Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Respeito

As últimas sondagens mostram um decréscimo das intenções de voto no PS e em Sócrates e um aumento das intenções de voto no PSD e em Luís Filipe Menezes.

Não espanta a ninguém que isto suceda. Mas é preocupante, se concordarmos com a interpretação de que a descida da popularidade de Sócrates arrasta a descida do PS.

Este governo tinha (e tem) uma tarefa hercúlea pela frente: um défice enorme e a ameaça da espada do Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC), a reforma da administração pública (que todos os partidos acham indispensável mas nenhum a tentou), a sustentabilidade da segurança social e do serviço nacional de saúde, a reforma do sistema educativo.

É verdade que muita coisa tem sido feita. Mas muito mais tem sido dito que se vai fazer. Por outro lado, falta uma avaliação séria das medidas entretanto implementadas, principalmente aquelas que poderão ter mais consequências negativas no bem-estar da população, mesmo que só aparente.

Onde está a avaliação da reorganização dos serviços de urgência, dos blocos de parto, do reforço do INEM, da reestruturação dos cuidados primários de saúde, da implementação dos cuidados continuados?

Onde está a avaliação das alterações o sistema educativo, desde a do estatuto da carreira docente, à contratação dos profissionais por 3 anos, às aulas de substituição, à reforma do ensino da matemática e do inglês, até aos resultados dos exames nacionais?

O desemprego aumenta, como sempre nos disseram que seria de esperar. Mas as promessas eleitorais, ainda por cima em matéria tão sensível como esta, devem ser cumpridas, assim como justificadas as faltas de cumprimento.

Respeito. A falta de respeito nunca é perdoável. Sócrates e o PS devem respeito aos seus concidadãos. Sócrates deve ouvir e explicar, avaliar e reconhecer, preparar-se para o embate com o rei da inutilidade e do ruído de fundo que é Santana Lopes, não com irritação, paternalismo e condescendência, mas com a verdade dos factos e a segurança das suas ideias sobre o país.

O cumprimento das promessas eleitorais é um dos factores mais exuberantes da demonstração do que é o respeito, em termos políticos. O referendo ao tratado de Lisboa pode ser uma oportunidade para mostrar esse respeito por quem nele acreditou. Não bastam palavras nem boas intenções.

Este é o momento de viragem. Sócrates pode optar pela continuação do autismo e da arrogância governativas, que o levarão à derrota nas eleições de 2009, ou pela retoma dos valores de respeito por quem governa e de determinação para corrigir o que deve ser corrigido.

Eu ainda não me esqueci de Santana Lopes, de Durão Barroso ou de Guterres. Espero que Sócrates também não.

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.