Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Opções políticas

 

As declarações de Passos Coelho, na entrevista, não são mais do que a afirmação de uma opção política por outro tipo de organização social. Tudo o que tem sido repetido em relação à insustentabilidade das funções sociais do estado, pelo depauperamento do mesmo (cuja responsabilidade foi e é dos governos do PS, como ainda alguns defendem, nomeadamente José Gomes Ferreira), foi apenas a preparação para a implementação de um estado mínimo e não interventor, deixando de ter um papel na garantia da equidade e da igualdade de acesso à educação, à saúde e no combate à pobreza.

 

De certa forma têm razão aqueles que pedem ao Presidente da República que demita o governo, pois esta opção política não foi sufragada pelos cidadãos. Para isso também devem pedir novas eleições, em que a reforma das funções do estado seja debatida e todos possam votar em consciência. Só que o Presidente da República foi cúmplice da campanha negra a que assistimos antes das eleições de 2011, tendo participado activamente para o assalto ao poder por esta maioria.

 

Por outro lado, o líder do maior partido da oposição está tão preocupado em limpar-se de ter sido do PS na época dos governos de José Sócrates que não encontra espaço, imaginação ou capacidade para ter ideias e alternativas credíveis para o país. Também os partidos à sua esquerda já deixaram bem claro que o seu combate é contra o PS, não contra a maioria de direita que nos governa ou a favor de uma solução governativa de esquerda.

 

A entrevista foi uma tristeza. Ficamos a saber que teremos educação obrigatória em menos anos, pois a gratuitidade é só para o ensino básico, que o regime de prestações sociais vai ser reduzido, que vamos ter cada vez mais impostos e cada vez menos serviços públicos.

 

Economia aberta, ganhos de mercado – palavras vazias como vazias são as esperanças dos cidadãos.

 

3 comentários

Comentar artigo