menos uma vitaina de ar e de asas para continuarmos a sonhar.

 

Esta é a letra do fado que o Rui Rebelo magistralmente musicou

 

LISBOA

 

Regresso numa noite de alegria

com ondas de memória no olhar

a pele em nuvens de melancolia

de um corpo que recusa naufragar

 

Em barcos ou nas pedras das calçadas

nas ruas que percorro e desconheço

um mundo de palavras soletradas

de quem faz de Lisboa um recomeço

 

Destino de um passado que se esquece

ao ritmo que desfaz a melodia

verdade de um canto que apetece

no Tejo em que se espelha a poesia

 

As aves que ecoam assustadas

nas praças que Lisboa desenhou

desfilam pelas portas desbotadas

como se a luz abrisse o que fechou

 

Nem muros de pobreza e solidão

limitam tantas almas sem idade

dedilham com amor e lentidão

o fado que refaz a liberdade

 

Regresso numa noite imaginada

pelas ruas que a Lua inundou

recolho numa alma enrugada

o canto que Lisboa me ensinou

 

7 comentários

Comentar artigo