Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Deste país (dizem)

por Sofia Loureiro dos Santos, em 17.10.13

 

Este, dizem, é um país de gente dócil e de brandos costumes. Este, dizem, é um governo que pegou na insustentável situação legada por Sócrates e, em submissão aos ditames da Troika, não tem alternativa senão escolher repetidamente políticas recessivas, que agravam a situação económica e que perpetuam o problema.

 

Assisti aos primeiros minutos da declaração da Ministra das Finanças ao monocórdico país que, em monocórdico tom, reiterou o pensamento e a ideologia que este governo professa, ao abrigo da fachada encarnada pelas ordens da Troika.

 

Entre as várias medidas que ainda ouvi, e dos rodapés que fui lendo ao longo da noite informativa, o Orçamento de Estado esquece a reforma do dito e a história da melhoria da produtividade na função pública visto que, ao mesmo tempo que aumenta o horários de trabalho para 40h/semana, propõe aos trabalhadores uma redução em 8h/semana. Poderia ser para reduzir o desemprego, mas é apenas para reduzir o montante que gasta com os salários. Portanto, a 12% de redução salarial (por aumento de horário de trabalho) somam-se os cortes, que passarão a visar os salários a partir de 600,00€, e atingirão os 12%.

 

A luta entre o CDS e o PSD está cada vez mais aparente, não se coibindo José Luís Arnaut de ser mais assertivo nas críticas à decisão e à gestão política dos cortes nas pensões de sobrevivência, do que Eurico Brilhante Dias, em frente ao inefável Mário Crespo. O PSD diverte-se a armadilhar Paulo Portas que, com os seus ministros pós remodelação, aceitam o contrário do que apregoaram antes de ascenderem ao governo.

 

Entretanto já não é só a Troika que se acha dona de Portugal. Angola compra as nossas empresas, os nossos jornais e assume a sobranceria de quem tem poder e manda, após a tristíssima e indigna figura de Rui Machete. Mas nem o gozo angolano serviu de mote à demissão do Ministro dos Negócios Estrangeiros.

 

Estrangeira sinto-me eu, no meu país. Este país que dizem brando e submisso, está cada vez mais alheado e descrente destas instituições, nacionais e europeias, que nós ainda acreditamos ser democráticas. Este é um país em que a gente boa, cumpridora, pobre, sem perspectivas, atraiçoadas pelos seus representantes eleitos, a quem tiram a dignidade e a esperança, tem todas as condições para vitoriar o primeiro vendedor de sonhos que lhe prometa um pouco de segurança e de placidez futura.

 

Este é um país de gente triste. E a infelicidade é a melhor arma para o mal, o mal corriqueiro, quotidiano e mediano, que se instala nas conversas, nas invejas, nos vizinhos, aquele mal que nos enforma a indiferença com que olhamos a diferença, a cor da pele, os bairros sujos e degradados, aquele mal de antes eles que eu. A infelicidade é perigosa.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:54


4 comentários

Imagem de perfil

De Equipa SAPO a 18.10.2013 às 18:56

Boa tarde,

O seu post está em destaque na área de Opinião da homepage do SAPO.

Atenciosamente,

Catarina Osório
Gestão de Conteúdos e Redes Sociais
Sem imagem de perfil

De ACÁCIO LIMA a 19.10.2013 às 10:42

COMENTÁRIO AO POST "DESTE PAÍS (DIZEM)”

a)- O Post assinala uma extravagante medida deste Governo Neoliberal: a de promover o part time, na Função Pública.

O que é proposto será mais uma etapa para enfraquecer e desqualificar o Serviço Público, numa achega para ser desfeito o Estado Providência.

b)- Na proposta do Governo para o Orçamento de 2014, é fácil detetar umas tantas linhas de força.

01- Penalizar os elos fracos: desempregados, doentes e idosos;

02- Agravar substancialmente a Distribuição de Rendimentos, acentuando assimetrias;

03- Favorecer a acumulação, no Patronato;

04- Não promover a “formação bruta do capital fixo”- investimento;

05- Não incrementar a Produtividade e Competividade, logo não fazer crescer os Excedentes Gerados na Atividade Económica;

06- Afasta-se assim das medidas que cresciam o nível de incorporação técnica e tecnológica, que é a única via para grimpar os Excedentes, logo alimentar as Participações Sociais;

07- Insiste na não promoção da Qualificação, descurando todas as Políticas Avançadas na Educação;

08- Sendo Recessivo, reduz o Consumo e acarretará a diminuição da riqueza- PIB;

09- Aparentemente, incorre, tal como os Orçamentos para 2012 e 2013, em posturas não Constitucionais;

10- Tudo indica que parte de uma avaliação otimista da evolução das variáveis macro económica; o risco de ser terem Orçamentos Retificativos é grande;

11- Esta proposta para o Orçamento de 20124 não colmata os problemas do Deficit Orçamental, nem frena o crescimento da Dívida Pública;

12- Este Orçamento nasce na subserviência ao Patronato Internacional, via FMI, BCE e U.E. e ao Patronato Nacional;

13- Este Orçamento gera perda de Qualidade de Vida, afetando as questões de Saúde;

14- Hipoteca o futuro das Gerações futuras.

c)- Mau grado nosso persiste o vazio de não estar urdida e explicitada uma Estratégia nova rompendo com a “Austeridade”, que atenda às profundas mutações registadas na derradeira década, no Mundo, na Europa e no País.

Bom Dia.
Bom Fim de Semana.
Cordiais, Amistosas e Afáveis Saudações para Autora do post, que na Sua generosidade as partilhará com os Leitores.

ACÁCIO LIMA
Sem imagem de perfil

De Cristina Loureiro dos Santos a 20.10.2013 às 01:36

Chorei.
É terrível ler "Estrangeira sinto-me eu, no meu país."
Mas inevitavelmente, também me sinto assim, às vezes.
Faço um esforço permanente, diariamente, em cada minuto, para acreditar no meu país.

Beijinhos,


Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2005
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg