Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Não farei greve

por Sofia Loureiro dos Santos, em 23.11.11

 

Não farei greve.

 

Não porque não saiba da manipulação e dos embustes que conduziram esta maioria ao poder. Não porque não perceba o desmantelamento do estado como servidor público e garante dos direitos de todos os cidadãos, assente na dignidade intrínseca ao ser humano. Não porque confie nesta direita conservadora que varre a Europa, e que entende a vivência da crise como a volta ao passado, do Portugal pobre, isolado, pouco qualificado, cinzento e infeliz. Não porque defenda a teocracia d'Os Mercados, em que as instituições democráticas são substituídas por quem nunca se dispôs a enfrentar a escolha popular, por quem vilipendia a atividade política e a cola abusivamente à corrupção. Não porque aceite a precariedade no emprego, a falta de oportunidades, a desigualdade e a revoltante caridadezinha que percorre a ideia do estado caritativo, renovado por este governo.

 

Não farei greve.

 

Porque do que precisamos é de olhar em frente e trabalhar, muito, bem, com qualidade e eficiência, em todas as áreas em que pudermos, a aprender outras competências, a sermos mais exigentes e menos contemplativos, a premiarmos os melhores e a punirmos quem merece ser punido, a deixarmos as queixas, a engolirmos as lágrimas, a não termos medo.

 

Não farei greve.

 

Amanhã será mais um dia em que respeitarei quem a fará, em que questionarei a ausência de serviços mínimos, a ausência de contratos de trabalho para quem é produtivo, a ausência de despedimento, na função pública ou na privada, de quem não cumpre, a morosidade da justiça, o enorme desperdício de talentos, de recursos, o desinvestimento na escola pública, na saúde, na cultura, a redução salarial de alguns, a fuga ao fisco, a privatização de tudo a todo o custo, as queixas dos bancos, a prepotência de Angela Merkel. Amanhã respirarei a minha frustração mas trabalharei, o melhor que posso e sei, porque precisamos de trabalhar, nesta altura e em todas, mais que nunca. Amanhã direi, com o meu trabalho, que não me resigno a esta modorra triste, que não me revejo nesta oposição sem nexo nem alternativa, que me revolta este sindicalismo datado, sem perspetivas e sem soluções.

 

Não farei greve.

 

Amanhã trabalharei e dignificarei o meu trabalho, o trabalho de quem não o tem e o trabalho de quem entende que a melhor forma de protesto é fazer greve.

 

Saudações revolucionárias, solidárias e discordantes.

 

Até amanhã, camaradas.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:25


4 comentários

Sem imagem de perfil

De ACÁCIO LIMA a 23.11.2011 às 22:36

PERGUNTAS COMPLICADAS

01- Esta Greve, é uma Greve, dita, por razões económicas?

02- Esta Greve, é uma Greve, dita, por razões políticas?

03- Esta Greve, é uma Greve, de Protesto rotineiro e banalizado?

04- Esta Greve, poderia ser Suigeneris se associada a outros “rituais”-grifado- de Indignação?

05- Esta Greve, é tão só um Aviso, dizendo :

“Alto e Pára o Baile”?

Se é isso, Oh! Santificada Ingenuidade!!!!

Boa Noite.
Bom Serão.
Cordiais, Amistosas e Afáveis Saudações de Apreço de

ACÁCIO LIMA
Sem imagem de perfil

De Rui Monteiro a 24.11.2011 às 02:38

Faço greve amanhã pelas mesmas razões. Não preciso é de amanhã para olhar em frente, aprender ou dignificar o trabalho, o meu ou o dos outros. Faço isso desde o primeiro dia.
Imagem de perfil

De sivispacem a 24.11.2011 às 18:46

Os euros que nos "despejaram"em cima,como podem"atravessar fronteiras"dentro de malas (cf.o Brasil e os "doleiros"...)originaram várias perversões:
a . PME da "coesão",recebiam os euros,"emalavam-nos"para alhures(não temos um Enver Hotxa,mesmo caseiro...)e...recorriam ao crédito.(somos viciados em crédito,acena com a cabeça um dos da "troika"...)Desapareceu a figura do "sócio capitalista"As Grandes empresas,"escaldadas"com as "ocupações do PREC,inventaram as SGPS,sem nada para "ocupar"
b . Criam-se empresas com o capital de 1 euro,e a tesouraria...nos bancos...Se,como é frequente, são criadas para "fornecer serviços ao Estado",não aguentam 90 dias de "décalage"nos pagamentos...
c . Como os árabes do petróleo(importam filipinos para fazer os trabalhos humildes...)importámos ucranianos e, quem diria,brasileiros...(e os euros a "sair"...)Os bons trabalhadores foram para o estrangeiro,sem as regalias do "estado social","forrando" cada euro...Que,por "iliteracia"financeira,já não mandam para os bancos portugueses que - dizem -já não lhes dão juros de 20 %,ignorando que,com a inflacção de 30 %, PERDIAM CAPITAL,julgando "ganhar"
Moral : Só que os árabes têm PETRÓLEO,que a partir de 10 dólares...DÁ LUCRO !...
Sem imagem de perfil

De pink a 25.11.2011 às 09:28


Desilusão,não! Adivinhe no que estou a pensar...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg