Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Sem dimensão

por Sofia Loureiro dos Santos, em 28.12.08

A crise instalou-se mais nos nossos hábitos e consciências do que na nossa realidade, pelo menos naqueles que, como eu, são privilegiados.

 

Em vez dos lamentos e dos agoiros, dos sustos e dos discursos, deveríamos perguntar-nos o que poderá cada um de nós fazer para que os serviços públicos sejam melhores e mais eficientes, para que usemos mas não abusemos do estado, para que o nosso esforço possa dar oportunidade a quem ainda a não teve. Em vez de olharmos as nossas supérfluas necessidades como essenciais, deveríamos perguntar-nos como poderemos empregar esses recursos em prol de quem luta todos os dias para ter o mínimo.

 

Tanta roupa dentro dos armários, tantos sapatos, malas, agasalhos, tantos telemóveis que se substituíram porque há uns que fazem mais um trilião de coisas que desconhecemos e nunca vamos usar, tantos brinquedos amontoados com que ninguém brinca, tantos papéis, tantos sacos, tanta gasolina desperdiçada, tantos doces, tantas lautas refeições que nos amolecem e aumentam, à volta das quais tecemos aturados comentários sobre a crise que aí vem.

 

Estamos em crise dentro de nós próprios porque não vemos aqueles que precisam ser vistos, nem usamos a nossa sorte para melhorar a sorte daqueles que a não têm. E esta é uma crise que não tem dimensão nem previsão de término.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:49


6 comentários

Sem imagem de perfil

De jrd a 28.12.2008 às 23:13

De acordo, desde que não se trate de brincar à caridadezinha, para descanso das consciências (tranquilas...)
Sem imagem de perfil

De Donagata a 29.12.2008 às 01:16

Deixaste-me a pensar. Fiquei até um pouco deprimida ao recordar as lautas refeições que protagonizámos aqui em casa enquanto, exactamente como referes, discutíamos a crise.

Contudo, pese embora o exagero de comida, de agasalhos, de calçado, de.... que admito que, porque sou privilegiada possuo, não sei de que forma posso reverter essa crise interior de que falas; essa que está aqui em nós. Porque eu até vejo o que me rodeia, até procuro intervir (não me estou a referir a gestos fortuitos de caridadezinha tão comuns nesta quadra)e, no entanto, ainda não encontrei forma que me satisfaça.

Vou continuando a tentar...
Sem imagem de perfil

De rui a 29.12.2008 às 01:30

nem mais! a crise é realmente interna e é dentro de cada um de nós que se encontra a saída.
Imagem de perfil

De Transdisciplinar a 29.12.2008 às 16:27

Não estará a exagerar, Sofia ? (Como sou um "pessimista antropológico fundamental" posso dar-me a este pequeno luxo de pensar, às vezes, que as coisas não são assim tão más...).
Sem imagem de perfil

De mar aravel a 29.12.2008 às 18:11


A Sofia é um enorme coração

e eu acredito que também em 2009

continue a ousar

rasgar marés contra todos os destinos improváveis

Bom ano

Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 29.12.2008 às 18:44

Obrigada a todos pelos comentários, talvez um pouco romanticamente exagerados...

Tudo menos caridade, zinha ou outra. Penso que o Estado tem obrigações e deveres e nós, para além dos impostos que devemos pagar, continuamos a ter obrigações e deveres para com os nossos concidadãos. Mas descansamos em várias desculpas que não são mais do que justificações para a nossa preguiça e para o nosso egoísmo. Acho que vale a pena pensarmos nisso e arranjarmos uma forma de contribuir um pouco mais para a felicidade colectiva. Para ser politicamente correcta - dar faz bem à saúde!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg