Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Das patrulhas dos camaradas

por Sofia Loureiro dos Santos, em 15.06.13

 

 

Se o meu objectivo fosse ter muitos comentários aos posts que vou escrevendo, bastava fazer uma qualquer referência semanal que beliscasse a FENPROF, para que que as patrulhas dos camaradas me mimoseassem com os seus insultos. Assim tenho esse privilégio só de vez em quando.

 

Para que fique bem claro e explícito:

  1. Este governo é o governo pior que alguma vez me lembro de ter havido, após o 25 de Abril.
  2. A maioria que nos governa, para além de tentar implementar a sua ideologia que nem sei bem classificar, fá-lo de uma forma totalmente incompetente.
  3. Como já muitas pessoas vão reconhecendo publicamente, houve um assalto ao poder em 2010/2011, com uma total manipulação da população protagonizada, entre outros, pelos partidos da oposição da altura, nomeadamente do PSD, do CDS, do PCP e do BE, que se aliaram para derrubar o governo minoritário do PS, cavalgando as ondas de descontentamento dos cidadãos, mentindo antes e durante a campanha eleitoral, como se prova pelo que têm feito desde então.
  4. A maioria dos sindicatos afectos à CGTP-in, entre os quais a FENPROF (federação de sindicatos), e que é uma correia de transmissão do PCP servindo a sua estratégia política, contribuíram decisivamente para a tomada do poder pela direita conservadora.
  5. Durante os dois governos anteriores, os representantes dos professores em geral e a FENPROF em particular, opuseram-se a tudo o que mudava a cultura de mediocridade, de facilitismo, recusando alguma meritocracia que se tentava implementar. Da fusão de escolas sem condições para os alunos, às aulas de substituição, passando pela avaliação de desempenho, nada escapou aos gritos de destruição da escola pública e de ataque aos indefesos professores.
  6. As alterações aos horários da função pública (que constam do orçamento rectificativo), de 35 para 40h semanais, correspondem a uma redução salarial de 12,5%, o que é totalmente inaceitável – não o aumento do horário de trabalho, mas a redução da remuneração decidida unilateralmente pelo governo, aliás como as reduções anteriores.
  7. O regime de mobilidade é, obviamente, uma forma de despedir funcionários públicos e o chamar-lhe requalificação é uma desvergonha inqualificável
  8. A razão para aumentar o horário de trabalho não é melhorar a eficiência e o atendimento aos cidadãos, é despedir pessoas – uma das gorduras do estado.
  9. Estas medidas não são específicas para os professores.
  10. Em 2005 foi convocada uma greve aos exames, tendo o governo da altura requerido que se decretassem serviços mínimos, em defesa dos alunos e das suas famílias, o que foi legalmente aceite.
  11. Desta vez, e mais uma vez, a FENPROF convoca uma greve aos exames nacionais, num braço de ferro com o governo, que este não pode aceitar, sob pena de continuar refém de uma das mais poderosas corporações existentes.
  12. Mário Nogueira, como líder da FENPROF, foi e é o protagonista destas posições, pelo que é nessa qualidade que o critico.
  13. Penso que este tipo de ações, de que a grave aos exames é um exemplo, descredibiliza a actuação e o papel dos sindicatos, contribuindo para a irrelevância dos protestos dos trabalhadores, sejam eles professores ou outros.
  14. Quando tanto se fala no divórcio entre os cidadãos e os políticos, convinha que os dirigentes dos sindicatos ponderassem o papel que tiveram e têm na descrença que alastra na sociedade, e na desesperança e alheamento em que nos refugiamos.
  15. O facto de a greve ser legítima não me faz concordar com ela. O facto da Colégio Arbitral ter decidido que não havia serviços mínimos não me obriga a concordar com ela. O facto de o Tribunal Central Administrativo do Sul ter considerado ser este um assunto não urgente é, para mim, incompreensível.
  16. Muito me penaliza não ouvir o PS a condenar esta greve e a ler opiniões de muitos quantos defenderam, e bem, Maria de Lurdes Rodrigues, numa situação idêntica à de agora. Os fins não justificam os meios.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:14


13 comentários

Sem imagem de perfil

De ACACIO LIMA a 15.06.2013 às 13:58

SOBRE O POST "DA PATRULHA DOS CAMARADAS"

A Autora do post enumera dezasseis pontos, mas poderia enumerar bem uma meia centena.

Usou, os mais relevantes, no critério dela, que é também o meu critério.

Não posso deixar de anotar o último ponto:

"Muito me penaliza não ouvir o PS a condenar esta greve e a ler opiniões de muitos quantos defenderam, e bem, Maria de Lurdes Rodrigues, numa situação idêntica à de agora. Os fins não justificam os meios".

OS FINS NÃO JUSTIFICAM OS MEIOS.

Mais uma vez, A. J. Seguro, deixou nas Caldas os Princípios, mas trouxe o "OPORTUNISMO".

Boa Tarde.
Bom Domingo.

Sem rodeios, mas na Frontalidade, assim agiu a Autora do post que saúdo.

ACÁCIO LIMA

Sem imagem de perfil

De Porfírio Silva a 15.06.2013 às 14:38

Sofia,
Acho que o seu raciocínio falha num ponto: não há comparação nenhuma entre o que a Maria de Lurdes tentou fazer e o que o Crato está a tentar fazer. Nessa medida, comparar directamente a legitimidade das greves nos dois casos é errado. Porque a legitimidade de uma greve tem a ver com aquilo que ela concretamente combate. Por isso julgo que o seu raciocínio, com o qual concordo em vários pontos, peca por formalismo (considera a forma, sem considerar a diferença de substância num e noutro caso).
Um abraço.
Porfírio
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 15.06.2013 às 15:25

Olá, Porfírio.
Eu não comparo a política de Maria de Lurdes Rodrigues com a de Nuno Crato - são abissalmente diferentes. O que eu comparo é o método de luta da FENPROF - idêntico para todas as situações. O que é comparável é a greve aos exames e o direito dos alunos a não serem prejudicados. Quanto à legitimidade eu não a questiono - questiono a ética.
Quanto ao formalismo... Pode-se concordar mais ou menos com as razões que levam a uma greve. O que para mim é mais importante é quem vai ser prejudicado com essa greve de uma forma desproporcionada.
Um abraço.
Sem imagem de perfil

De João a 15.06.2013 às 14:38

Felizmente que a opinião da Sofia é só uma opiniao.
Só as nossas greves é que são oportunas, a dos outros nunca são.
O que dava jeito era mesmo acabar com a lei da greve, não era?
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 15.06.2013 às 23:25

Comungo, em grande parte, a análise apresentada neste post. Mas mesmo sem pertencer a nenhuma "patrulha de camaradas" tenho de discordar da ideia que há greves legítimas e greves "ilegítimas" ou que sendo legítimas não se podem fazer. Esse tipo de raciocínio pode levar, no limite, à contestação da existência do sindicalismo.

Em primeiro lugar não me parece correcto confundir os professores com os sindicatos. Esse foi um erro de ML Rodrigues, que acho que pagou caro.
Em segundo lugar, é preciso acentuar que quem faz a greve são os professores, livre e conscientemente e não as direcções sindicais. Tanto mais que as grandes manifestações, no tempo do governo anterior foram dinamizadas por grupos de professores auto-organizados ad-hoc, tendo sido os sindicatos obrigados a ir a reboque.
Em terceiro lugar, convém lembrar que não há escola nem ensino sem professores. Colocar os professores numa espécie de guetos como o fez ML Rodrigues é meio caminho andado para o insucesso de políticas de ensino, como veio a acontecer. E embora isso já sejam águas passadas, estou convencido como muitos professores, que a sua reforma teria sido aceite se tivesse sabido aplicá-la com bom senso e com a participação dos docentes. Hoje, mais de noventa por cento dos professores (nos quais não me incluo) nutrem por ML Rodrigues sentimentos de rejeição. E não pela reforma em si mas pela maneira como foi implementada.
Em quarto lugar, quero dizer que não tenho qualquer afinidade política com Mário Nogueira, mas discordo que seja apresentado como uma espécie de "vilão" . Neste momento corporiza apenas a vontade da grande maioria da classe docente. E se como diz existe "descrença na sociedade" neste caso concreto tem de ser assacada a todos os professores grevistas.
Por fim e com todo o respeito, não entendo por que tem o PS de condenar esta greve. Cada greve tem o seu contexto e o PS não pode ficar refém de atitudes tomadas no passado, seguindo-as como uma regra absoluta.
Sem imagem de perfil

De A.Teixeira a 16.06.2013 às 09:34

Começo por confessar que aprecio imenso estes textos de opinião sobre outros textos que começam sempre por uma concordância genérica mas que se concretizam depois por uma discordância metódica e em todos os aspectos principais do texto inicial. Na esmagadora maioria das vezes, este formato dialéctico de discordar (fingindo que não) remete o seu autor para um posicionamento muito específico do espectro político que nem sequer é ideológico, é sobretudo de estilo. As “patrulhas dos camaradas” têm assim uma “impressão digital” que se reconhece para além dos esforços desses mesmos camaradas em pretender que não fazem parte delas, das patrulhas. Contando ponto por ponto:

Em primeiro lugar é uma mistificação que foi Maria de Lurdes Rodrigues a “pagar caro” pela implementação das suas políticas de educação. Onde está ela hoje? E o que andam os professores a fazer? Porque será que os professores não se perguntam se a sua situação terá melhorado depois da saída daquela ministra? Ou ficam-se pelo arrependimento tardio ou então pelo contentamento esfusiante de Mário Nogueira de cada vez que se muda de titular da pasta?

Em segundo lugar essa fábula da “dinamização das bases” sindicais que condicionam as lideranças já vem do tempo do PREC e já na altura era inverosímil. Comprovando-o, a gestão do conflito laboral foi feita, mais uma vez, de acordo com as conveniências do calendário político: durante o primeiro ano de governo o ministério de Nuno Crato fartou-se de promulgar medidas lesivas para os interesses dos professores e durante esse tempo Mário Nogueira “respirava de snorkel ”… Nem se dava por ele, qual “submarino” que apenas emergiu depois de Setembro de 2012, aproveitando o momento político desencadeado pela bronca da TSU.

Em terceiro lugar, é, no mínimo, estranho que tendo havido, de Roberto Carneiro a Nuno Crato, treze ministros da educação nos últimos 25 anos, nenhum deles tivesse conseguido aplicar reformas com o tal de “bom senso e a participação dos docentes” a que se refere. Todos foram contestados com quase igual veemência, a ponto da pasta ter adquirido a reputação de berbicacho que hoje tem. E a argumentação que se ouve a membros da classe sobre factos incontornáveis da sociedade como a diminuição da população escolar e a diminuição do número de professores agudiza a opinião que entre os professores não há receptividade a quaisquer reformas e que o “bom senso” e o resto se revelam desculpas de mau pagador.

Em quarto lugar, há que aceitar que, havendo sempre um vilão ou vilã do lado do ministério (agora é Nuno Crato), é natural que haja um vilão do outro. Tanto mais que, ao contrário dos treze ministros a que me referi acima, esse vilão não muda: Mário Nogueira já não dá aulas há 23 anos e teve ocasião de conhecer como sindicalista "full-time" todos os treze ministros do outro lado da mesa de negociações! Uma nota: era dispensável ter escrito que não tem “qualquer afinidade política” com ele: só se não gosta dele pessoalmente porque tudo o resto do que escreveu desmente aquela afirmação.

É também por tudo o resto do que escreveu que não se espera que perceba as razões para que o PS condenasse esta greve. Seriam razões de princípio, o que deve parecer bizarro para quem mostra não conseguir ver muito para além do tacticismo político.
Imagem de perfil

De Naçao Valente a 16.06.2013 às 23:27

A. Teixeira,
Sem ironia aprecio os textos que enriquecem o debate de ideias. De uma perspectiva mais irónica prefiro ser contestado mas não ignorado. Para colocar a discussão num caminho linear de frontalidade, convém esclarecer alguns equívocos:
Um-estou inscrito no PS; dois-inscrevi-me em 1974 e exerci funções políticas na FAUL. Hoje, por razões que não vêm ao caso, não tenho militância partidária; três-neste momento não sou sindicalizado;quatro- não tendo, como se intui, actividade em "patrulha" de qualquer regimento, não as ostracizo. Procuro não ser fundamentalista em coisíssima nenhuma. Nem na avaliação interpretativa que se faz daquilo que não sou ou do que pretendo esconder mas causa da malfadada "impressão digital. Sem cinismo, aceito-a como matriz da prática democrática.
Dito isto, confirmo a minha concordância em substância e em "método" com as ideias expressas no texto referido. Discordo apenas de um ponto: o da apreciação do direito à greve. Em coerência se a greve é direito constitucional, cujo âmbito está expresso na lei, não pode ser passível de interpretações, de acordo com circunstancialismos específicos, nem com posições pessoais decorrentes de posicionamentos ideológicos, institucionais e pessoais. Incomoda, chateia, aborrece, tem efeitos colaterais. É a sua função. Se assim não for, não serve para nada. Ponto.
Em relação à acção política de MLR corrigo uma afirmação. Pagámos todos caro. Das suas reformas só uma continua em vigor: a regulamentação das horas não lectivas. As aulas de substituição, de discutível eficácia, e as aulas de estudo acompanhado foram suspensas por este governo, no âmbito do seu processo de destruição da escola pública. A criação da categoria de professores titulares, foi extinta pelo governo anterior, que acabou por reconhecer que a carreira docente não é passível de degraus hierárquicos. A função de todos os professores, com mais ou menos competência, mais ou menos experiência e mais ou menos tempo de serviço é leccionar. Os cargos, de uma maneira geral, são electivos e transitórios. O próprio ministério de MLR acabou por corrigir um projecto de avaliação copiado de um país da América latina, onde já tinha sido abandonado e que era impraticável pela burocracia que implicava.
Estou convicto que esta pretensa reforma se tivesse sido feita em sintonia, com os docentes (acentuo docentes) ouvindo as suas opiniões e estabelecendo um calendário consensual, teria tido êxito, sem desgaste para todas as partes. Da forma arrogante como foi feita resultou primeiro, o fortalecimento das estruturas sindicais, desacreditas entre a maioria dos professores e em segundo lugar comprometeu a repetição da maioria absoluta do PS, essa sim prejudicial, para o ensino e para o país.
Sendo militante PS não votei nem votaria em AJ Seguro. Mas mesmo que não concorde com as suas ideias e com a sua acção não lhe faço oposição pois é o Secretário-Geral, para o bem e para o mal, eleito pelos socialistas. Também não vejo porque não pode usar tacticismos se foi esse o caso. Na minha opinião tacticismo não é uma acto ilegítimo e imoral e usa-se em todas as vertentes da acção humana desde a guerra ao futebol. Contudo não me custa admitir que sendo matéria de opinião é susceptível de toda a subjectividade.
MG

PS última nota: em relação à minha relação com Mário Nogueira espero ter conseguido, desta vez, ser explícito. Não tive tempo de consultar arquivos, mas parece-me que no tempo de do ministro Roberto Carneiro era secretário da Fenprof António Teodoro. Se Nogueira é dirigente sindical há tantos anos é responsabilidade dos associados do seu sindicato. Minha não é certamente porque nunca votei nele.
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 17.06.2013 às 00:25

Nação Valente

Mário Nogueira não é um vilão, é o líder de uma federação de sindicatos cuja estratégia política é a do PCP. Como tal, luta pelo status quo. Com este tipo de parceiros nada poderá ser mudado na educação, seja qual for o governo, seja qual for o ministro que lá estiver.
Hoje em dia todos temos razões para entrar em greve. O problema não é esse. O problema é que se escolheu fazer uma greve aos exames. Neste caso há um conflito de direitos e, na minha opinião, o direito dos alunos a fazerem exames é superior ao direito a não ter que cumprir serviços mínimos, assegurando as condições para que os exames decorram sem complicações.
Quanto à ideia de que as reformas não se podem fazer contra os profissionais, acho que é mais um desejo do que uma realidade, pela simples razão de que é da natureza dos interesses instalados não quererem perder os seus privilégios. Concordo que houve pouca habilidade política. Mas, pelos vistos, temos assistido a uma inabilidade política permanente, no que aos ministros da educação diz respeito, pois as manifestações e greves dos professores têm sido transversais.

Em relação às declarações de António José Seguro, penso que o tacticismo é uma das faces das promessas eleitorais que não se cumprem. A demagogia e o populismo acabam sempre por fazer ricochete.
Sem imagem de perfil

De miss a 16.06.2013 às 11:48

Uma pergunta só: é camarada daquele partido que nos deixou de tanga certo???
Sem imagem de perfil

De Tips a 16.06.2013 às 11:51

Não vou discutir o seu texto a liberdade de escrever o que bem no aprouver é um direito que nós assiste. Só lhe quero lembrar uns "pormaiores":

1- Os professores são seres pensantes e não andam a reboque de nenhum sindicato.
2-Se os professores não concordassem com está greve não a fariam.
3- Quanto ao reinado de MLR haveria muito a dizer o espaço que disponho é curto e isso está no passado e o passado já não interessa
Sem imagem de perfil

De Fernando Martins a 16.06.2013 às 17:11

Permita-me que, sendo professor não sindicalizado (e que não gosta do senhor de bigode), discorde de algumas coisas que aqui disse:

"1. Este governo é o governo pior que alguma vez me lembro de ter havido, após o 25 de Abril." Este é o governo possível, após a Festa que os dois últimos governos do PS fizeram e o acordo, assinado pelo PS, PSD e CDS, fizeram com o FMI, UE e Troika. Fizeram e fazem muitas coisas mal, mas, comparados com os "negócios" de Sócrates, são uns anjinhos.

"3. Como já muitas pessoas vão reconhecendo publicamente, houve um assalto ao poder em 2010/2011, com uma total manipulação da população protagonizada, entre outros, pelos partidos da oposição da altura" Não se está a esquecer de que os banqueiros se recusaram a comprar mais dívida pública e de que os Ministros do PS (incluindo um tal de Teixeira dos Santos) que forçaram Sócrates a pedir ajuda, porque o dinheiro já não chegava para pagar as contas do mês seguinte?

"4. A maioria dos sindicatos afectos à CGTP-in, entre os quais a FENPROF (...) , contribuíram decisivamente para a tomada do poder pela direita conservadora"
O quê, os comunistas votaram no PSD e no CDS - fantástico, Mike...!

"5. Durante os dois governos anteriores, os representantes dos professores em geral e a FENPROF em particular, opuseram-se a tudo o que mudava a cultura de mediocridade, de facilitismo, recusando alguma meritocracia que se tentava implementar. Da fusão de escolas sem condições para os alunos, às aulas de substituição, passando pela avaliação de desempenho, nada escapou aos gritos de destruição da escola pública e de ataque aos indefesos professores."

A fusão da Escolas é uma m... e só dá problemas disciplinares e falta de acompanhamento de alunos nas Escolas sem direção.
As aulas de substituição eram uma fraude e não serviam para nada, nos moldes em que MLR as determinou.
A avaliação de desempenho está agora, depois de melhorada, a funcionar, com a ação da substituta de MLR e de Crato, embora NUNCA mais os professores venham a mudar de escalão.
Nada escapou aos gritos de destruição da escola pública (com uma Ministra que insulta e desautorizado os professores como a Milu, o que é que queria?)
O ataque aos indefesos professores passou por mais burocracia estúpida (a Direção da minha Escola passa 70% do seu tempo a fazer papeis pedidos pelo MEC) por mais horas de trabalho e perda de salário e de insultos constantes ao grupo (lembra-se do Albino, da CONFAP, pago a peso de ouro pela Milu?).

"6. As alterações aos horários da função pública (que constam do orçamento rectificativo), de 35 para 40h semanais, correspondem a uma redução salarial de 12,5%, o que é totalmente inaceitável"
Eu, como professor, aceito um horário de 45 horas, pois trabalho mais que isso por semana, em média, e até aceito as perdas de salário... O resto é que me custa.

"9. Estas medidas não são específicas para os professores"
Pois os professores até podiam aceitar a mobilidade, se se cumprisse a regra dos 60 km - ora para os professores essa distância pode ser superior a 300 km...

"10. Em 2005 foi convocada uma greve aos exames, tendo o governo da altura requerido que se decretassem serviços mínimos, em defesa dos alunos e das suas famílias, o que foi legalmente aceite."
É curioso que os Juízes sejam amigos do PS e não gostem do Crato ou do PSD/CDS - talvez não... Pode ser uma questão de filiações partidárias e de aventais .'.

"11. Desta vez, e mais uma vez, a FENPROF convoca uma greve aos exames nacionais, num braço de ferro com o governo, que este não pode aceitar, sob pena de continuar refém de uma das mais poderosas corporações existentes."
Os professores fazem a greve porque querem, não são coitadinhos, carneiros ou meninos de um aparelho partidário para seguirem o chefe. Eu não fiz a greve aos exames em 2005, porque acho que é mau para os alunos haver greves aos exames, mas esta vou fazer porque não me resta outra alternativa, independentemente do que que diz Mário Nogueira e já agora, TODOS os outros Sindicatos de professores, que também participam na greve.

"12. Mário Nogueira, como líder da FENPROF, foi e é o protagonista destas posições, pelo que é nessa qualidade que o critico." Deixe-o lá em paz, ele é/foi eleito democraticamente pelos sócios do Sindicato.
Sem imagem de perfil

De helena andrade a 16.06.2013 às 17:46

Fui professora 36 anos e estou aposentada há quatro. Estou inteiramente de acordo com tudo o que escreveu e se saí da escola antes da idade requerida foi exactamente por já não poder "aturar " os colegas. "Cegos" conduzidos por outros "cegos" na sua grande maioria!
Sem imagem de perfil

De ACÁCIO LIMA a 16.06.2013 às 18:04

Minha Senhora:

Sempre tive para mim que há "Docentes" e há "docentes".

E não me enganei, basta ler o Seu Comentário.

Boa Tarde de Domingo.
Boa Semana.
Saudações de

ACÁCIO LIMA

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2005
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg