Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Destruição do SNS - por dentro

por Sofia Loureiro dos Santos, em 27.06.10

 

A responsabilidade do desmantelamento iminente do SNS não é só dos últimos governos, nomeadamente dos dois últimos, pela saída de Correia de Campos que tentou reformar e tornar sustentável o sistema.

 

A responsabilidade é também de quem lá trabalha e de quem o usa, ou seja, de todos nós, cidadãos que são sempre exemplares quando se olham ao espelho, e vêm tantos defeitos em quem está ao seu lado.

 

As gerações mais novas foram criadas (educadas?) segundo o dogma da sua própria importância, originalidade, reforço do ego e competitividade. Tudo isto é indispensável e muito importante se contrabalançado com a responsabilização, autonomia e sentimento de existência em comunidade. Ou seja, a existência dos outros, como parceiros exactamente com os mesmos direitos, deveres, sonhos e ansiedades.

 

Particularmente na área dos profissionais de saúde, em que durante muitos anos (e continua) foi alimentado o mito do génio para entrar nos cursos de Medicina. Com a melhor das intenções as famílias investiram na preparação dos futuros médicos como se fossem atletas de alta competição. Consequentemente a entrada na tão almejada vaga constituía (e constitui) um carimbo de excelência. Infelizmente, pela distorção das fórmulas com que se calcula a entrada nos cursos (as notas do ensino secundário são necessariamente diferentes de escola para escola e não medem, de forma alguma, a competência para exercer a profissão), esse carimbo não corresponde à realidade.

 

As novas gerações de médicos são iguais às antigas gerações: há os bons e os maus, os interessados e os desinteressados, os ambiciosos e os humildes. No entanto, a sociedade e os tempos de hoje moldaram-nos e continuam a moldá-los numa visão diferente do que é o serviço público.

 

Para esta nova geração de médicos, que se auto avaliam como quadros superiores de alto nível, as suas remunerações e condições de trabalho devem ser iguais aquilo que sempre conheceram e que sempre lhes foi facultado – tudo lhes é devido, a tudo têm direito para que possam exercer a profissão  que, para eles, se limita à demonstração do saber específico de cada especialidade.

 

Ano a ano, com a escassez de médicos que existe e que, não esqueçamos, tem responsáveis políticos, o núcleo do sistema de saúde deixou de ser o doente e passou a ser o médico. Politica e economicamente foram esses os sinais enviados, tratando-se a saúde como fábricas de salsichas ou de componentes de computadores, introduziram a noção do mercado, da oferta e da procura, sem a percepção (ou com esse objectivo?) de que os bens que se transaccionam na saúde não são parecidos com o vestuário.

 

Neste momento não há qualquer cuidado, na maioria dos elementos mais novos, na continuidade de um serviço, na estruturação de uma escola de trabalho, na formação de um grupo coeso. Não há, com honrosas excepções, a noção de que o nosso trabalho é servir o doente. O trabalho é encarado quase como um favor que se faz, não uma obrigação, um factor de realização pessoal, uma dívida e uma contribuição para a sociedade.

 

Por isso, quando ouço falar do fim do SNS e as queixas dos muitos profissionais que têm tudo para serem excelentes elementos, para impulsionar a vontade e a força anímica dos mais velhos, que estão esgotados e precisam de ser motivados, precisam de ter a esperança de que o seu trabalho e esforço não foi em vão, embora considere justificadas muitas delas, pesam-me o coração e os membros num desalento enorme, porque o SNS está a ser destruído, mas também por dentro, por aqueles que dizem (e que têm obrigação de) defendê-lo a todo o custo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:35


2 comentários

Sem imagem de perfil

De lino a 27.06.2010 às 16:31

Clareza, precisão e concisão. tanto mais de enaltecer porque vêem "de dentro".
Um beijo limiano.
Sem imagem de perfil

De ACÁCIO LIMA a 27.06.2010 às 21:28

COMENTÁRIO AO POST DE SOFIA LOUREIRO DOS SANTOS- “DESTRUIÇÃO DO SNS- POR DENTRO”


“O REI IA NU”.


1. O desmantelamento do SNS, não está iminente, mas está a ser “armadilhado” e, objectiva e subjectivamente, a ser “amadurecido; mas surgirá, se ao PPD e PP for concedida a oportunidade de governar, num desideratum que é dos Maximalistas, leia-se Bloco e PCP, prenhos de conservadorismo e na aversão à racionalização do uso das logísticas, humanas e materiais.

2. A “Gritaria” da Comunicação Social, em particular dos “Jornais Gratuitos” avaliando mal, insucessos, tudo remetendo para “Negligentes”, “Negligência”, é uma “cavadela abrindo a “cova”.

3. Mas a persistência dos laivos corporativistas herdados do anterior regime, Regime Doutrinariamente Corporativo, é um facto. .

Nunca foi urdida uma crítica radical a essa Doutrina Corporativa.

E a falta dessa Crítica alimenta o processo de intenção de desmantelamento do SNS.

4. Não abro um processo de culpabilização das novas Gerações, pois os seus comportamentos surgem no Caldo Ideológico dominante: o espírito egoista, o engodo por um “estatuto social”, a competição à margem das regras, o elitismo, tudo isso sendo veiculado, manipulatoriamente, pelas classes dominantes, num “espírito classista”, que tem escapado a uma dilucidação,

5. O “Número Clausus”, e o que está por de tráz dele, que informa também a “psicose” dos “Rankings”, (queridos do Fernandes do “Público”)´mais não é que um afloramento do Corporativismo latente no pensamento do Bastonário da Ordem dos Médicos, idem para o dos Médicos Dentistas, idem para o dos Enfermeiros. Tudo gente escolhida pelos profissionais dos sectores.

Uma questão de claro pendor ideológico marcante, primeiro, e depois político.

6. Os critérios de avaliação e ordenamento são “coxos” e de resultados desviantes.
O critério do “Ranking” e da selecção tem de basear-se num leque alargado de conceitos e não decorrer da “notita” singela.

7. O conceito de “Serviço Público”, básico em Democracia e no Estado de Direito, tem sido tão mal tratado, tal como o que sucede com o conceito de “Laicidade”.

Tratado com os pés e não com a mioleira.

8. Esta degradação do SNS surge agora com visibilidade, e tudo indica um nexo causal com o afastamento de Correia de Campos do Governo.

As normas básicas da Gestão Cientifizante cederam lugar ao normativo do Empirismo Voluntarista, próximo muitas vezes do Populismo, marcadamente oscilante.

Concluindo: Esta questão do SNS tem de ser tratada”com pinças”, por forma a que não se esteja alimentar o progresso dos “Inimigos Figadais” do SNS, os Passos Coelho, os Paulos Portas e os seus acólitos de circunstância, os tais da “Coligação Negativa”, do “Tanto Pior Melhor” ou da variante do “Tudo ou Nada”.

Saudações Cordiais, Afáveis e Amistosas, Democráticas, Republicanas e Socialistas.

ACÁCIO LIMA

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg