Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



25 de Abril na rua

por Sofia Loureiro dos Santos, em 30.03.11

 

 

 

Ao que tudo indica, a Assembleia da República estará dissolvida a 25 de Abril, pelo que as cerimónias de comemoração do Dia da Liberdade não se efectuarão.

 

Estranho esta decisão e estranho a justificação. Não seria possível abrir excepcionalmente a Assembleia nesse dia, para que a Casa da Democracia se engalanasse e recebesse as justas e dignas festas de Abril?

 

Temo que os valores democráticos, de que esta situação é apenas um símbolo, estejam cada vez mais enevoados. O regime democrático deveria fazer da sua afirmação e empolgamento uma causa suprapartidária e intergeracional. Não há aquisição vitalícia de respeito pelas liberdades cívicas e individuais, nem pelas instituições do poder soberano do povo.

 

Espero que o mesmo povo saiba honrar o dia 25 de Abril como o Dia da Liberdade. Era importante que todos nos mobilizássemos para afirmar que somos livres, que queremos participar na vida do país e que, para além das permanentes queixas e das permanentes crises por que passamos, sabemos dar valor ao que conseguimos a 25 de Abril de 1974.

 

E que tal promovermos uma manifestação simbólica a favor da Liberdade e dos Militares de Abril? Eu sugiro que todos usemos cravos vermelhos, papoilas, rosas vermelhas, antúrios, sei lá, qualquer flor vermelha, bem vermelha, nesse dia. À lapela, no chapéu, como alfinete de gravata ou pregadeira, nas mãos, nos pés, no olhar e, sobretudo, no coração.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:20


11 comentários

Sem imagem de perfil

De Miguel Gomes Coelho a 30.03.2011 às 19:05

Gosto muito da ideia, Sofia.
Vamos nisso!
Sem imagem de perfil

De Luís Pedro a 30.03.2011 às 19:18

Estas coisas têm regras e regimentos. Se a Assembleia está impedida de reunir, não seria atentatório da constituição fazê-lo?
Quanto à manifestção, espero ver igual entusiasmo no 25 de Novembro. Os "militares de Abril" foram um grupo sindical irritado com uma questão de milicianos vs não milicianos e instrumentalizados pelo PCP. Recomendo as memórias políticas do Prof. Freitas do Amaral para perceber a estratégia de Cunhal de infiltração das forças armadas.
Salud!
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 30.03.2011 às 20:42

A importância do 25 de Novembro não deve nunca apagar a importância do 25 de Abril. Os Militares de Abril foram os que, independentemente das motivações que tiveram, lhe deram a possibilidade de falar deles assim. O reconhecimento aos que arriscaram tudo, muito mais do que todos nós arriscamos ao perorar sobre tantos assuntos, é uma obrigação nossa. Sugiro-lhe o alargamento das referências históricas.
Sem imagem de perfil

De mdsol a 30.03.2011 às 19:21

Vamos nisso, Sofia.

:)))
Sem imagem de perfil

De Rogerio Pereira a 31.03.2011 às 00:55

Lá estaremos
Eu, o Meu Contrário e a Minha Alma. Seguindo a sua sugestão cada um de nós três terá a liberdade de escolhar a flor, desde que seja vermelha...

(Vim pela mão da MdSol)
Sem imagem de perfil

De mar aravel a 31.03.2011 às 01:15


Lá estaremos

Bjs
Sem imagem de perfil

De maria a 31.03.2011 às 01:27

Lá nos encontraremos a respirar o mesmo ar. De vermelho, com vermelho no coração!
Sem imagem de perfil

De maria a 31.03.2011 às 01:28

Lá estaremos na Avenida da Liberdade que conquistámos. De vermelho. Com vermelho no coração!
Sem imagem de perfil

De pink a 31.03.2011 às 09:10


Tão bela ideia, que só posso solidarizar-me,claro!
"E venham mais cinco..!"...que o Zeca abençoará e cantará, pois, com certeza!
Sem imagem de perfil

De jrd a 31.03.2011 às 18:02

E que melhor local para o celebrar?!
Sem imagem de perfil

De Cristina Loureiro dos Santos a 05.04.2011 às 01:52

Completamente de acordo.
Um cravo vermelho ao peito, sim. Por Abril.

Beijinhos :**

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg