Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Chernobyl

por Sofia Loureiro dos Santos, em 26.04.06

O acidente na central nuclear de Chernobyl, há 20 anos, transformou em medo tudo o que diga respeito à energia nuclear.

Claro que continua a haver armamento nuclear, claro que o poder continua a ser proporcional à possibilidade de construção de armas nucleares. Mas na realidade, há um manto diáfano e obscuro de medo e sensação de assunto intocável quando se fala em energia nuclear.

É óbvio que a ciência evoluiu muito em 20 anos e que não há verdades inamovíveis, é óbvio que as condições das centrais mais modernas são outras, é óbvio que o regime ditatorial que existia na antiga União Soviética impediu que a informação fosse mais veloz e que a ajuda exterior fosse mais eficaz (também no caso do acidente no submarino Kursk, bem mais recente, os mesmos “tiques” se notaram). Bem a propósito vem um artigo assinado por Mikhail Gorbatchov, no "Público" de ontem, em que afirma que o que verdadeiramente fez desmoronar a União Soviética foi a catástrofe de Chernobyl.

Para além de todas as consequências imediatas e de médio prazo a que se assiste, nomeadamente ao enorme aumento de incidência de neoplasias malignas da glândula tiroideia e de outras neoplasias, de patologias da gravidez com hemorragias, descolamento placentar e atraso de crescimento intra-uterino, o que mais assusta é que ainda ninguém sabe como resolver o problema do sarcófago que envolve o reactor, nem quais as consequências a longo prazo, para já não falar do enorme esforço económico sem limite temporal visível.

E parece que a substituição do petróleo pela energia nuclear não resolve minimamente a dependência crescente do petróleo a que o mundo está sujeito, porque não há alternativas para combustível para os meios de transporte.

A opção ou não pela energia nuclear deve ser discutida a sério, sem enfiar a cabeça na areia, e sem perder de vista problemas técnicos ainda irresolúveis, como o lixo nuclear e, mais importante e mais preocupante, como impedir e estancar as consequências de um acidente semelhante ao de Chernobyl, que pode voltar a acontecer.

Infelizmente, em Portugal, o assunto está a ser abordado porque um senhor chamado Patrick Monteiro de Barros quer fazer uma central nuclear! Ainda não ouvi ninguém dizer quanto é que se poupa em divisas, qual a percentagem de energia que poderia ser substituída, qual o preço a que pagaríamos a electricidade, aonde se faria, quais os riscos e quais os planos de contingência na hipótese de um acidente nuclear.

Será que o Patrick Monteiro de Barros sabe responder?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:45


2 comentários

Sem imagem de perfil

De Sofia Loureiro dos Santos a 27.04.2006 às 21:17

A memória deve manter-se estimulada. Há vários momentos, ou ocasiões, que não devemos esquecer, que devem obrigatoriamente constar de visitas de estudo ou peregrinações: campos de concentração (de todos os tipos!), Chernobyl...
Sem imagem de perfil

De marta r a 27.04.2006 às 14:07

Eu acho que devia ser obrigatório uma visita a Chernobyl para quem pretende investir no negócio da energia nuclear... Para não repetir erros do passado com custos humanos tão elevados!

Comentar post



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg