Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Do não retorno

Nunca percebi muito bem a razão da atitude céptica e desesperançada que a maioria das pessoas adquire à medida que envelhece. Não são só os cabelos que embranquecem, mas também os olhos perdem o brilho, os ombros encurvam, os sorrisos abreviam. A nostalgia e o culto da inocência demonstram bem a certeza de a perderem, se bem que o exacto significado dessa expressão tardava em revelar-se.

 

Mas agora olho para o que era e para o que sou, e vou entendendo que a secura da vida se apropriou de mim. Muito do que eram as minhas crenças e do que eram os meus princípios, férreos e inamovíveis, nobres e escorreitos, limpos e directos, parecem cada vez mais esbatidos, a perder nitidez. A relativização dos limites e dos comportamentos perante as desilusões e as evidências a desmentir tudo o que pensava certo e inquestionável, o mover do chão onde me implantei, fazem com que me desgoste de mim.

 

E no entanto não quebrei nada a que me tivesse comprometido, cumpro devotadamente os meus deveres, apregoo aos quatro ventos a procura da felicidade, a existência desse local mítico que nos faz viver, dia a dia, ano a ano. Mas algo se vai quebrando em mim, essa capacidade de olhar para o mundo e o ver cintilar, essa radiosa certeza de que se nos dermos à vida ela nos será gentil e pródiga.

 

Na verdade, para uma total agnóstica como eu, acredito de mais na providência e no retorno das boas acções. Só existem acções, nem boas nem más, mas apenas inconsequentes, rituais e inconscientes, uma roda de actos e emoções que se modelam entre si e se habituam a tudo. E a nada.

4 comentários

Comentar artigo