Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Das datas fracturantes

por Sofia Loureiro dos Santos, em 24.11.19

fonte luminosa.JPG

Manifestação do PS na Fonte Luminosa, na Alameda, em Lisboa (30-12-1975)

 

No dia 25 de Novembro de 1975 defrontaram-se duas concepções de sociedade - os defensores de um regime democrático multipartidário de tipo ocidental e os de um regime totalitário ditatorial de tipo comunista. Foi uma data fundamental para a consolidação da democracia portuguesa, tal como o 25 de Abril de 1974 foi a data fundacional desse mesmo regime. Ambas foram fracturantes e em ambas poderia ter eclodido uma guerra civil.

Aos militares que organizaram e concretizaram o golpe militar a 25 de Abril e aos que defenderam o regime democrático a 25 de Novembro, devemos o nosso reconhecimento e as nossas homenagens.

O PS foi o partido político mais importante no combate à deriva extremista e totalitária de 1975. Essa memória faz parte da sua e da nossa História recente. Durante muitos anos foi precisamente ese momento um dos grandes entraves ao entendimento entre o PS e os partidos que, no 25 de Novembro, representavam a facção antidemocrática. António Costa conseguiu ultrapassar ressentimentos e posicionamentos monolíticos, fazendo uma ponte indispensável entre o que unia o PS e os partidos à sua esquerda, seguindo a abertura do PCP, que a percebeu como a única forma de desapear a direita do poder.

Mas o PCP e o BE terão que perceber que o caminho reiniciado a 25 de Novembro foi aquele que permitiu que eles próprios sobrevivessem, para não falar da democracia e da liberdade. A existência da Geringonça não pode levar o PS a negar a sua história nem a sua identidade intrinsecamente democrática, para não ferir as sensibilidades dos seus parceiros.

Ao permitir que a direita e a extrema direita se mostrem como os únicos defensores do 25 de Novembro, reclamando-o como uma das suas vitórias, o PS acaba por se deixar colar aos que, nessa altura, estavam do lado do totalitarismo esquerdista, esquecendo que foi uma trave mestra da liberdade naqueles tempos revolucionários. Eu não o esqueço e penaliza-me muito que, no Parlamento, seja apenas a direita a querer homenagear o 25 de Novembro.

Adenda: Grupo parlamentar do CDS/PP - Voto de saudação n.º 41/XIV – Pelo 44.º Aniversário do 25 de Novembro

Grupo parlamentar do PS - Voto de saudação n.º 53/XIV - À construção da Democracia em Portugal

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:31


5 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 24.11.2019 às 20:10

«Eu não o esqueço»-Não vale a pena, Sofia.
Passo pela Calçada da Ajuda (24Nov), zona da placa alusiva aos comandos ali caídos em 25Nov, pelas 11h15.
Uma formatura de 70 a 80 antigos comandos, presente a Senhora Viúva de Jaime Neves com uma neta, uma representação de cariz militar em cerimónia aos mortos, todos ex-Comandos.
Vindos da Amadora a pé por Monsanto até ao local, uma bandeira Nacional atrás e PSP à frente.
Faço perguntas a um dos presentes, como foi a caminhada, como regressam à Amadora?
a) Pediram para sair do exterior da Porta de Armas do antigo Regimento, sem sequer ir ao interior: "Não autorizados". Escorraçados para estrada antiga de acesso ao Reg Cmds, a saír do IC19!
b) Pediram ao Exército autocarro para os recuperar da Ajuda para a Amadora:
"Recusado". Socorreram-se de alguns dos presentes com auto-própria para o regresso.
Falta de meios no Exército? Receio de censuras políticas do ministério-MDN?
Ou dominados por uma cultura de empresa e chefia de teor cobardola e miserabilista,
quando perante a tropa no activo, falam e vendem nas paradas ás praças, a superior moral e sentido de coesão da 'corporação'?
Nada a fazer, Sofia.
José Monteiro (Cor Páraq)
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 26.11.2019 às 00:22

Julgo, Sofia, que o PS se recusou a associar ao voto pelo aniversário porque a iniciativa partiu justamente daqueles que querem fazer um aproveitamento político do 25 de Novembro que este acontecimento não permite de todo.

Tratou-se de uma operação militar destinada a restaurar a autoridade do Estado e o respeito pela hierarquia militar, sendo que os seus principais fautores, Costa Gomes, Eanes e Melo Antunes, isto para além naturalmente das tropas no terreno a quem é devida homenagem, em particular aos que perderam a vida, são absolutamente insuspeitos de simpatias pelas causas hoje defendidas por uma parte do CDS ou pelo deputado do Chega.

Mas Eanes tem razão. O 25 de Novembro representou uma fractura entre duas secções da sociedade portuguesa que continuam a existir (ainda alguém se proclama do 24 de Abril?). Talvez valha pois a pena não lhe atribuir uma dignidade semelhante à do 25 de Abril, cuja importância é consensual.

O PCP e o BE são hoje Partidos fundamentais à nossa democracia, representando qualquer coisa como 15% dos eleitores votantes. João Ferreira disse aqui atrasado num debate com Adolfo Mesquita Nunes que o PCP se revia no regime democrático tal como existe. Pena é que, como diz, que ainda não consigam admitir que a prática democrática é mais importante que a via para o socialismo.

Como alguém disse recentemente, o socialismo só é democrático se colocar a democracia à frente do socialismo...
Perfil Facebook

De António Estrela Teixeira a 26.11.2019 às 16:46

Se, como se escreve no início do terceiro parágrafo do texto acima, «Eanes tem razão», suponho que a concordância se referirá a uma passagem por si proferida há quatro anos, nas Filipinas:

«O 25 de Novembro foi um momento fracturante e eu entendo que não devemos comemorar; os momentos fracturantes não se comemoram, recordam-se e recordam-se apenas para reflectir sobre eles. (...)»

passagem essa que me deixou profundamente curioso pela "oportunidade" como se "materializou" e como ela "encaixa" nos propósitos de uma certa esquerda de que a evocação/celebração do 25 de Novembro se fizesse no formato o mais "tépido" possível, sem hostilidades demasiadas à "outra" esquerda.

O que eu gostaria de recordar o comentador acima é que, nesse mesmo ano de 2015 e nessa mesma altura, Eanes, que já disse muitas coisas a respeito do 25 de Novembro, foi citado pelo Expresso (que dedicou uma reportagem ao assunto), dizendo:

«Se perdêssemos, seria fuzilado» (https://expresso.pt/sociedade/2015-11-25-Tive-de-andar-a-bofetada-para-nao-haver-disparos-o-dia-em-que-Portugal-esteve-a-beira-de-uma-guerra-civil)

Também neste caso, «Eanes tem razão» e é uma frase que ainda hoje me impressiona e que mostra de uma forma bastante menos adocicada o que esteve em confronto naqueles dias do Outono de 1975. Que a Verdade do que aconteceu não convenha ao actual ambiente político, nomeadamente a uma das facções do PS, isso é uma outra coisa, mas que não se tome o expediente argumentativo de "dar pancada" nos revanchistas da direita (que sempre os houve) e "esquecer" os da esquerda totalitária como um sucedâneo da homenagem séria aos intervenientes e ao significado da data.

Quanto ao resto, o PCP e o BE são hoje partidos tão fundamentais à nossa democracia quanto os outros todos, nomeadamente os que recolheram votação suficiente para estarem representados na Assembleia da República. É (mais) uma coisa que devemos ao 25 de Novembro...
Sem imagem de perfil

De Jaime Santos a 04.12.2019 às 23:37

Não estou a dar pancada na Direita Revanchista, meramente a lembrar que se calhar não será boa ideia andar a secundá-la, naquilo que foi um nítido ato para tentar entalar o PS.

Que ninguém tenha dúvidas que se Portugal tivesse caído numa ditadura de sinal contrário, os principais intervenientes na defesa da democracia durante 1975, a começar por Eanes ou Soares, teriam acabado no mínimo exilados, ou mesmo mortos.

Agora, convém igualmente lembrar que o 25 de Novembro representou o culminar de um confronto que se desenrolou durante muitos meses, e que a homenagem a ser feita não deverá ser apenas aos militares que se bateram nesse dia, mas igualmente aos Partidos e aos Cidadãos que resistiram nas ruas durante o Verão Quente, a começar, naturalmente, pelo PS.

Ora, eu nunca vi, e bem, este Partido a fazer especial gáudio de tal coisa... Talvez porque o próprio Mário Soares quereria, também por conveniência política, manter pontes abertas para com o PCP?

Porventura, mas parece-me é mais uma atitude de grandeza para com os vencidos...

Ora nisso, Eanes mostra o mesmo desprendimento. Coisa que aliás sempre caracterizou o General, mesmo quando eu discordei profundamente das suas opções políticas, como quando da fundação do PRD...
Imagem de perfil

De Isa Nascimento a 26.11.2019 às 12:02

"Aos militares que organizaram e concretizaram o golpe militar a 25 de Abril e aos que defenderam o regime democrático a 25 de Novembro, devemos o nosso reconhecimento e as nossas homenagens."
Grata Sofia, por esta partilha que convida à reflexão.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2005
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg