Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

O reinado do medo

bruxelas.jpg

 

 

Não há mais palavras para condenar estas acções bárbaras de criminosos sem escrúpulos.

 

O reinado do medo, propagado por carnificinas transmitidas directamente pelas televisões, não pode ser justificado por qualquer deriva ideológica de todos os que, democraticamente, são eleitos e representam os povos em que a liberdade é o estandarte, como tenho assistido em posts no facebook, ao mencionarem Bush, Aznar, Tony Blair e Durão Barroso como cabecilhas dos atentados. Independentemente de todas as divergências entre pessoas e povos, o respeito pela nossa forma de vida deve ser exigido a todos os povos e culturas, como o exigimos nas nossas sociedades democráticas.

 

O que está em causa é a nossa forma de viver, a nossa liberdade e a nossa democracia. É muito, muito difícil, mas não podemos ceder ao medo.

 

Resistências

paris tt.jpg

Tiago Taron

 

Paris en colère

Maurice Vidalin & Maurice Jarre & Mireille Mathieu

 

Que l'on touche à la liberté
Et Paris se met en colère
Et Paris commence à gronder
Et le lendemain, c'est la guerre
Paris se réveille
Et il ouvre ses prisons
Paris a la fièvre
Il la soigne à sa façon
Il faut voir les pavés sauter
Quand Paris se met en colère
Faut les voir, ces fusils rouillés
Qui clignent de l'œil aux fenêtres
Sur les barricades
Qui jaillissent dans les rues
Chacun sa grenade
Son couteau ou ses mains nues
La vie, la mort ne comptent plus
On a gagné, on a perdu
Mais on pourra se présenter là-haut
Une fleur au chapeau
On veut être libres
À n'importe quel prix
On veut vivre, vivre, vivre
Vivre libre à Paris
Attention, ça va toujours loin
Quand Paris se met en colère
Quand Paris sonne le tocsin
Ça s'entend au bout de la terre
Et le monde tremble
Quand Paris est en danger
Et le monde chante
Quand Paris s'est libéré
C'est la fête à la liberté
Et Paris n'est plus en colère
Et Paris peut aller danser
Il a retrouvé la lumière
Après la tempête
Après la peur et le froid
Paris est en fête
Et Paris pleure de joie

Paris

paris.jpg

 

O horror do terrorismo dentro das portas da nossa casa europeia, em Paris, símbolo da liberdade. Que o medo não possa fazer vergar a democracia e a sociedade livre.

Dos significantes e do significado

jesuiescharlie.JPG

A afirmação Je suis Charlie não significa que se goste ou se concorde com o conteúdo dos cartoons, que se compreenda a ofensa de quem se sente provocado – são provocantes e ofendem.

 

Mas não é isso que está em causa – ser-se Charlie é o grito de revolta perante a inqualificável e inaceitável aceitação, mesmo que politicamente correcta, de que se não devem publicar esses cartoons.

 

É grave e significativo que se tentem de alguma forma justificar as reacções às ditas provocações – quais são aceitáveis e inaceitáveis, tanto as provocações como as reacções? Há pessoas que têm responsabilidades acrescidas e o Papa é uma delas. Nada, mesmo nada pode justificar o terrorismo.

Dos esclarecimentos explícitos

É importante não confundir a livre condenação de cartoons, editoriais, artigos de opinião ou outras formas de liberdade de expressão com o impedimento que elas existam, com o assassinato de pessoas. Embora haja muitas tentativas sub-reptícias e bem sucedidas de censura, nomeadamente o politicamente correcto, há uma diferença abissal entre isso - que se denuncia com a mesma liberdade - e a execução dos considerados blasfemos.

 

Além disso também há a liberdade de discordar e de se ofender, mas para isso serve a lei, os tribunais, a possibilidade do recurso ao contraditório, como agora está na moda dizer-se. Nada, mesmo nada, pode justificar qualquer tipo de atentado terrorista.

Da luta diária que nos resta

O ataque aos jornalistas e ao Charlie Hebdo é mais um dos muitos que se têm realizado por esse mundo fora. Infelizmente, tal como Fernanda Câncio lembra, esquecemo-nos depressa e desapaixonadamente de todos os horrores que vão sendo noticiados, uns mais que outros, para nos indignarmos violentamente com os mais recentes.

 

O atentado à liberdade de expressão deve ser, e tem sido, motivo de solidariedade internacional, com o aproveitamento político rápido da extrema-direita francesa, ao recuperar a proposta de referendo ao regresso da pena de morte e ao encerramento das fronteiras, e da estupidez da esquerda francesa, ao deixar de fora a Frente Nacional na manifestação contra o terrorismo.

 

Na verdade todos os dias vamos cedendo um pouco da nossa liberdade e dos nossos direitos – deixamos de dizer o que pensamos porque não queremos ofender, porque temos medo de perder o emprego, oportunidades de contactos que nos interessam, negócios, etc. Não nos apercebemos que é a luta diária, constante e permanente que pode manter os valores da sociedade em que vivemos. A possibilidade de cultivar as nossas crenças e a nossas diferenças é um direito inalienável consagrado pelas Nações democráticas e pelas Organizações Internacionais que a separação entre o Estado e a religião, seja ela qual for, é o melhor garante da vivência tolerante entre as várias comunidades. 

 

Não sei qual é ou quais são as soluções, o que podemos contra o extremismo e os terroristas. É demasiado fácil e simples considerá-los a todos loucos. As mais temíveis armas são, como sempre foram, a criatividade, a informação, a inteligência, a expressão artística, a provocação, o confronto de ideias. E disso não podemos nunca abdicar.

Das armas contra o terror

jesuiescharlie.JPG

Hoje não é possível deixar a indignação silenciosa, dentro de cada um de nós. Um dos valores da nossa sociedade tolerante e democrática - a liberdade - foi usada precisamente para acabar com ela.

 

Ninguém pode deixar de mostrar a sua revolta, sob pena de perdermos um dos bens mais preciosos ao ser humano - a liberdade de expressão de pensamento.

 

Mais perigosa que as espingardas e as metralhadoras, que os tanques e as bombas, são a literatura, a pintura, o humor, a ironia, o sarcasmo. O atentado de hoje, em que foram assassinadas 12 pessoas que usavam o humor para explicar e viver a sociedade é uma infâmia, um crime sem qualquer tipo de justificação.