Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Refundações e desmantelamentos

 

Ninguém percebe o que significa refundar o memorando, talvez porque não signifique absolutamente nada. A conversa sobre as funções do Estado, inaugurada por Vítor Gaspar, tem a enorme vantagem de nos confrontar com a realidade de pagarmos obscenamente serviços de que não usufruímos e que nos dizem, com a maior desfaçatez possível, que não podemos ter.

 

O governos transfigurou as palavras e prepara-se para, à boleia da sua incompetência, após uma execução orçamental totalmente falhada, que errou todos os objectivos, refundar o Estado evaziando-o das suas funções sociais. Assistimos ao espectáculo pornográfico, como se o país fosse uma enorme sala de cinema hardcore, em que se anunciam reduções de 10%, ou mesmo de 6% para subsídios de desemprego, rendimentos mínimos ou de inserção social - os tais que, apesar de miseráveis, alimentam a preguiça dos trabalhadores lusos.

 

No entretanto desmantela-se também o que resta do Estado de Direito, assim como a Constituição na qual se inscrevem os direitos e liberdades e garantias dos cidadãos, com o fenómeno Passos Coelho, que tem prazer e até gosto em que se publiquem as suas conversas privadas. O problema é que não é só ele a sofrer, mais tarde ou mais cedo, com esta colossal declaração, carregada de calculismo político e demagogia bacoca, seremos nós todos, pois a porta que estava aberta à violação da privacidade, escancara-se agora, com estas palavras do Primeiro-ministro.

 

O totalitarismo larvar vai crescendo. Aguiar Branco até já apelida de perigosos inimigos da pátria os comentadores que, não esqueçamos, há pouco mais de um ano eram clarividentes ao massacrarem José Sócrates, da mesma forma que agora massacram os membros deste governo.

 

Tanta mediocridade, essa sim muito perigosa para quem, diariamente, apela à sua própria serenidade, de forma a conseguir levantar-se de manhã e ir vivendo. Em tão poucos meses se destrói o que tantas décadas levou a construir.