Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Da responsabilidade colectiva

sns.jpeg

 

É-me tão difícil falar sobre este assunto como não o fazer. É de tal modo grave e inaceitável que a procura das razões é inevitável, ou deveria ser, para que tal não se repetisse.

 

Nos últimos dias ficamos a saber que desde 2013 não havia equipa de neurorradiologia e que, a partir de 2014 também de cirurgia neurovascular a operar aos fins-de-semana nos Hospitais de São José e de Santa Maria. Ficamos ainda a saber que o Ministério da Saúde foi indagado sobre este facto também desde 2013, pelo BE, e que o DN falou no assunto no início deste ano.

 

Multiplicam-se as justificações e as insinuações por parte dos envolvidos. Uma equipa é composta por vários tipos de profissionais e, portanto, basta que haja falha de um deles para que se inviabilize a existência da mesma. Entretanto já se brandem os juramentos de Hipócrates e os vários editoriais mais ou menos inflamados, mais ou menos informados.

 

Várias pessoas morreram. O que se passou depois da primeira morte? Como se chegou até ali? Ninguém fez nada, ninguém disse nada, ninguém fez um escândalo? Quando falo de ninguém englobo os próprios profissionais no terreno, todos, os Directores dos Serviços, os Chefes de Equipas de Urgência, os Directores das Urgências, os Directores Clínicos, as Administrações Hospitalares, os Sindicatos, as diferentes Ordens dos Profissionais. Onde estão as greves, as cartas abertas ou fechadas aos vários patamares de decisão técnica e administrativa?

 

E nós, que lemos o DN e não nos indignámos? E nós, cujo familiar morreu e não reclamámos? E nós médicos, quais as linhas vermelhas que nos traçámos? Hipócrates é apenas mais um anacronismo de uma pseudo deontologia que necessita de se alicerçar em grandes intenções e em grandes palavras. O que importa é aquilo que fazemos, não o que juramos seja lá por quem for. O que importa é que todos os dias actuemos empenhadamente para melhorar a vida dos nossos doentes, seja atendê-los o mais rapidamente possível, seja ajudá-los a entenderem o que lhes dizemos, seja investigarmos livros, consultarmos internet e incomodarmos outros colegas para fazermos um diagnóstico, seja perdermos tempo com papéis e administradores para conseguirmos medicamentos, seja recusarmo-nos a pactuar com situações que façam perigar a qualidade da nossa assistência.

 

A frase não me pagam para isto que tantas vezes dizemos ou ouvimos outros dizerem, pode ter consequências desastrosas de que nem nos apercebemos pois, em boa consciência, achamos que nos basta cumprir procedimentos, horários e/ ou formulários para justificarmos o descontentamento pela escassa e pouco digna remuneração, falta de condições de trabalho, horas de cansaço galopante.

 

A forma como se actuou na saúde, aliás como em muitos outros sectores, foi criminosa. Mas os cortes existiram em todo o País, pelo que não pode ser apenas essa a justificação de tanta incúria e desleixo. O sistema falhou não uma mas, pelo menos, 4 vezes e ninguém actuou nem ao fim da primeira, nem da segunda, nem da terceira, nem da quarta. E a única razão de ter sido divulgada agora é a existência de uma queixa dos familiares da última vítima, um homem de 29 anos.

 

É demasiado mau, demasiado grave, demasiado triste, demasiado assustador.

8 comentários

Comentar artigo