Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Saramago

por Sofia Loureiro dos Santos, em 18.06.10

José Saramago foi um escritor de excepção, tanto quanto conseguimos, dentro das nossas limitações, incongruências e ignorâncias, avaliar a genialidade na literatura. Não só escrevia excepcionalmente bem como escrevia sobre temas relevantes e compunha personagens inesquecíveis.

 

O Evangelho segundo Jesus Cristo (1991), o livro de todas as polémicas, é dos melhores livros que lhe li. Há muitos escritores de língua portuguesa que mereceriam o prémio Nobel, mas isso não retira valor a Saramago. A inclusão dos seus textos nos livros escolares e o estudo da sua obra é natural. O facto de terem deixado de fora outros escritores não o responsabiliza e não o deslustra, tal como não deslustra quem foi esquecido. Apenas demonstra o pouco cuidado de quem participa na elaboração dos currículos escolares.

 

A obra de José Saramago internacionalizou-se e globalizou-se, fazendo muito mais pela língua portuguesa do que décadas de diplomatas encartados.

 

Como homem político, a outra faceta que conheci de Saramago, não podia estar mais em desacordo, sendo-me antipática a sua figura e o que ela representava, a sua ideologia, a sua vaidade e a sua arrogante certeza de ser detentor da verdade. Mas não é preciso admirar o homem para admirar a sua obra. E a sua foi e é admirável.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:26


14 comentários

Sem imagem de perfil

De maria a 18.06.2010 às 21:33

Percebo o último parágrafo embora não concorde com ele, Sofia.
Não vejo, nunca vi, em José Saramago uma figura arrogante. Antes pelo contrário....
Sem imagem de perfil

De jrd a 18.06.2010 às 22:15

Um poste magnífico, uma homenagem digna de quem a elaborou.
Felicito-a por a ter escrito e felicito-me por a ter lido.
(O penúltimo parágrafo é apenas um detalhe que me passa 'a latere')
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 18.06.2010 às 22:21

Maria e JRD , não conheci pessoalmente José Saramago. Raramente gostei das suas intervenções políticas e a arrogância de que falo é dessa maneira de ter a certeza de estar certo, de estar do lado certo, havendo o lado certo e o errado.

Nada disso importa, no entanto, para o que significou e significará na literatura portuguesa.
Sem imagem de perfil

De ACÁCIO LIMA a 18.06.2010 às 23:16

COMENTÁRIO AO POST DE SOFIA LOUREIRO DOS SANTOS - "SARAMAGO"


Se tivesse de escrever um post suscitado pelo passamento de José Saramago, teria outro tom e passaria ao lado da dicotomia do “HOMEM ESCRITOR” e do “HOMEM POLÍTICO”.

E, isto, pese ter ele sido Ele, ambas as coisas, queira-se ou não.

Mas tudo se quedaria na Sua protentosa Obra Literária.

E foi a Sua Obra Literária que o impôs no Mundo, de lés a lés.

O Mundo não se ocupou do “HOMEM POLÍTICO” Saramago.

Ocuparam-se do "HOMEM POLÍTICO" os menores, os Sousa Lara e Companhia.

Ficam na sombra, se é que há sombra para eles, e no esquecimento do insignicante, entrando José Saramago, pela Porta Grande, da Eternidade.

Ontem seria incapaz de pensar na MORTE de José Saramago, na distração de pensar que há gente que escapa à vulnerabilidade da VIDA.

Hoje, fico suspenso na re-leitura do “Ano da Morte de Ricardo Reis.

O “Evangelo Segundo Jesus Cristo” é uma Obra Maior, no requinte da congeminação e da profunda reflexão sobre a VIDA E O MUNDO.

No Luto, Cordiais, Afáveis e Amistosas Saudações de

ACÁCIO LIMA
Sem imagem de perfil

De mar aravel a 18.06.2010 às 23:43


Em silêncio
Até sempre camarada Saramago

A Sofia fala do que não conhece
e eu admiro-a porque é livre
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 18.06.2010 às 23:51

Falo do que não conheço? Não percebo.
Sem imagem de perfil

De mar aravel a 19.06.2010 às 00:22


Eu também não entendo como lhe é possível fazer considerações pessoais com quem não partilhou

As obras leem-se
mas as pessoas conhecem-se por dentro

Eu aprecio pessoas que não partilham a minha ideologia nem apreciam os meus escritos

Eu conheci Saramago

Quando fui ao lançamento do seu livro
não tive preocupações de lapelas
mas de si nada digo porque não a conheço

Bjs
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 19.06.2010 às 09:48

Mar Aravel , as minhas considerações são sobre a imagem pública que conheço de Saramago. É do que falo. São as opiniões que tenho sobre as suas palavras ditas, entrevistas e opiniões, principalmente políticas. Também nunca conheci Salazar - significa que não posso ter opinião sobre ele? Ou sobre Álvaro Cunhal, Manuel Alegre, Alice Vieira?

Como Acácio Lima disse, o que importa em Saramago é o escritor. Essa é a homenagem que lhe quero prestar.
Sem imagem de perfil

De ACÁCIO LIMA a 22.06.2010 às 15:13

O Comentário de "mar aravel" é claramente redutor do Conhecimento, que reduz ao coloquial.

No limite, seguindo a estreiteza de "mar aravel", estariamos inibidos de nos pronunciarmos sobre a visão política dos Platões, dos Sócrates, da Grécia Antiga, ou dos Kant e dos Descartes, no empobrecimento total, na ocultação dos Seus contributos para a Dignificação do HOMEM.

ACÁCIO LIMA
Sem imagem de perfil

De tüp bebek a 22.06.2010 às 11:50


foi um artigo que eu gostava. Obrigado por compartilhar.
Imagem de perfil

De Dylan a 22.06.2010 às 14:24

José Saramago não era menos português por não pôr a bandeira à janela na véspera de um evento desportivo. Acima de tudo, a sua essência era ibérica. Convém dizer que só saiu de Portugal devido à ostracização de Sousa Lara, comprovada agora com o episódio político revisionista da não presença de Cavaco Silva no seu funeral. "Viagem a Portugal" é reflexo de amor e do encantamento que sentia pelo país, pela sua beleza e cultura, pela classe trabalhadora, espelhada na sua identidade, mesmo que isso significasse ir contra a ideologia do seu partido, contra a maioria religiosa, contra o politicamente correcto. Para o seu espírito inconformado, a morte é pouco relevante. Como diria Saramago, "o fim duma viagem é apenas o começo de outra".
Sem imagem de perfil

De ACÁCIO LIMA a 22.06.2010 às 14:58

Confirmo o que já aclarei: Neste passamento de José Saramago, celebrou-se um Mago da Cultura e da Literatura, e não um Saramago Político.

Mas o Saramago da Literatura, na concisão, observação do real penetrante e com a Sua Cultura, também foi capaz de ser brilhante na análise política.

E, isso, quando, um belo dia, declarou, referindo-se a Cavaco Silva, disse:

"É um Génio da Banalidade".

Repito: BANALIDADE.

Lembrei-esta noite, na vigília, sem sono, ditada pelo seu passamento.

ACÁCIO LIMA
Sem imagem de perfil

De mar aravel a 22.06.2010 às 19:27


é interessante que se leia na obra de Saramago

apenas o escritor

e goste

Sem imagem de perfil

De ACÁCIO LIMA a 22.06.2010 às 20:30

COMENTÁRIO, AO COMENTÁRIO de"mar aravel", NO POST "SARAMAGO", DE SOFIA LOUREIRO DOS SANTOS, NO "DEFENDER O QUADRADO"


O que é “interessante”, linguagem da Comentadora, “mar aravel”, é o sugerir que há uma leitura do Autor, da Sua “Obra Literária”, de José Saramago, fraccionada e alienada.

Mas na “Obra Literária” de José Sarmago, e salta à vista, temos um “fio condutor” prenho de uma Ideologia, que nada tem a ver com o “Idealismo Filosófico”.

Se a Comentadora estiver atenta, e estará, com certeza, se lêr Celine e lêr Cela, o francês e o galego/castelhano/espanhol, encontrá neles um “fio condutor” também prenho, mas de “idealismo Filosófico”.

E, nem por isso poderá deixar de dizer que está perante Autores, de enorme talento, e de quem se “gosta”- grifado.

Cumprimentos de

ACÁCIO LIMA

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg