Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

O Estado dos pobres

A proliferação dos privados na saúde apenas aumentam a liberdade de escolha para quem a pode pagar. Ao deixar de ser universal o SNS retira-se para os mínimos, deixando ao Estado o papel de caridoso protector dos pobres, a quem basta pouco e a quem pouco tem para oferecer.

 

A história recente demonstrou sem margem para dúvida que os privados são muito mais eficientes do que o Estado a gerir recursos nas mais diversas áreas de actividade, incluindo a Saúde. - (editorial do DN de hoje).

 

Não sei onde está a demonstração desta eficiência. Nem sei onde está a demonstração do contrário. O que sei é que sistemas de saúde predominantemente privados, tal como o que existe nos EU, não servem as populações, tais como os cheques ensino não melhoram as oportunidades de quem tem menos poder económico, apenas perpetuam as hierarquias sociais, pois uns têm capacidade para chegar aonde outros não podem.

 

A concorrência com o sector privado é benéfica desde que não se entenda que o Estado é o estado dos pobres. Para quem está sempre a dizer que não há diferenças entre esquerda e direita, aí estão as opiniões de Ferreira Leite e de Passos Coelho sobre o SNS para as perceber.

5 comentários

Comentar artigo