Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Das armas contra o terror

por Sofia Loureiro dos Santos, em 07.01.15

jesuiescharlie.JPG

Hoje não é possível deixar a indignação silenciosa, dentro de cada um de nós. Um dos valores da nossa sociedade tolerante e democrática - a liberdade - foi usada precisamente para acabar com ela.

 

Ninguém pode deixar de mostrar a sua revolta, sob pena de perdermos um dos bens mais preciosos ao ser humano - a liberdade de expressão de pensamento.

 

Mais perigosa que as espingardas e as metralhadoras, que os tanques e as bombas, são a literatura, a pintura, o humor, a ironia, o sarcasmo. O atentado de hoje, em que foram assassinadas 12 pessoas que usavam o humor para explicar e viver a sociedade é uma infâmia, um crime sem qualquer tipo de justificação.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:51


11 comentários

Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.01.2015 às 09:28

Obviamente, concordo!

Mas gostava de comentar à margem deste atentado concreto para deixar uma questão que sempre me suscitou sérias dúvidas. Ela prende-se com a utilização do " humor para explicar e viver a sociedade ", e é a seguinte: quando o humor ridiculariza intencional e objectivamente o direito do outro às suas crenças e às suas ideias de sagrado, de que tipo de "liberdade" é que estamos a falar?
A mesma questão poderia também ser colocada noutro plano: quando a dita "liberdade de expressão" é usada para atentar pública e deliberadamente contra o direito que todos temos ao bom nome, de que género de "liberdade" é que estamos a falar?
Destas questões não resulta a defesa de qualquer género de censura. Mas a questão central mantém-se: é um exercício de liberdade o desrespeito intencional, objectivo, dos direitos do outro ?

MRocha

Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 08.01.2015 às 10:06

Seja o que for publicado, dito ou divulgado, sob qualquer tipo de meio ou suporte - de escárnio ou mal dizer, de amor ou de amigo - deve ser tratado pela sociedade democrática e pelo estado de direito como tal. Nada pode justificar esta violência, até porque os que a praticam beneficiam, eles próprios, da liberdade adquirida e vivida numa sociedade aberta e democrática.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.01.2015 às 10:24

Acho que não responde às questões que deixei. Nada pode justificar esta violência, obviamente. Mas esta violência também não devia servir de cortina de fumo para nos demitirmos de discutir a prática da "liberdade de expressão". Ou estamos perante um novo fundamentalismo?

Cumprimentos,

MRocha
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 08.01.2015 às 13:51

Penso que respondi à sua questão, sim. Mas respondo de outra forma:
"Mas a questão central mantém-se: é um exercício de liberdade o desrespeito intencional, objectivo, dos direitos do outro?" - é um exercício de liberdade de expressão sim. Caso seja punível pelo desrespeito legal deverá ser como tal tratado pelo Estado de Direito. O que para uns é desrespeito para outros não o será, por isso mesmo é que todos se podem manifestar. Para as situações ilegais há os tribunais.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.01.2015 às 14:17

É precisamente por "O que para uns é desrespeito para outros não o será" que me parece que a "liberdade de expressão" deve ter mecanismos de gestão que não se podem esgotar na forma da lei. A minha liberdade termina onde começa a do outro. Sem essa auto-limitação entra-se no dominio da libertinagem, coisa que não me parece uma referência civilizacional recomendável. É por issso que não sou cliente do Correio da Manhã.

Cumprimentos,

MRocha
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 08.01.2015 às 14:42

Precisamente: NÃO É cliente do Correio da Manhã - ESCOLHEU não ser. Mas não se pode proibir que existam Correios da Manhã. A autocensura é isso mesmo - a nossa capacidade e liberdade de opção.
Sem imagem de perfil

De Anónimo a 08.01.2015 às 15:39

O problema é que não se pode optar em relação ao que se desconhece. Quem não faz ideia ( e infelizmente há muito quem não faça ideia ) de que a liberdade de imprensa é balizada por uma coisa chamada Código Deontológico do Jornalista, não tem como optar entre o direito de ser informado e aquilo que o CM vende como jornalismo. Não vale tudo em nome da tão proclamada "liberdade de expressão". É a própria classe jornalistica que reconhece essa necessidade de se impôr regras a que adere voluntariamente quem quer obter a respectiva carteira profissional. Não se trata pois de "proibir" a existência de CM's. Mas de lhes exigir que sejam os primeiros a respeitar os valores que apregoam. Em nome do direito que todos temos de ser informados. E respeitados.

E por aqui me fico. Obrigado pela polémica.

MRocha
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 08.01.2015 às 17:50

Concordo consigo que não vale tudo. Mas é precisamente a exigência do cumprimento das regras que está nas mãos dos cidadãos - não comprando esse tipo de "informação" e consumindo outra, pois também a há, embora escassa, é verdade. A única força da nossa sociedade, que também é fraqueza em relação aos extremismos, é o respeito e a aceitação das diferenças, por muito que nos sejam odiosas. A nossa única arma é a lei e a manutenção desses valores. Não tenho soluções, infelizmente, e tudo isto me assusta e indigna.
Imagem de perfil

De sivispacem a 08.01.2015 às 16:59

Tendo a concordar (parcialmente...) com o comentador de Sofia.O chamado Ocidente teve sempre a tendência de impor a sua "bench mark" civilizacional a TODAS as outras civilizações,como um "deus ex-machina"...Tudo bem!...Mas tem que estar preparado,PARA JÁ,para as reacções violentas de outras "bench marks"...Ou para o que prevejo que se avizinha,um novo FECHAR DE FRONTEIRAS,e,NO LIMITE,uma "anti-Idade Média",seja lá isso o que for!...
Cumprimentos,"kyaskyas"
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 08.01.2015 às 17:59

Olá, Sivispacem - é verdade que o ocidente tem tendência a impor a sua benchmark civilizacional, mas a verdade é que este tipo de atentados são efectuados por aqueles que beneficiam dessa mesma civilização, com as suas regras, a sua abertura e a sua tolerância. Também me parece que se avizinham tempos de retrocesso e fecho de fronteiras, qualquer coisa que tente travar o terror. O problema é que há, por muito que queiramos ser politicamente correctos e não queiramos impor coisa nenhuma, um enorme abismo entre a liberdade que usamos nas nossas sociedades e o que existe nas organizações/ estados que pregam e evangelizam o totalitarismo e o fundamentalismo religiosos.
Cumprimentos aos dois comentadores.
Imagem de perfil

De sivispacem a 08.01.2015 às 19:28

Oxalá ("sans blague"...) estejamos enganados nos "anti-corpos"que parecem aproximar-se.Pessoalmente acho que a globalização(que ---"encompassing the world",até americanos nos atribuem,com começo em CEUTA,há 600 anos...)tirando o seu aspecto,digamos,LÚDICO,foi CAPTURADA pelo monetarismo de casino,que,em microssegundos,IMPESSOALMENTE(insisto neste aspecto...),pode dar cabo de...um CHIPRE!...
CARPE DIEM !..."kyaskyas"

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg