Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Tempo suspenso

 

Tiago Taron 

 

Ao fim da tarde, no burburinho do Bairro Alto, deambulando pelo Príncipe Real, devagar e contida em conversa silenciosa com quem me acompanha. Temos o tempo suspenso nas memórias reencontradas, vogamos sem rumo pelas percepções do outro eu, devagar, umas vezes subindo e outras descendo, pelas ruas do Bairro Alto.

 

Quem somos nem nós sabemos, os intrincados processos de entrelaço decorrem sem deles nos apercebermos. Um olhar aqui, outro acolá, em demanda de uma Fábrica de Chapéus, larga, de anúncio amarelo, jovem e tradicional a um tempo. Experimentam-se chapéus como quem toca ao de leve em confidências, umas mais floridas, outras mais cinzentas, de copa alta ou aba curta, sempre sem entregas histriónicas.

 

As portas das casas velhas escondem a vida que por ali habita sem sobressaltos visíveis. Paredes vivas que contam histórias de amizade e iniciação, mesas que servem mais do que simples refeições, cruzamos a tarde que abafa, antes do regresso ao quotidiano.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.