Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Resistir

por Sofia Loureiro dos Santos, em 30.01.21

Nestes tempos sem abraços

Colhemos os passos

No som da memória

Nestes tempos sem história

Sorvemos instantes

Nos olhos distantes

 

Insistimos

Resistimos

Não desistimos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:20

Corridinho pandémico

por Sofia Loureiro dos Santos, em 12.01.21

Corridinho_Baile_Mandado_Algarve.jpg

Mário Costa

 

Vá de roda vai de roda

Vai de roda sem fartar

Já se foi e vem de volta

Vamos lá a confinar

Uma volta pra um lado

Fecha a porta por favor

A saltar pro outro lado

À janela sem andor

 

É preciso arejar

Com Inverno que frescor

Canta e dança mas sem par

Ser viral é um horror

Ora volta prá direita

Vamos lá todos votar

Ora torce bem à esquerda

Nesta estrada circular

 

Ora volta para cima

No carrocel da desgraça

Ora roda lá pra baixo

Abana bem a carcaça

Vá de roda vai de roda

Leva o vírus ao tapete

Vai na volta desta roda

Que a vida não se repete

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:41

Rosas

por Sofia Loureiro dos Santos, em 27.12.20

roses paul cezanne.PNG

Paul Cézanne

 

Amo as rosas que nunca tive

os vasos quebrados as esquinas das portas

os tapetes que desbotam no sobrado.

 

Amo as vidraças enevoadas

as pequenas gotas de tristeza

que se acumulam nos dedos frios

as cortinas dependuradas a usura das folhas

os olhos cansados de tanto desejarem.

 

Amo as rosas que nunca tive

todos aqueles abraços que não guardei

e que esperam no fundo dos casacos

a oportunidade de secarem.

 

Talvez assim me seja revelada a vida

que queria e me neguei

por tantos objectos adorados

que se quebraram mal lhes toquei

frágeis cansados desistentes

numa poeira fina que anuncia

uma efémera e ilusória eternidade.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:25

Sobrado

por Sofia Loureiro dos Santos, em 11.12.20

OWL - Simon Hempsell.jpg

Owl

Simon Hempsell

 

Arrumei o meu sapato

Procurei-lhe pelo par

Escondeu-se o ingrato

E eu saio a coxear

 

Tenho uma meia já posta

A outra por descobrir

Bem chamo mas a resposta

É que não se faz ouvir

 

Tivesse a roupa cem dedos

E o caminho cem luas

Inventava mil enredos

Com saias grandes e nuas

 

Tanta palavra que sobra

No sobrado da cabeça

Mesmo com tanta manobra

Não há verso que apeteça

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:30

De palavras me alimento

por Sofia Loureiro dos Santos, em 06.12.20

misterious books sculptures.jpg

Scottish book sculptures

 

De palavras me alimento

Secas pobres resignadas

Ato-as nas bordas do vento

Sopro-lhes gumes de espadas

 

Orações de pão e vinho

Solitária companhia

Atapetam-me o caminho

De tristeza e alegria

 

Escolho pedras são sinais

Das esquinas que encontramos

Pelos mundos desiguais

Pelos sonhos que encerramos

 

Com palavras me renovo

Em silêncios incontidos

É no amor que me devolvo

É nos gestos dissolvidos

 

Conto os dias que me faltam

Escrevo versos ressequidos

Que as palavras já não voltam

Aos meus dedos esquecidos

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:27

Se o meu amor me deixar

por Sofia Loureiro dos Santos, em 05.12.20

o abraco gustav klimt.jpg

O abraço

Gustav Klimt

 

Se o meu amor me deixar

Perdida na imensidão

Serei mais terra que mar

Fogueira de solidão

 

Se o meu amor regressar

Mãos vazias de ternura

Já não me vai encontrar

Em suave e lenta fervura

 

Se o meu amor viajar

Pelas terras do além

E a um canto semear

Pozinhos de fazer bem

 

Hei-de limpar-lhe de medo

A cama onde se deitar

Faço uma trança em segredo

Dos sonhos que ele guardar

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:40

Filhos

por Sofia Loureiro dos Santos, em 14.11.20

tree.jpg

Tommy Craggs

 

Crio filhos como quem cria árvores.
Deixo-as varridas pelas intempéries
descobrindo pássaros e revivendo almas
dos que às suas sombras se recolhem.
De vez em quando arrastam braços
e arrancam raízes numa ânsia de movimento.
Nesses dias aparo troncos com sangue e lágrimas
cavo mais fundo a terra para que
do meu corpo se equilibrem de novo.
Aí para sempre me deitarei um dia dormindo
entre o lodo e a eterna revolução de viver.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:09

Novembro

por Sofia Loureiro dos Santos, em 10.11.20

Jannick-Deslauriers-Fracture.jpg

Fracture

Jannick-Deslauriers

 

Em frente a mim sem espelho nem nuvens

apreendo o espaço que me rodeia

respiro as últimas gotas de passado

encerro o pó e a juventude.

Não sei das janelas do futuro

nem dos ninhos de águas revoltas

que me arrastavam pela vida.

Mas ainda me esperam as papoilas de Novembro

e o doce sabor da aventura.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:55

Sustento

por Sofia Loureiro dos Santos, em 13.10.20

STUART-CARVALHAIs fado.jpg

Stuart Carvalhais

 

Nem no fado me detenho

Se a tua mão se insinua

A ternura do desenho

Que na pele se habitua

 

Nem com fado me sustenho

Se a tua mão acentua

O murmúrio que retenho

No deserto que recua

 

      Basta já pouco de nós

      Já pouco de nós sobrou

      No fado de estarmos sós

      Que a sós de pouco chegou

 

Nem do fado me contenho

Se a tua mão perpetua

No sorriso que mantenho

Se a carícia continua

 

      Basta já pouco de nós

      Já pouco de nós sobrou

      No fado de estarmos sós

      Que a sós de pouco chegou

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:47

Assepsia

por Sofia Loureiro dos Santos, em 16.09.20

lonely-people-the-tree-hugger-project.jpg

Lonely Tree, Lonely People, The Tree Hugger Project

Agnieszka Gradzik & Wiktor Szostalo

 

Arrancaremos da pele esta penugem

ninhos de impurezas parasitas

mesmo que amaciem de ternura

abraços e quenturas de amantes.

Lavaremos da cor e da saudade

os olhos que de lágrimas dispersas

atentam ao sorriso disfarçado

que as rugas já não podem esconder.

 

Seremos puros e lisos como o sol

queimados de tantas luas solitárias

esbeltos e eternos imolados

em estacas de ócio e de tristeza

sem raízes sem pó e sem ninguém

que segure o infinito que habitamos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:11


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Posts mais comentados



Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg