Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Agenda comunicacional

por Sofia Loureiro dos Santos, em 28.08.08

A criminalidade violenta, ou seja, a visibilidade da criminalidade violenta, é cíclica e sazonal, costuma acontecer nas férias de verão, e alterna com a intensidade dos incêndios e da área ardida.

 

Com falta de notícias sumarentas, sem bombeiros para falarem da inépcia dos governantes, nada melhor do que massacrar os cidadãos com os assaltos à mão armada, a ineficácia das polícias, a violência dos criminosos.

 

Claro que o PSD, também à falta de melhor ideias, pede logo a demissão do MAI. Sim, isto não se admite, se o ministro fosse Aguiar Branco, os ladrões e os assassinos já teriam mudado de país, ou ter-se-iam convertido à prática da caridade.

 

Melhor ainda esteve Cavaco Silva, que em vez de sossegar as pessoas que estão com a sensação de que serão mortas mal se acerquem de uma caixa multibanco ou encham o carro de gasolina, resolveu dizer que a onda de assaltos era uma coisa muito séria. O que não disse e devia dizer era que as medidas tomadas eram adequadas, que o aumento da criminalidade é sempre preocupante mas não é nada de espantoso, observando-se o que se passa no resto da Europa, e que os cidadãos podem confiar nas suas forças de segurança.

 

Claro que o responsável do Gabinete de Segurança, Leonel de Carvalho, apesar de afirmar que o crime aumentou cerca de 10%, nada catastrófico nem razão para tamanho alarido, sente que não tenho a categoria para que possa ser posto em causa por palavras do senhor presidente da República. Valha-nos Santo Ambrósio!

 

Mas a cereja em cima do bolo é José Magalhães mostrar disponibilidade para alterar o código do processo penal que, se não estou em erro, foi revisto em 2007!

 

E quem é que manobra a agenda política? É que parece que somos todos manobrados pela comunicação social.

 

 

Adenda:

 

(...) Em comunicado após a reunião, o Gabinete, que na quinta-feira tinha referido à agência Lusa que a criminalidade violenta tinha registado um aumento «ligeiramente acima dos 10%», refere ter analisado a evolução deste fenómeno, concluindo que registou um aumento de 15%.

De acordo com aquele organismo, apesar deste aumento, os números são inferiores a 2004 e 2006.

Por outro lado, a criminalidade participada cresceu 7% em relação a 2007, sendo o número global de crimes participados essencialmente idêntico ao dos anos de 2003 e 2004. (...)"

 

(bold e sublinhados meus)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:03


10 comentários

Sem imagem de perfil

De Pézinhos n' ... Areia a 28.08.2008 às 21:53

olhe que não, olhe que não, ... Cara Sofia.

mas para se ter a noção da verdadeira dimensão do problema, é preciso ser conhecedor do que se passa nas esquadras de polícia. Se todas as ocorrências viessem para a agenda comunicacional, talvez deixássemos até, ... de ter vontade de sair de casa.

é um facto que há sempre quem queira e aproveite a oportunidade para retirar dividendos políticos. quer seja do PSD, ou do PS, conforme as situações.

Em bom rigor, a situação está crescentemente preocupante.
Há muito tempo. E não apenas em Governo PS.

Uma alteração ao nível do Código Processo Penal, é absolutamente necessária.

Se está errado, porque não alterar ?

Eu vou lendo os magistrados, aqui e ali, na net, e há unanimidade quanto a isso.

os meus cumprimentos.
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 28.08.2008 às 22:53

Pézinhos n' ... Areia
Desconfio sempre muito destas ondas comunicacionais, que durante algumas semanas massacram e depois desaparecem e vaza a maré. Não digo que o aumento da criminalidade não seja preocupante, claro que é, mas não percebo a súbita e intensa preocupação, nomeadamente do Presidente.

