Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Da revolução democrática (2)

grecia negociacoes.jpg

Acabaste de matar a troika

 

A vitória do Syriza na Grécia tem muita importância e deve ser por todos nós atentamente analisada em vários aspectos:

  1. A radicalização do eleitorado e o crescimento do populismo é a demonstração do desespero e do desencanto dos cidadãos com os tradicionais partidos democráticos no poder, que não souberam lidar com a crise e que se distanciaram do eleitorado, aceitando a submissão e a defesa de políticas claramente contra o interesse e o bem estar dos cidadãos, a falta de dignidade e soberania dos seus povos, o empobrecimento e o crescimento das desigualdades, deixando-se levar nos jogos de poder opacos e não democráticos dos vários actores internacionais, nomeadamente europeus.
  2. A coligação entre o Syriza (extrema-esquerda) e o partido de direita Anel ou Gregos Independentes é uma aliança circunstancial, nascida de uma posição comum em relação à rejeição das medidas impostas pela Troika. Significa isto que as alianças ou definições esquerda/direita já não existem? Ou que há desígnios nacionais, mais ou menos populistas, que justificam alianças que nos parecem contra-natura?. Nada disto é novo; vale a pena, mais uma vez, estarmos atentos e preocupados.
  3. A posição do governo grego em relação à Europa, independentemente do resultado, é uma saudável pedrada no charco e provoca um irresistível aplauso de todos quantos não queremos a continuação desta ordem que nos governa. Os gregos escolheram quem querem que defenda o seu país, tal como todos os países o deveriam fazer, ao contrário do que é apanágio do governo de Passos Coelho/ Paulo Porta, com a sua cegueira ideológica, essa sim, verdadeiramente irrevogável.
  4. Nesse sentido é de saudar o braço de ferro entre o recém-eleito governo grego e a cúpula europeia, pelo que significa de vontade de lutar. O PS não tem que ser igual ao Syriza, tem que aproveitar todas as oportunidades de fazer valer a sua posição de defesa dos interesses portugueses, com os países que tentam fazer contra-corrente à ideologia prevalente destes últimos anos. A Europa não pode ser um torno em volta de alguns elos mais fracos. Não se pode permitir a inqualificável ingerência de ministros alemães e outros nas escolhas eleitorais dos países membros.
  5. O PS deve reflectir bem nas respostas que terá quando for governo, esperemos que com maioria absoluta, das posições que terá perante os parceiros europeus e das coligações que poderá implementar, facilitar ou favorecer para que haja uma maior democratização e igualdade a nível dos decisores internacionais.

Espero sinceramente que as negociações, embora durascorram bem, que se chegue a um equilíbrio e que haja, finalmente, pelo menos o início de uma mudança. A Grécia é um país soberano, tal como Portugal, Irlanda, Itália, Reino Unido, França, Espanha ou Alemanha e os seus cidadãos querem ser tratados como tal. De uma vez por todas que acabe a propaganda que tentou convencer toda a gente que os cidadãos só tinham direito àquilo que as contabilidades organizadas por 2 ou 3 países, chefiados pela Alemanha, podiam disponibilizar. Governar é mais que isso, tem que ser mais que isso.

1 comentário

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.