Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Subjectividade e meritocracia

por Sofia Loureiro dos Santos, em 31.05.09

 

 

No seguimento da entrevista de José Gil e da manifestação dos professores vi, de raspão, uma intervenção de Maria Filomena Mónica ontem, na RTPN, se não estou em erro.

 

Mas o que ouvi deixou-me perplexa. Dizia Maria Filomena Mónica que a avaliação tem de ser subjectiva, que tinha pedido a reforma antecipada porque o ministério queria que ela preenchesse uns formulários e que ela se recusava.

 

Não consigo perceber como é que Maria Filomena Mónica foi avaliada e avaliou ao longo destes anos todos, os conhecimentos, as publicações, os curricula de tantos quantos se cruzaram o seu caminho. Foi pela cor dos olhos, pelo que vestiam, pelo som dos apelidos? Como é que ela própria foi avaliada? Por testes, em que tinha que responder a perguntas iguais às dos seus colegas, que tinham uma grelha de avaliação e que, no fim, somavam um determinado valor? Ou pelos ares de inteligência ou de indigência mental que tinham?

 

Como se pode ser a favor da meritocracia se não há formas de comparar e avaliar? Como se comparam e avaliam procedimentos, atitudes, conhecimentos, aptidões, sem que se tende uma objectividade exemplar? Como se pode dar possibilidade a quem é avaliado de contestar a própria avaliação, se esta não seja o mais clara e transparente possível?

 

É claro que há, e deve haver, algum lugar para a subjectividade. Avaliar pressupõe responsabilidade do avaliador e, por muito que se seja objectivo, as pessoas não são computadores. Essa responsabilidade deve ser assumida e quem avalia deverá prestar contas da sua avaliação.

 

Como é possível alguém que se diz democrata e meritocrata defender uma forma de avaliação que permite um poder discricionário sobre quem está a ser avaliado?

 

Maria Filomena Mónica defende o indefensável, fala de uma escola que já não existe, se é que alguma vez existiu. E se o diagnóstico é que este é um problema que tem oitocentos anos, de certeza que não estaria à espera que alguém o resolvesse em quatro. Muito menos ela própria, cujas ideias não se percebem se são para este século ou para o XIX, onde ela confessa que vive na maior parte do tempo.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:12


8 comentários

Sem imagem de perfil

De assis a 31.05.2009 às 16:33

aplica-se a mfm o mesmo que ao antónio barreto: estão obsecados com o sócrates. à mfm temos ainda que adicionar a seu pedantismo ilimitado (para quê e por quê?).
Sem imagem de perfil

De António P. a 31.05.2009 às 16:42

Boa tarde Sofia,
Sempre atenta. Não vi a dita entrevista,mas pelo que diz vem na sequência do que tenho lido e ouvido de Maria Filomena Mónica nos últimos tempos ( anos ).
Para mim o mais surpreendente é como alguém que é uma cientista consegue ser tão simplista e recusar a objectividade num processo de avaliação.
Curiosamente aqueles que pretendem criticar muitas das medidas do actual governo "atiram" completamente ao lado. São incapazes de aceitar a necessidade de algumas medidas e proporem o seu seguimento ( follow-up ) para posteiormente se fazer a sintese e definir formas de melhorar.
Sinceramente não consigo perceber esta cegueira.
E ainda falam dos políticos !!??
Cumprimentos
Sem imagem de perfil

De aviador a 31.05.2009 às 21:16

Sofia desculpe a grosseria:

FM provavelmente foi avaliada, mesmo em Oxford , pelo seu bom aspecto físico

Como diz o outro, só pode!
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 31.05.2009 às 22:12

Aviador, estou em crer que Maria Filomena Mónica tinha e tem outros atributos. E de certeza que teve que se prestar a muitas avaliações mais objectivas do que as que, neste momento, defende.
Sem imagem de perfil

De mdsol a 31.05.2009 às 22:01

Já deixei de tentar entender a MFM. Também já passou a fase em que me irritava. Agora deixei de ligar. Ontem só fez espavento. Misturou tudo e, se alguma coisa de interessante tinha para dizer, não se percebeu.

:))
Sem imagem de perfil

De aviador a 01.06.2009 às 00:26

Cara Sofia

Tem toda a razão.
Foi uma pequena brincadeira.
Na realidade, a senhora mudou.
Gostaria de saber com e porquê.
Sem imagem de perfil

De Carlos Pires a 01.06.2009 às 22:45

A MFM sempre misturou análises muito lúcidas com alguns disparates. Há anos atrás analisou de modo muito certeiro os programas e exames de várias disciplinas e mostrou como estavam mal concebidos, como eram superficiais e reféns de modas pedagógicas e académicas pouco consistentes. Mas pelo meio disse algumas asneiras: por exemplo, declarou como sendo ridículo qualquer professor de línguas que levasse um gravador para a aula (por exemplo para ouvir uma canção).
Parece óbvio que o que se tem de discutir não é a existência de formulários, mas sim o seu conteúdo e provavelmente o seu número.
As pessoas que criticam o modelo de avaliação que o governo tem tentado impor por ser muito quantitativo erram o alvo. Ser quantitativo é bom. O que tem de se ver é o que é e o que não é possível de ser quantificado e o modo como a quantificação é feita (por exemplo, pretender quantificar a percentagem de positivas dadas por um professor e fazer com que isso tenha uma relação directa com a sua classificação profissional - como queria o governo - é um óbvio disparate, pois levaria em muitos casos à inflação das notas dos alunos).
Um dos problemas desse modelo de avaliação é que apesar de ser quantitativo nalgumas coisas não evita a subjectividade e a arbitrariedade.
Relativamente a isso é preciso dizer que os sindicatos e associações de professores não souberam apresentar alternativas: como avaliar a sério, mas de modo justo e objectivo? (Os relatórios defendidos pela Fenprof seriam também subjectivos.) Alguns professores a título individual fizeram propostas válidas mas ninguém quis analisá-las e discuti-las.
Sou professor mas não me identifico com os sindicatos de professores. Por outro lado, creio que é esta foi a pior ministra da educação de que há memória. Desse meu ponto de vista, é interessante observar pessoas como a Sofia e alguns dos seus leitores - defensores quixotescos do indefensável. É uma atitude que não deixa de ter alguma nobreza, pois manifestamente resulta de convicções e não de interesses.
Por falar nisso: como resistirão essas convicções às recentes declarações do Presidente do Conselho Científico para a Avaliação dos Professores? O homem foi nomeado pelo governo e aquilo que diz significa que a ministra e os seus secretários de estado só têm feito asneiras - mesmo quando têm objectivos correctos.
Cumprimentos
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 01.06.2009 às 23:54

Carlos Pires, obrigada pelo seu comentário. Não conheço as declarações do Presidente do Conselho Científico para a Avaliação dos Professores, mas vou tentar lê-las. O facto de ter sido nomeado pelo governo não o impede de fazer a avaliação que considera correcta.

Mas, ao contrário do Carlos Pires, penso que esta Ministra foi das melhores ministras da educação que há memória.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2005
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg