Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A crueldade das boas intenções

por Sofia Loureiro dos Santos, em 03.03.22

protestos russia.jpg

São Petersburgo (24/02/2022)

No frenesim de apoiar os ucranianos, que defendem o seu país da invasão da Rússia, um estado ditatorial imposto por Putin, estão a atingir-se proporções assustadoras no que diz respeito à massificação do espectáculo que é a solidariedade e às boas intenções dos povos democráticos.

Mas, como em tudo, não há bons e maus, heróis e vilãos, por muito que seja isso o que a inundação mediática nos faz crer. O mundo livre, nomeadamente os países da União Europeia e os EUA, combate a Rússia, não os russos.

No mundo livre e democrático, ninguém deve ser obrigada a dizer quais as suas opções políticas. Ninguém deve ser perseguido pelas suas opiniões ou pelo silêncio sobre elas.

Considero uma aberração, compreensível, mas não deixando de o ser, as várias manifestações de bulling à comunidade russa portuguesa, tal como aos intelectuais que não se declaram contra a invasão e contra Putin. Num país em que o uso da palavra guerra é considerado traição, parece-me incrível que os corajosos intelectuais ocidentais, sentados confortavelmente nas suas sociedades livres e democráticas, julguem aqueles que pagam com a sua liberdade e a sua vida a manifestação de discordância perante o poder autocrático de um ditador.

Ainda por cima vindo de tantos que, por exemplo em Portugal e durante a ditadura, tiveram que assinar documentos em que negavam ser comunistas ou participar em actividades subversivas para que pudessem manter o emprego.

A liberdade deve ser para todos, de se manifestarem ou de não se manifestarem. Tenho as maiores dúvidas sobre os boicotes culturais e sobre a condenação de quem não expressa o que, subitamente, se tornou na nova verdade inquestionável e soberana. Tenho as maiores reticências à censura de canais de televisão e de agências de informação.

Tenho um enorme cepticismo sobre estas ondas mediáticas intensíssimas e fugazes, que se arriscam a soçobrar perante o peso do ruído omnipresente.

Tenho uma enorme desconfiança a tantos postos de trabalho já disponíveis a quem foge da guerra. Será que já se esqueceram dos médicos, engenheiros, professores, músicos e tantos outros técnicos qualificados que, durante anos, alimentaram a mão de obra barata da construção civil e do serviço doméstico, sem que o país lhes reconhecesse as competências e pudesse oferecer-lhes os empregos correspondentes às suas qualificações?

Há muita crueldade nestas ondas mediáticas de apoios, julgamentos e solidariedades, muitas vezes postiças e fúteis. Espero que esteja enganada, pois esta guerra vai durar e destruir ainda muitas vidas. E nós vamos esquecer depressa as boas intenções e regressar rapidamente às nossas vidas em que o medo do outro e o preconceito são reis.

A não ser que também façamos parte da destruição. E mesmo na dor e no sofrimento, a solidariedade é uma rara ocorrência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:43


6 comentários

Sem imagem de perfil

De barba rija a 06.03.2022 às 11:58

Na vida no mundo existe legalidade e ou legitimidade. As Potencias acresce pregorrativa (da força ).

Quando o governo muda, p . e devido a revoluçao (golpe estado, invasao, o que for) as forças armadas subordinam-se ao novo poder.

Hitler invadiu a frança e deixou um governo cooperante.

E foi o que acabamos de fazer nos paises arabes que bombardeamos.

A europa comprou um presidente sem país, a venezuela.

A russia vai deixar um governo em kiev nao hostil.

A nosso nivel, e nao sabemos nada, os militares na ucrania lutam para que , para alem da disciplina e obediencia ao poder que está ?

Aconteceu o 25 abril. Nem nesse dia o pais nao parou, e no seguinte prosseguiu como todos os dias.

A frança tinha arsenal nuclear proprio, autonomo. Os franceses nao viviam pior por causa disso. Até que decidiu oferecer esse arsenal á nato. Os franceses nao passaram a viver melhor devido a isso.
Sem imagem de perfil

De barba rija a 06.03.2022 às 12:00

toda a imprensa e a redes fizeram coro de solidariedade com a venezuela, reclamando a intervençao (invasao) desse país.
Sem imagem de perfil

De barba rija a 06.03.2022 às 12:14

a imprensa nao dá voz aos defensores da violencia domestica, logo nao existe. Noticias sobre violencia domestica, tem como protagonistas casais extraterrestres. E as milhares de criancinhas institucionalizadas, das duas duas...ou sao filhas dos banqueiros sem tempo para delas cuidar, ou trazidas pelos extraterrestres para colonizar a terra.

Uma aberraçao.
È normal que paises incompatibilizados, até ideologicamente, se recusem comprar ou vender.
Mas a humanidade sobrevive baseada em dois elementos vitais : o ar e a globalizaçao. Sao a nossa estrada , mar e espaço.
Ora, tal qual o ar, a globalizaçao tambem nao tem dono.
E portanto quando alguem se apropria da globalizaçao está a violentar o mundo.
Inconcebivel !
E as pessoas nao se estao a dar conta.
E muito menos podem perceber que é uma mordaça e ameaça a todo o mundo livre.
Sem imagem de perfil

De solidariedade da moda a 06.03.2022 às 22:48

Temos, ocidentais, experiencia, e portanto esta coisa de acolher refugiados é uma tecnica. De propaganda. Para ingles ver. Tapar os olhos. Ficar bem na fotografia.

Nao só é impossivel receber bem milhoes ( de pessoas ) , como se dá "demais" aos primeiros abandonando os seguintes.

É tambem um negocio. Recordo velhotes serem transferidos de lares onde estavam, para obras á pressa para receberem refugiados pagos, bem pagos.

Mas neste caso ainda assistimos a esta coisa extraordinaria : os nossos paises a canalizarem milhoes, tambem para armamento á ucrania, e por cá, tradicioalistas que somos, a cotizarmos massa e arroz.
Sem imagem de perfil

De solidariedade da moda a 06.03.2022 às 22:56

Mas tem mais. Muito mais.
Cada criança institucionalizada custa ao estado, que paga, dois, tres e mais salarios minimos.

Nao falo nos sem abrigo, mas nos sem abrigo em casa dos pais, desempregados, com rendimento zero.

Evidentemente que perante uma catastrofe qualquer é imprescindivel socorrer as vitimas.

Mas , e quanto ás vitimas internas, aos nossos vizinhos na rua ?
Perfil Facebook

De Marques Aarão a 16.03.2022 às 12:00

Em hipótese mais bondosa a Europa transborda de gente plastificada a boiar sem folego nas ondas da hipocrisia.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg