Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Viver mediterrânico

 

Temos tendência a admirar outros países mais ordenados, mais organizados, mais trabalhadores, com muito mais poder económico, aquilo a que chamamos a Europa civilizada, em oposto ao nosso país e à nossa sociedade, que reputamos de subdesenvolvida, gastadora, consumista e preguiçosa.

 

É notícia o aumento do desemprego entre as empregadas domésticas por causa da crise económica que atravessamos. É compreensível que assim seja, pois a classe média que mantinha uma empregada doméstica deixa de ter capacidade económica para a sustentar. Começa por lhes reduzir as horas mensais, deixa de lhes pagar subsídios e acaba por prescindir dos seus serviços. Ouvi já muitas vezes citar os exemplos de países como a Bélgica, a Holanda, a Noruega, a Dinamarca, em que praticamente não existe esta profissão. O que talvez também não exista nesses países é a quantidade de pessoas com baixas qualificações que, ao perderem este emprego, não encontram outro. É claro que se deve investir na educação e na formação de todos os cidadãos, mas a existência deste tipo de empregos, numa sociedade como a portuguesa, contribui para o equilíbrio social.

 

Tal como o hábito de comer fora, desde o pequeno-almoço ao jantar. Os pequenos cafés de bairro são locais de convívio e de aconchego para muitas pessoas, nomeadamente para os idosos. Para além dos postos de trabalho que criam, mantém uma rede de acompanhamento de proximidade, de cumplicidade de vizinhos, que permite a assistência rápida a quem dela precisa, refeições a baixo preço e o mitigar da solidão de tanta gente.

 

A substancial redução de rendimentos a que estamos forçados vem romper estas redes sociais e de trabalho, alterar uma forma de vida que não se substituiu rapidamente nem sem enormes custos. E talvez como a dieta mediterrânica, que muitos cientistas acabam por indicar como muito boa e equilibrada, o modus vivendi mediterrânico seja melhor do que, nesta altura, nos querem fazer crer.

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.