Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Anatomopatologistas precisam-se

por Sofia Loureiro dos Santos, em 26.04.09

                

 (schistosomíase; carcinoma ductal invasivo Her-2 +++)

 

Ao contrário do que é habitual, este é um post de alerta e em defesa da corporação dos Anatomopatologistas, a que eu pertenço.

 

Os Anatomopatologistas são médicos especialistas em diagnosticar as nossas doenças, olhando para o microscópio, olhando para os tecidos e as células, tentando ver cada vez mais além, havendo até já formas de olharem para as moléculas.

 

Aos Anatomopatologistas é-lhes pedido que distingam entre uma malformação congénita, uma infecção ou um tumor, entre um tumor benigno e maligno. É-lhes pedido que, a meio de uma operação, decidam entre a malignidade e a benignidade de um tumor, se este está totalmente extirpado ou se é preciso fazer uma cirurgia mais agressiva.

 

Depois, para além do diagnóstico e da avaliação das margens cirúrgicas, têm que fazer o estadiamento do tumor, ou seja, têm que dizer até que ponto o tumor está avançado porque isso condiciona o tipo de tratamentos que serão necessários, para além da perspectiva do tempo e da qualidade de vida do doente.

 

À medida que vão sendo descobertos os mecanismos moleculares de alteração das células e se vão desenvolvendo medicamentos dirigidos a cada uma dessas moléculas, o que significa terapêuticas individualizadas, tendo em conta os diferentes comportamentos dos tumores e as diferentes formas de que eles se revestem, o trabalho dos Anatomopatologistas é também de orientação quanto ao exacto medicamento a administrar.

 

Os Anatomopatologistas estão na base de cerca de 80% de todos os actos médicos, cirúrgicos e terapêuticos dos sistemas de saúde. A eles se exige conhecimentos especializados da sua especialidade, adaptação a tecnologias cada vez mais específicas, permanente interacção com as outras especialidades clínicas e cirúrgicas para a abordagem multidisciplinar dos doentes, estudo e monitorização permanente do seu próprio trabalho, controlo de qualidade, investigação clínico-patológica, formação dos mais novos, documentação iconográfica do seu trabalho, coordenação e participação nas bases de dados do registo oncológico, realização de rastreios de vários tipos de neoplasia (colo do útero, mama, cólon, etc).

 

Os Anatomopatologistas respondem a todos os serviços dos hospitais (públicos e privados), não têm listas de espera e têm objectivos de rapidez e qualidade nos tempos de resposta. Como a sua actividade depende da actividade dos outros serviços os anatomopatologistas parecem invisíveis. Se houver incentivos aos cirurgiões para operarem mais, aos gastrenterologistas para fazerem mais consultas, etc, não se pensa que desse trabalho resultam mais peças cirúrgicas, mais biopsias e mais citologias para os mesmos Anatomopatologistas, que não recebem incentivos nenhuns.

 

Há cada vez menos Anatomopatologistas e os que existem estão cada vez mais envelhecidos e com cada vez maior carga de trabalho. Enquanto não houver uma revisão da forma como se remuneram estes especialistas, a especialidade, cada vez mais necessária até pelo aumento das doenças oncológicas, continuará a ser preterida por outras menos trabalhosas e melhor remuneradas.

 

A medicina de qualidade depende tanto de serviços de cirurgia altamente especializados como de oncologistas, pediatras, obstetras, gastrenterologistas, como de anatomopatologistas em número, motivação e competência suficientes para que possam cumprir um papel central na prestação de cuidados de saúde.

 

É extremamente importante que os decisores políticos e administrativos, a nível central e periférico entendam esta urgência e tudo façam para promover a melhoria das condições de trabalho destes especialistas, e para incentivar a escolha desta especialidade.
 

                      

 (linfoma de Bürkitt; lesão intraepitelial de baixo grau)

 

 

Nota: Report of the Review of NHS, Pathology Services in England, Chaired by Lord Carter of Coles, 2006

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:05


16 comentários

Sem imagem de perfil

De Ana Marques Pereira a 26.04.2009 às 13:48

Concordo plenamente, mas aproveito para acrescentar: «Hematologistas precisam-se». Não há Hematologistas em número suficiente e quando se reformarem os mais velhos os serviços começam a fechar. Na minha opinião são apenas sinais do fim do Serviço Nacional de Saúde, tal como foi concebido por Luís Arnault . Agora é a derrocada tal como a concebeu Correia de Campos cujas ideias prosseguem mesmo após a sua saída. Estou farta de dizer isto e ninguém acredita. vai ser preciso sentirem na pele. Eu já sinto.
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 28.04.2009 às 22:23

Ana, na realidade precisamos de médicos de todas as especialidades. Mas ao contrário do que defendes, não me parece que Correia de Campos possa ser responsabilizado pela escassez de médicos. Pelo contrário, nos últimos anos tem havido um esforço de aumentar as vagas para os cursos de Medicina, que foram quase congeladas durante muitos anos de governação de todos os partidos. E não me parece que tenha nada a ver com o fim do SNS (fundado por António Arnaut). Mas isso são outras conversas.
Sem imagem de perfil

De jrd a 26.04.2009 às 17:32

Eu que, em matéria de saúde, me assumo como "paciente", subscrevo, nessa qualidade, tudo o que escreveu.
E agradeço...
Boa semana
Sem imagem de perfil

De paulo santiago a 27.04.2009 às 22:48

Confesso que não sabia o que era um Médico
Anatomopatologista. Lendo com atenção o seu post,
fiquei a saber e a imaginar quanta dedicação e
minúcia a Drªtem no seu trabalho(sacerdócio)
Bem-Haja
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 28.04.2009 às 22:27

Posso afirmar que conheço muitos médicos que encaram a sua profissão com enorme dedicação e sentido de missão. Mas isso é uma escolha nossa e é nossa obrigação. O problema é quando vemos que mesmo que nos dediquemos ao máximo há coisas que não conseguimos ultrapassar. A falta de médicos desta especialidade é alarmante, para agora e para o futuro.
Sem imagem de perfil

De fernando antolin a 28.04.2009 às 12:06

Por uma curiosa coincidência,a análise anatomopatológica que identificou o meu carcinoma da supra-renal esquerda,retirado no Garcia de Orta a 26 de Abril de 2000,tem a sua assinatura. Com a prestimosa intervenção dos Drs João Bastos e Jorge Portugal,mais Mitotane durante 8 anos,estou aqui para as curvas. Obrigado pela sua ajuda e que escutem o seu apelo.

Com amizade
Fernando Antolin
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 28.04.2009 às 22:30

Fernando Antolin, ainda bem que se sente bem. Agradeço a sua gentileza. Tal como o Fernando disse foi um conjunto de médicos que o tratou e é essa abordagem multidisciplinar que se impõe na medicina de hoje. O Patologista é um factor chave nessa equipa.
Sem imagem de perfil

De Esperanca Ussene a 26.11.2010 às 10:03

Olá. Iniciei há 1 mês a minha residência em Anatomia Patológica. Sou medica em África , Moçambique , onde existem apenas 3 Patologistas moçambicanos para todo pais e 3 Patologistas cubanos que prestam apoio (para uma população de mais de 20 milhões de habitantes). Imagine só ! Confesso que me custou muito tomar a decisão de especializar-me em anatomia patológica (apesar da paixão que tenho por esta especialidade desde os tempos da faculdade) exactamente pelos motivos por si abordados. Passamos muito despercebidos, o que não compensa dada a importância dessa especialidade (não que as outras não sejam importantes, não me interpretem mal). Mas finalmente tomei essa sabia decisão. Os meus compatriotas precisam de mim e trabalho naquilo que gosto. Vamos torcer e tomar uma atitude para que um dia as coisas melhorem. Um abraço.
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 27.11.2010 às 23:13

Esperança Ussene
Obrigada pelo seu testemunho. Muitas felicidades para a sua, nossa especialidade. Sempre que quiser, estou ao dispor para trocar ideias e experiências.
Sem imagem de perfil

De Esperanca Ussene a 29.11.2010 às 07:23

Muito obrigada Dra. Sofia.
Com certeza, irei contactacta-la regularmente para "beber" um pouco da sua vasta experiencia.
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 29.11.2010 às 22:15

Obrigada pela confiança, Cara Colega! Com todo o gosto!
Sem imagem de perfil

De Esperanca Ussene a 13.04.2011 às 10:48

Olá Dra. Sofia. Espero que esteja tudo bem consigo. Como prometi, cá estou para tirar algumas dúvidas. Em Moçambique há muitos casos de carcinoma hepatocelular e com frequência temos feito punção aspirativa com agulha fina, a famosa PAFF, para o diagnóstico. No entanto, os colegas da África do Sul nunca fazem PAAF nestes casos e dizem que está contra-indicado . Verdade ou não , o certo é que tenho observado que a maioria dos pacientes a quem fazemos PAFF morre 3 a 4 dias depois (se bem que a maioria já está na fase terminal!).Qual é a sua experiência em relação a esses casos?
Um abraço.
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 13.04.2011 às 19:54

Esperança Ussene, por favor escreva-me para o email disponível no perfil do blogue. Conversaremos por aí. Obrigada.
Sem imagem de perfil

De Esperanca Ussene a 18.04.2011 às 13:52

Ola Dra.
Tenho tentado me comunicar consigo atraves do e-mail noreply@blogs.sapo.pt, mas as minhas mensagens nao entram. Sera o endereco certo?
Um abraco
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 18.04.2011 às 20:15

Esse endereço não serve. Envie para sofia.l.santos@sapo.pt.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg