Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Que sejamos felizes

(reloaded)

por Sofia Loureiro dos Santos, em 31.12.21

2022.jpg

No último dia de 2021 fazia um post assim titulado.

Há uma nuvem que perpassa por 2020 e 2021. Quase parece que os anos estão congelados, suspensos, tanto como suspendemos e congelámos as nossas vidas.

No último dia do último ano também tínhamos umas eleições perto. Essas previsíveis, enquanto as próximas o são menos.

Imprevisibilidade, é mesmo a palavra que me ocorre quando penso no ano de 2022.

Porque vou aprendendo, à medida que os anos passam, que tudo pode mudar de um momento para o outro, que o que sabemos certo pode transformar-se no incerto.

Perigosos tempos os que passamos.

Que sejamos felizes, É mesmo o que mais importa. Que sejamos felizes nós por fazermos felizes os outros.

Até para o ano.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 19:37

60 pinguins

por Sofia Loureiro dos Santos, em 28.12.21

60 anos.jpg

Alguém me parabenizou com uma imagem de 60 pinguins.

Mesmo sem explicar o que esta piada privada significa, fica bem de ver que os 60 anos vierem ter comigo, ou eu deixei de fugir deles.

É realmente muito. Não sei porque são iguais aos 50 e, se calhar, também aos 40.

Os anos passam e eu sinto-me igual, com a excepção dos dias em que me sinto com 1000. Para mais, os últimos (2020 e este) não existem na minha mente, embora tenha a certeza de que irão perdurar na minha memória.

Muito obrigada a todos quantos se lembraram de mim, neste dia que acaba por ser sempre um marco, e ao qual atribuímos significados que, na maioria das vezes, não têm significado nenhum.

Para o ano haverá mais..... espero.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:01

Boas Festas

por Sofia Loureiro dos Santos, em 24.12.21

cartao natal 2021.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:16

Dormências

por Sofia Loureiro dos Santos, em 19.12.21

HARRIE FASHER.JPG

Harrie Fasher

 

Olho para o dia como sucessão de segundos

cada qual mais longínquo e inatingível.

Deslaçado o corpo e dormente a alma

arrasto a vontade de alargar as brumas da noite

fumos cinzentos mantos pesados

uma diáfana impalpável realidade virtual

que vai protelando transferindo adiando

desde o imperceptível estremecer da madrugada.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:17

Cadernos de Dominguizo

por Sofia Loureiro dos Santos, em 12.12.21

cadernos de dominguizo.jpg

A minha amiga Ana Marques Pereira é uma mulher extraordinária.

Não só como clínica, rigorosa, competente, empática, informada (tratam-se doentes, não doenças), com quem tive o privilégio e o prazer de trabalhar durante alguns anos, mas também como pessoa interessada na vida, na História, nos livros, nos manuscritos, na arquitectura, nos objectos, nos ingredientes, na indústria, enfim, em tudo o que se relacione com cozinhas, gastronomia e alimentação humana ao longo da História.

Interessada e interessante, consegue verter os seus conhecimentos para vários livros e conferências, cursos e palestras, com a animação de quem está a contar uma história policial, com a erudição e a simplicidade de quem sabe, de facto, muito.

Também com ela partilho o gosto pelos policiais e pelos heróis de Agatha Christie. Talvez esse gosto tenha sido uma das razões pela escolha da Medicina como profissão - a procura do diagnóstico através das várias pistas que são os sinais e os sintomas, o relacionar tudo isso, o conhecer o corpo e também a personalidade do doente que nos conta, saber escutar e fazer as perguntas certas.

Pois a Ana Marques Pereira lançou ontem mais um livro interessantíssimo - Cadernos de Dominguizo. É um livro que relata a forma como descobriu imensas coisas sobre uma abastada família da Beira Baixa (séc. XIX) através de 2 cadernos de receitas manuscritos, que tinha comprado há já bastante tempo.

Uma verdadeira história policial, cheia de pistas que se vão estudando e esgotando, cheia de conhecimento, referências, citações e explicações, bem contada, num livro lindo e muito bem feito.

Parabéns a ela e a quem com ela trabalhou para que o livro se transformasse numa realidade. E a Alexandra Prado Coelho que tão bem o comentou.

E não se esqueçam! Se também escreverem à mão as vossas receitas culinárias, não se esqueçam de as compilar, dar-lhes um título, assinarem e datarem! 

Aqui está uma bela surpresa de Natal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 21:03

Arroz de Natal....

.... ou frango desnudo e desfeito, em cama de legumes variados, cogumelos e arroz agulha

por Sofia Loureiro dos Santos, em 12.12.21

frango a fugir.jpg

 

Arroz de frango ou de pato? De peru ou de marisco?

Arroz ou massa? Estrelinhas ou lacinhos? Ou esparguete?

Frango inteiro ou algumas partes? Cozido e desfiado ou guisado e inteiro?

Com legumes ou com chouriço? Com farinheira? Morcela? Ou com ervilhas e milho?

Com tomilho ou com coentros? Com salsa? Com aipo?

Mas que dúvidas existenciais.

Mas que indecisões incomensuráveis.

Mas que insatisfação inexcedível.

 

Inovemos:

Frango desnudo e desfeito, em cama de legumes variados e cogumelos, envolvido por arroz agulha e polvilhado de coentros.

 

Cozer muito bem 2 membros inferiores de frango e 2 peitos, sem peles, em água com sal, pimenta, aipo, cenoura, alho, louro e um pouco de cebola. Reservar o frango e coar a água.

Refogar cebola, alho, pimento vermelho, um pedacinho de gengibre, cogumelos, aipo, couve coração e um pouco de bacon em fatias, com azeite, sal e pimenta. Depois de tudo já bem refogado e ligado, deitar lá para dentro o frango desfiado, arroz agulha e a água de cozer o frango (a água é sempre o dobro do arroz).

Depois do arroz já pronto, polvilhar com coentros (afinal foi salsa) aos bocadinhos.

Servir e comer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:06

Vento Sardo

por Sofia Loureiro dos Santos, em 01.12.21

Marisa Monte & Jorge Drexler

 

Vento que levanta a onda

Que carrega o barco

Que ondula o mar

 

É o mesmo que vai dar na praia

Que levanta a saia

Rodada de oiá

 

Hay tiempos de andar contra el viento

Cuando el contratiempo comienza a soplar

Então o vento que é de aragem

Bate no varal pra me dar coragem

 

O vento que vem de longe

Quem sabe da fonte do vento solar

O vento que é o movimento do ar

 

Vamos levantar a vela

Abrir a janela

Ventilar a dor

 

Vamos a nombrar al viento

Celebrar su aliento

Purificador

 

Pampero, Terral, Tramontana,

Alisio, Santana, Siroco, Mistral

 

Levante, Minuano y Cierzo

Y mil más que el verso quisiera nombrar

 

Às vezes o vento muda

Sai batendo a porta faz tudo voar,

O vento é o temperamento do ar

 

Sopro

Sopra

Soprará

 

Sopro

Sopra

Soprará

 

Vento que levanta a onda

Que carrega o barco

Que ondula o mar

 

É o mesmo que vai dar na praia

Que levanta a saia

Rodada de oiá

 

Hay tiempos de andar contra el viento

Cuando el contratiempo comienza a soplar

Então o vento que é de aragem

Bate no varal pra me dar coragem

 

O vento que vem de longe

Quem sabe da fonte do vento solar

O vento que é o movimento do ar

 

Sopro

Sopra

Soprará

 

Soprará

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 16:57

Direi sempre que sim

por Sofia Loureiro dos Santos, em 01.12.21

direi sempre que sim.JPG

(Ask again, yes)

Duas famílias que vivem lado a lado e que uma tragédia separa. No entanto, alguma coisa de muito forte mantém as mantém unidas, ao longo dos anos em que não se vêem.

Uma história atravessada por uma imensa tristeza e melancolia, mas ao mesmo tempo de esperança, em que se celebra o amor como a cola dos cacos em que nos vamos transformando.

Gostei muito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 14:50

Realidade virtual

por Sofia Loureiro dos Santos, em 01.12.21

Não sei mesmo que sociedade estamos a construir.

O anúncio de Natal deste ano, da NOS, é bem exemplificativo de como incentivamos o desligar da realidade.

Nada serve, nada estimula, nada completa o desejo de uma criança (filha única, com pais a que não faltam recursos económicos, numa idílica casa no meio da neve) a não ser o que não há. Apenas com isso ela se satisfaz.

A perfeição do mundo está na nossa imaginação. Mas neste anúncio o mundo é um holograma do que não há.

Que mensagem é esta? Como a conseguimos incluir na retórica do Natal, para não dizer no espírito do mesmo?

Estranho. E assustador.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:35

"A urgência da bondade"

por Sofia Loureiro dos Santos, em 01.12.21

Desde ontem que esta frase não me sai da cabeça.

Ouvi-a, por acaso, num programa da Antena 1, a propósito do Natal, e foi dita por Joel Neto.

Nada de mais simples e difícil: a bondade.

Por isso urgente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:32

Pág. 1/2



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg