Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O Povo, sou eu

por Sofia Loureiro dos Santos, em 25.09.11

 

poema de

José Manuel Jesus Monteiro

fotografia de

Micha Gordin

Crowd

 

1.

De sol a sol recurvado,

Com as mãos cheias de calos,

Presto jeiras ao Senhor.

Crio o gado, limpo o mato,

Sego o trigo, depois ato,

Sinto as fúrias do calor.

Na eira malho a preceito,

Da figueira colho o fruto,

A secar o estendo a jeito

E depois meto na arca.

Doze Servos, sete Bispos,

Três Senhores e um Monarca.

Nos três dias do entrudo

Como muito e bebo mais,

Faço doestos, graçolas:

Nestes dias vale tudo.

Faço jejum, dou esmolas,

Vou à missa ouvir sermões,

Dízima dou, compro bula,

Digo amem, curvo a cerviz,

Confesso o que nunca fiz:

É o tempo quaresmal.

Doze Monges, sete Vigários,

Três Arcebispos e um Cardeal.

 

2.

Tomo a lança pela enxada,

Pelo arado tomo a besta,

Pelo saiote, a armadura.

Do céu aceito a ventura,

Co’a cruz no peito e na testa,

Se lutando achar a morte.

Co’ Afonso desço do norte

Tomo o Tejo até à foz,

Serpa, Moura e Badajoz,

Com Geraldo sou bandido.

Doze Gritos, Sete Ais

Três Suspiros e um Gemido.

Com o Tejo lá tão longe,

Só vejo água noite e dia.

Quando, em terra, lanço o ferro

Nas coxas de uma gentia.

Com o Mendes Pinto dou,

Na velha terra dos Chins,

Grandes gritas, fico mudo.

Com Faria sou pirata

Roubo ouro, roubo prata,

Tendo ido além de tudo:

De mim e do Bojador.

Doze Marujos, sete Batéis,

Três Tempestades, um Adamastor.

 

3

O sambenito me vestem,

Levo uma vela na mão,

Por culpas de judaísmo,

Cristão-novo seja ou não,

Levam-me ao auto de fé.

Rompe em folgança a ralé,

Distraem-se a Corte e o Rei

Co’espetáculo que se vê.

Em fumo me tornarei,

Que a humana carne cheira.

Doze Judeus, sete Bruxas,

Três Archotes e uma Fogueira.

O Guiça mata o Rei.

Alguns choram, outros dançam:

A política é de loucos.

Cai a Monarquia aos poucos,

Ninguém lhe pode valer.

Eu próprio, que nem sei ler,

Sei bem como é urgente

Ao povo dar instrução,

Fazendo desta Nação

A mesma, mas diferente.

Doze Escolas, sete Oficinas,

Três Sindicatos, um Presidente.

 

4

Sou rapaz, quase menino,

Vou à guerra sem querer.

Infeta-me o paludismo

Nas bolanhas da Guiné.

Perco um braço em Moçambique,

Em Angola deixo um pé.

A mim próprio me pergunto

A razão de tanto mal,

A mim, que mato em Mueda

E morro em Vila Cabral.

Doze Soldados, sete Furriéis,

Três Majores e um General.

Mas a sombra, mas o medo,

Censura o que digo e faço.

Conspiro mas em segredo,

Pra viver falta-me espaço,

Clandestino, estou em mim.

Suporto, tristeza vil,

Do poder a mão pesada.

Mas num mês chamado abril

Ergo a voz na madrugada,

Grito basta, digo não.

Doze Soldados, sete Marinheiros,

Três Capitães, uma Revolução.

 

5

Do negro, me visto agora,

Da fome que dá vergonha.

Só vejo no ar morcegos,

Corvos, vampiros, falcões:

De ganância estou cercado!

São políticos os cegos

Que só pensam em cifrões.

Da saúde, paz e pão,

Do trabalho e educação,

Aos poucos, estou privado!

Doze Investidores, sete Fundos,

Três Banqueiros e um Mercado.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:22


2 comentários

Imagem de perfil

De Jomajes Monteiro a 23.10.2015 às 16:11

Agradeço a publicação do meu poema, mas lamento o facto de não ter sido mantida a estrutura original, o que lhe retira a sua beleza rítmica e formal.

José Monteiro
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 23.10.2015 às 18:31

José Monteiro, lamento o erro e peço desculpa. Devo ter copiado de alguém e replicado a alteração da estrutura, sem intenção. Agradeço que me corrija ou me diga onde posso encontrar o seu poema, que considero lindíssimo. Mais uma vez desculpe e obrigada.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg