Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Suspende-se

 

As notícias espalham que se vai suspender para reavaliar o fecho de escolas com menos de 21 alunos. Mas são contraditórias porque não se percebe bem se só não fecham aquelas escolas que seriam agrupadas em novas instalações ainda não concluídas, ou se o governo resolveu andar para trás.

 

Espero bem que esta notícia não se confirme. A reorganização e a renovação do parque escolar são essenciais e as crianças das aldeias têm o direito de aprender em escolas com estabilidade de quadros de profissionais, instalações condignas, equipamentos modernos, etc. Há que racionalizar os recursos e colocá-los ao serviço de todos os cidadãos, em pé de igualdade. Há que assegurar que as crianças possam ser transportadas em segurança para as escolas, caso elas fiquem mais longínquas.

 

Espero sinceramente que, mesmo concordando com algumas das medidas anunciadas por Nuno Crato (revisão dos currículos, exames nacionais, aumento da exigência e rigor, manutenção da avaliação dos professores, exame de admissão na carreira, não utilização de máquinas de calcular nos 5º e 6º anos), aliás idênticas às preconizadas por Maria de Lurdes Rodrigues (com excepção das máquinas de calcular), este governo não ensaie um regresso ao passado. O passado pode regressar, mas não se repete. Por outro lado, os contratos com escolas privadas que o governo socialista queria terminar (e bem) mantém-se, em nome do falacioso argumento da liberdade de escolha.

 

Nas duas últimas legislaturas deram-se passos de gigante na reforma da escola pública, que ficaram aquém do que se pretendia, também por responsabilidade dos partidos agora no poder. Se Nuno Crato for favorável ao rigor e à qualidade, não quererá, seguramente, implodir o muito que se conseguiu, e que assim é avaliado por organizações internacionais.

 

1 comentário

Comentar artigo