Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Liberdade condicionada

por Sofia Loureiro dos Santos, em 10.04.09

 

 

 

A liberdade de expressão é um conceito muito fluido, por estas nossas bandas. Assim como a autonomia das mulheres em relação aos homens.

 

Em Portugal, as mulheres só devem ter opinião se e só se não tiverem companheiros/amigos/maridos por perto, pois nesse caso deixam de o poder fazer. Ou porque se tiverem alguma atitude contrária aquela que se pensa que o companheiro/amigo/marido sanciona, o estão a comprometer, como foi o caso da ida a uma manifestação de professores da mulher de António Costa, imediato motivo de grande especulação jornalística sobre a opinião de António Costa (não da mulher) sobre a política de educação do governo; ou porque se criticam quem critica o seu companheiro/amigo/marido estão obviamente obnubiladas, compradas, cegas e a servir os objectivos desse companheiro/amigo/marido.

 

Cabeça para pensar, opinião, empenho profissional ou outra qualquer qualidade intrínseca à sua pessoa, independente, é algo de que as mulheres são incapazes.

 

Fernanda Câncio é jornalista, e pelo que atestam os que com ela trabalham ou trabalharam, de elevada competência. É uma pessoa com capacidade de expor ideias, de formas mais ou menos felizes, mais ou menos assertivas, sobre assuntos mais ou menos polémicos, com que se concorda mais ou menos, ou mesmo nada, como já me aconteceu. Se é namorada de José Sócrates ou não, como a apelidam no Expresso e noutras capas de revistas, não tem qualquer interesse na avaliação que se faz do seu trabalho ou das suas opiniões. Não me consta que a sua relação com José Sócrates, que só a ela (e a ele) diz respeito tenha algo a ver com a sua performance profissional.

 

Como qualquer um de nós, independentemente da sua profissão, tem todo o direito de se pronunciar sobre um caso como o Freeport, que atinge a credibilidade do sistema judicial de um estado democrático, o nosso, assim como tem todo o direito de atacar o péssimo jornalismo dito de investigação que tem sido apanágio do ataque de carácter que diariamente se faz ao cidadão José Sócrates.

 

Declaração de interesses? Que tal defender o seu direito à opinião livre, sem ser atacada pelas suas relações pessoais?

 

De facto as pressões e as tentativas de censura existem, mas não aquelas que todos os dias se anunciam. A defesa do direito à honra e ao bom nome é uma obrigação de todos os que acreditam num estado de direito. Porque qualquer um de nós pode ser atingido pela lama.

 

Por amor a Sócrates

 

A namorada do primeiro-ministro tem sido um dos rostos mais visíveis das críticas ao caso Freeport
Habituada a polémicas, do aborto ao casamento homossexual, Fernanda Câncio, jornalista do “Diário de Notícias” e namorada de José Sócrates, tem-se destacado nos últimos tempos pelas críticas que faz à investigação judicial e jornalística do Freeport. 

A jornalista tem utilizado todos os meios onde escreve para atacar o processo em que o primeiro-ministro se tem visto enredado. Seja em textos de opinião no “DN”, no blogue onde escreve — o ‘jugular’ —, ou no Twitter — uma rede social que funciona como microblogue.

No entanto, foi a sua participação num programa da TVI24, que causou mais mal-estar no seu local de trabalho. No “A Torto e a Direito” (onde participa todas as semanas), Câncio criticou a investigação judicial, mas também a cobertura jornalística, que disse resumir-se a fugas de informação.

O Expresso sabe que, na sequência das declarações, Carlos Rodrigues Lima, jornalista que acompanha o caso no “DN”, enviou uma carta ao Conselho de Redacção e à direcção do jornal. No documento, Lima, que na redacção se senta a dois lugares de distância da colega, questiona se as declarações da redactora põem em causa o trabalho do jornal; e se se justifica que Fernanda Câncio continue a defender o líder do Executivo numa coluna de opinião sem que haja uma declaração de interesses.

Jornalistas contactados pelo Expresso revelam que com o caso Freeport houve uma mudança de atitude por parte da jornalista. Se até aqui Fernanda se mantinha à parte sobre tudo o que estivesse relacionado com Sócrates, agora não se coíbe de opinar sobre o tema, chegando a alertar os colegas para escreverem só após ver os documentos.
Ao Expresso, a jornalista não quis fazer comentários. No entanto, sublinhou que a investigação jornalística se reduz não só a fugas de informação, mas igualmente a “coisas parecidas com fugas de informação, já que não se sabe de onde vêm”. Filomena Martins, directora-adjunta do “DN”, não quis comentar o assunto.

Sobre a independência dos jornalistas, o ponto 10 do Código Deontológico é claro: “O jornalista deve recusar funções, tarefas e benefícios susceptíveis de comprometer o seu estatuto de independência e a sua integridade profissional. O jornalista não deve valer-se da sua condição profissional para noticiar assuntos em que tenha interesses”. A polémica já se estendeu à web. No Twitter, a jornalista defendeu as suas posições. Dirigindo-se ao jornalista Carlos Vaz Marques, que comentara o assunto, disse: “Mas se me quiseres provar por A+B onde está o jornalismo de investigação no caso Freeport, feel free. E quem diz no caso Freeport, diz no caso Maddie. Assim só para começo de conversa, mas, claro, pode apenas ser que o meu conceito de jornalismo de investigação e o teu sejam muito diferentes. (...) E aguardo serenamente que me expliques por que motivo eu não tenho uma opinião independente. Tipo, a que organização pertenço, para além do jornal onde trabalho, às ordens de quem estou, para além da direcção do “DN”.” Dias depois, Câncio bloqueou a maioria de quem a seguia no Twitter. Agora quem quiser seguir o que ela escreve, só com autorização da própria.

Desde o início do ano, com o reacender do caso Freeport, já se pronunciou várias vezes sobre o assunto. Depois das primeiras buscas a casa do tio de Sócrates, escreveu: “é sempre uma festa ver gente a ser acusada sem provas nem julgamento, vende jornais, sobe audiências, etc. Gosto desta forma de ver as coisas: seríamos todos mercenários.” Seguiu-se uma crónica na sua coluna de opinião no “DN”, a 30 de Janeiro, onde recorreu a “J’accuse”, de Émile Zola, para denunciar uma “campanha mediática abominável”. “Escrita como carta aberta ao Presidente de França, é um apelo indignado em nome de um inocente injustamente condenado, libelo contra um sistema judicial corrupto e uma opinião pública contaminada pela manipulação da verdade e pelos seus preconceitos (o condenado era judeu) através de uma campanha mediática ‘abominável’.”

Câncio não se ficou por aqui. Há uma semana, escreveu outro artigo de opinião sobre o assunto no “DN”. “Se o presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público denuncia a existência de pressões sobre os procuradores do caso Freeport que implicariam nem mais nem menos que a intervenção do Presidente, de duas uma: ou as pressões existem e nesse caso só se percebe que não tenham sido directamente comunicadas, como seria normal, à hierarquia da magistratura (...) ou trata-se de mais do mesmo, ou seja, uma acção tendente a adensar o clima de suspeição e alarme que rodeia o processo.”

Carolina Reis (Expresso, primeiro caderno, polémica, pág. 16) 

 

 

Declaração de interesses, de que os controleiros da moral e do politicamente correcto tanto gostam: 

  • não conheço a Fernanda Câncio, não sou sua familiar directa nem indirecta, nunca trabalhei com ela
  • não conheço José Sócrates, não sou seu familiar directo nem indirecto
  • não sou filiada em nenhum partido, nomeadamente no PS
  • não conheço nem faço parte de nenhuma estrutura partidária, como independente, simpatizante ou outras formas mais ou menos distantes, mais ou menos empenhadas
  • não exerço nem nunca exerci cargos políticos
  • trabalho a tempo inteiro na minha profissão
  • tenho cabeça para pensar e gosto de expor aquilo que penso

     

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:54


10 comentários

Sem imagem de perfil

De aires bustorff a 10.04.2009 às 17:28

Subscrevo a integra do que aqui é escrito
e como cidadão
agradeço as reflexões e informação ali reflectidas.
abraço
Sem imagem de perfil

De Miguel Barroso a 10.04.2009 às 19:11

De acordo numa coisa, a vida privada de Câncio é com ela.
De acordo noutra, pode opinar sobre o que quiser, estamos em democracia.
O artigo no Expresso peca por não chamar uma pessoa pelo seu próprio nome e referindo-se como sendo a namorada ou o primo ou o filho de...
Quanto ao resto...bem, aí o caso pia mais fino. Não concordo que Câncio seja boa profissional, não concordo que tenha capacidade de expor ideias, acho-a limitada, tendenciosa, medíocre. E outra coisa, uma jornalista deve ter cuidado com o que "opina"...
Sem imagem de perfil

De Ernestina a 10.04.2009 às 19:43

Completamente de acordo, Sofia.
Também eu posso assinar a mesma declaração de interesses. Com uma particularidade: somo muitos anos de profissão e conheço o meio - os métodos e os agentes. É por isso que esta campanha persistente e negra anti-Sócrates me indigna ainda mais.
Nenhum político na era democrática foi tão violentamente atacado. Na Ditadura, sim, havia assassínios de carácter de personalidades da Oposição, em pasquins como o "Agora", "Debate" ou "Diário da Manhã" , sem possibilidade de defesa. As vozes contra a corrente eram muito escassas. Só as dos corajosos, que arriscavam e por vezes sofriam as consequências.
Só conheço Fernanda Câncio pelas suas intervenções televisivas e pelo que escreve. O profissionalismo na abordagem dos temas e a sua combatividade em situações difíceis levam-me a ter muito respeito por ela.
Sem imagem de perfil

De A.Teixeira a 10.04.2009 às 19:56

Não deixa de ser curioso comparar a divulgação que é dada a este aspecto pessoal de Fernanda Câncio – todos sabem que ela é a namorada de José Sócrates – com a discrição com que os seus colegas costumam tratar os meandros das ligações dos membros da sua classe com a classe política.

É sempre em rodapés e em caixas de comentários que na, para outros assuntos sempre tão loquaz, blogosfera se fica a saber quem são os jornalistas que são casados com quem, que são agora assessores de quem e que foram assessores de quem…

Por outro lado e apenas para exemplo, não vejo substanciais mudanças entre o tratamento jornalístico dado a este caso Freeport e ao caso Esmeralda (hoje moribundo…) em que também a vi muito empenhada. Creio que será também de felicitar Fernanda Câncio pela evolução das suas opiniões quanto ao que se deve exigir em qualidade ao jornalismo de investigação…
Sem imagem de perfil

De mdsol a 10.04.2009 às 20:04

Subscrevo na íntegra, declaração de interesses incluída! Ao ler o "artigo" no expresso senti que qualquer coisa não está nada bem. Não sei adjectivar a prosa, muito menos o (des)propósito de tais linhas! Lembrei-me do quadro que publiquei ontem.

Parabéns mais uma vez.
Sem imagem de perfil

De JPN a 10.04.2009 às 21:05

gostei muito de ler este post .
Sem imagem de perfil

De paulo santiago a 10.04.2009 às 21:57

excelente post, e poderia assinar a declaração de
interesses
Sempre gostei de ler os artigos da Fernanda Câncio,
logo a começar pela GR,extinta há vários anos.
Considero-a acutilante,mas...independente.Não leio
com o preconceito de saber de quem é namorada,
posso concordar ou não,mas não vejo no que escreve
estar a fazer favores a alguém. Acho ser uma voz/
/escrita livre,completamente diferente do ressaibiado
do Crespo,da madame Guedes e do ex-maoista
Fernandes que gostam de chafurdar e salpicar com
lama.
Sem imagem de perfil

De dnemesio a 11.04.2009 às 11:30

Concordo consigo, Sofia. Parerece cada vez mais difícil encontrar alguém que não queira SÓ chafurdar na lama. Tdo isto é uma tentativa de condicionar a f.. Lamentável.
Cumprimentos.
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 11.04.2009 às 19:54

Obrigada a todos pelos comentários. Vale a pena poder dizer o que nos apetecer.
Sem imagem de perfil

De Olho a 15.04.2009 às 22:44

Não concordo em absoluto com o que diz
Acredito que a suposta relação com José Sócrates tem a ver com a sua performance profissional.

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2009
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2008
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2007
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D
  235. 2006
  236. J
  237. F
  238. M
  239. A
  240. M
  241. J
  242. J
  243. A
  244. S
  245. O
  246. N
  247. D
  248. 2005
  249. J
  250. F
  251. M
  252. A
  253. M
  254. J
  255. J
  256. A
  257. S
  258. O
  259. N
  260. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg