Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Informação

 

 

A informação é uma arma.

 

Em relação aos medos e aos mitos sobre a gripe A e a vacinação o melhor é estudar, procurar e ser crítico perante o que se ouve.

 

Encontrei um and-reality-check.htm">blogue muito interessante sobre doenças infecciosas, com vários posts sobre a gripe, comparação entre a gripe a e a sazonal, nomeadamente em termos de mortalidade, desmistificação do medo em relação à insegurança sobre as vacinas, explicando que a forma com é feita a vacina para a gripe A é idêntica à da sazonal, com os mesmos ingredientes (com excepção dos virais, obviamente), alertando para quem deve ser vacinado com a vacina injectável (a vírus mortos - aquela que existe em Portugal) e a de aspersão (a vírus atenuados).

 

Encontrei também informação sobre a eventual associação entre a vacina para a gripe A e a Síndroma de Guillan Barré, uma doença neurológica rara que afectou doentes na década de 70, quando se iniciou um plano de vacinação contra a gripe suína. Explica o que se passou e o que se está a passar, relatando que a vacina de agora é idêntica à da gripe sazonal, não tendo acontecido essa associação com a vacina para a gripe sazonal.

 

Vale a pena ler consultar estes sites e, serenamente, enfrentar as ondas de desinformação e de propaganda de todos os tipos que nos inundam.

 

Adenda 1: vale a pena ler a informação da CDC sobre a epidemiologia da gripe A no hemisfério sul (23/10/2009) e um documento de esclarecimento produzido pelo Department of Health, NHS, UK.

 

Adenda 2: a informação sobre a pandemia de H1N1, da OMS, diz o seguinte:

 

As of 17 October 2009, worldwide there have been more than 414,000 laboratory confirmed cases of pandemic influenza H1N1 2009 and nearly 5000 deaths reported to WHO.

 

As many countries have stopped counting individual cases, particularly of milder illness, the case count is significantly lower than the actually number of cases that have occurred. WHO is actively monitoring the progress of the pandemic through frequent consultations with the WHO Regional Offices and member states and through monitoring of multiple sources of data.
 

Com estes resultados significa que a mortalidade desta gripe será inferior à que podemos determinar apenas com os casos confirmados laboratorialmente: 1,2%.
 

4 comentários

Comentar artigo