Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

À beira do abismo (2)


Começo a cultivar o espaço,
de livros, de flores,
de mim.

Nem pássaros, nem rimas,
letras que se posicionam,
como lhes apetece.

A janela vê mais
do que mostra,
de mim.

(pintura de Ndambo)

O mundo está inquieto, ansioso, perigoso. O clima está afectado, a poluição aumenta, os pobres são muitos, cada vez mais, cada vez mais pobres, multiplicam-se doenças potencialmente catastróficas, a fome mantém-se a mais catastrófica. Quando se descrê da vida, passa a crer-se na morte e os moderados tornam-se fanáticos.

O mundo que nós conhecemos, nós, os privilegiados, está à beira do abismo. O resto do mundo continua no abismo, mesmo que o defenda.

Saberá alguém como evitá-lo? Ou transformá-lo?

Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.