Não tenho nada quanto a mudar a lei, mas o que me deixa preocupada é o número de vezes que as leis são alteradas e refeitas e revistas. Algo de estranho se passa.
Sem imagem de perfil

De antonio m p a 29.08.2008 às 10:08

Sofia, com esse nome e esse apelido, preferia concordar consigo, mas não me leve a mal que dê razão - quem sou eu?! - ao sr. pézinhos... Quanto à
mudança das leis, não incomoda desde que seja para melhor, para adequar à mudança da realidade - é esse o papel das leis.
É verdade que o aumento da criminalidade apresenta aspectos de sazonalidade, mas não é por isso menos grave.
Desculpe a extensão do texto. Melhores cumprimentos.
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 29.08.2008 às 22:27

O nome e o apelido não têm nada a ver com a concordância ou a discordância sobre o que digo, António M P.

Mas respondo-lhe com uma parte desta notícia:

"(...) Em comunicado após a reunião, o Gabinete, que na quinta-feira tinha referido à agência Lusa que a criminalidade violenta tinha registado um aumento «ligeiramente acima dos 10%», refere ter analisado a evolução deste fenómeno, concluindo que registou um aumento de 15%.

De acordo com aquele organismo, apesar deste aumento, os números são inferiores a 2004 e 2006.

Por outro lado, a criminalidade participada cresceu 7% em relação a 2007, sendo o número global de crimes participados essencialmente idêntico ao dos anos de 2003 e 2004. (...)" - link : http :/ clix.visao.pt Pages /Criminalidadeviolentaaumentoucercade15.aspx

Estou de acordo em que se devem mudar as leis para melhor. Mas não percebo como é que as leis são mudadas tantas vezes, sem que haja sequer tempo de elas entrarem em acção. Que juristas temos nós?
Sem imagem de perfil

De antonio m p a 30.08.2008 às 05:19

Claro que o nome e o apelido não têm nada a ver com a concordância ou a discordância sobre o que diz. Foi apenas uma ironia que tomei a liberdade de tomar na suposição de que, pretendendo ser simpática, não seria abusiva. Desculpe se foi. E obrigado pela sua resposta à questão que interessa.
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 30.08.2008 às 12:16

Não achei a ironia abusiva. Se calhar a minha própria ironia não foi conseguida.
Sem imagem de perfil

De carlosbarbosaoli a 29.08.2008 às 18:27

Subscrevo integralmente a sua análise. à falta de fogos reaias, a comunicação social ateou o fogo dos asssaltos dando-lhe uma proporção por vezes ridícula. Na 4ª feira, no jonal da SIC da meia-noie, repetiram três vezes a "onda de assaltos "do dia Não só é massacrante, como também vergonhoso.
Quanto à atoarda do José Magalhães, parece que já o mandaram calar. Parece!
Imagem de perfil

De Transdisciplinar a 30.08.2008 às 15:14

Já por várias vezes manifestei o meu apreço pelos seus posts , que considero muito certeiros.
Hoje escrevo para referir a minha concordância com AS SUAS RESPOSTAS a dois dos comentários que lhe fizeram. (Desculpe as maiúsculas mas, como sabe, nos comentários não temos bolds nem sublinhados...)
Sem imagem de perfil

De Donagata a 30.08.2008 às 17:24

Concordo inteiramente com tudo o que dizes no post e também nas respostas a alguns dos comentários.

Infelizmente o bom senso desapareceu totalmente da nossa comunicação social que tem que empolar situações relativamente normais, embora algo preocupante e de atender, com vista a "vender".
Por outro lado, não muito melhor parecem estar os nossos políticos que não sabem muito bem como reagir perante estas "ondas". Se não sabem, inibam-se de reagir; pelo menos com pataquadas...
Imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 30.08.2008 às 22:22

Obrigada à Donagata e ao José Carlos. Ninguém se lembra das ondas de criminalidade dos anos de 2006 ou de 2004 porque deveria haver tsunamis de incêndios...

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg