Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Arthur & George

Este é um livro com vários livros dentro.

É a biografia de Arthur Conan Doyle, um homem feito para ser um herói romântico, que vive e procura a aprovação das mulheres da sua vida, desportista, médico, escritor (criador de Scherlock Holmes) e crente no espiritismo e ocultismo.

É a biografia de George Edalji, filho de indianos, míope em vários sentidos, que acredita no poder da lei, na justiça da lei, na lei como veículo da cultura inglesa, no respeito e conhecimento da lei como passaporte para o reconhecimento da sua capacidade (e vontade) em ser inglês.

É a história de um encontro entre dois seres tão diferentes, a sua amizade e o modo como se influenciaram mutuamente, alterando o percurso das suas vidas.

É uma história de amor, do amor filial, do amor a Deus e do seu desamor, do amor a um modo de vida, do amor patriótico, do amor platónico, do amor paternal, do amor por causas, do amor por si próprio.

É uma história policial, em que se pretende desvendar um mistério que levou a um erro judiciário.

É uma história que demonstra o autismo a que podem chegar as corporações, de preconceitos e ideias feitas, da falta de assunção de responsabilidades por parte dos vários poderes, do judicial ao político.

Tudo muito bem escrito, muito sóbrio, diria mesmo totalmente inglês.

(capa do livro Arthur & George, de Julian Barnes)

2 comentários

Comentar artigo