Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ser Mortal

por Sofia Loureiro dos Santos, em 15.08.21

ser mortal.JPG

Atul Gawande

 

Somos mortais embora cada vez nos lembremos menos disso. E deixamos cada vez mais de aceitar essa inevitabilidade.

Para a nossa sociedade e principalmente para nós, médicos, que encaramos a profissão como a obrigação de vencer a morte e, quando já não é possível, de a adiar, o envelhecimento não é mais que uma soma de disfunções das várias partes do corpo que são encaradas cada uma por si e não como um todo, em vez do normal e inevitável processo de nos irmos aproximando do fim.

Por isso, à medida que os nossos familiares, amigos ou nós mesmos, começam a ter dificuldades na mobilidade, a lentificar as reacções, a perder a memória, a cair, quando os nossos órgãos e sistemas se começam a desligar, a gastar todos os backups existentes, não aceitamos essa realidade e, em nome da segurança e da necessidade de viver, sempre mais e mais, utilizamos os conhecimentos técnicos para fazer mais qualquer coisa sem cuidar que é disso mesmo que precisamos, que é isso mesmo que queremos.

Em nome da vida tornamos a vida daqueles de quem cuidamos, pessoal e/ ou profissionalmente, num somatório de entradas e saídas do hospital, infantilizamos as suas vidas e proibimos-lhes aquilo que mais define o ser humano - a sua liberdade, a tomada de decisão, a privacidade.

Lares e casas de repouso que tudo proíbem, que homogeneízam as refeições, as horas de levantar e deitar, os quartos, as mobílias, as companhias, intervenções médicas e cirúrgicas que muitas vezes são a forma de apaziguarmos o medo e a incapacidade de encarar o inevitável e de o preparar, esticando a possibilidade de estender a existência com o objectivo desta ser o que queremos, mesmo com limitações, mas sem nos transformarmos num fardo para nós e para os outros.

Atul Gawande escreveu Ser Mortal com a ternura e a coragem de quem quer ser mais do que um médico que informa, mas transformar-se num médico que ajuda. Talvez tenhamos que aprender a olhar o fim da vida de outra maneira, a escutarmos e a deixarmos falar quem queremos tratar. A felicidade tem muitos matizes e é diferente para cada um de nós. A sensação de utilidade, de um compromisso com os outros, de amar e ser amado, de poder manter a individualidade, a privacidade e a capacidade de decidir, deveria ser o próximo passo na humanização dos cuidados de saúde. 

Um livro indispensável.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 16:45

O vazio inicial

por Sofia Loureiro dos Santos, em 11.08.21

Kim Hoa Tram.jpg

Kim Hoa Tram

(2005)

 

O vazio

inicial o susto do indizível

o risco secreto o medo do gesto

a mão que hesita a sombra o fundo

o silêncio a terra em suspenso

o morno acordar da palavra

o poema.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 10:24

Crónicas de Ronda (2)

por Sofia Loureiro dos Santos, em 07.08.21

Mas as revelações de Ronda não se ficaram por aí.

ronda ponte nova.jpg

Ronda - Ponte Nova

 

O Parador fica numa das vertentes da enorme falésia que divide a cidade, unida por 3 pontes, sendo a Ponte Nova a que fica mesmo ao pé. Durante a Guerra Civil de Espanha assassinavam-se os inimigos de ambos os lados, deitando-os da ponte abaixo. Hemingway ter-se-á inspirado nesses episódios usando-os no livro Por quem os Sinos Dobram. Também Rainer Maria Rilke e Orson Welles passavam lá várias temporadas, conferindo a Ronda a aura de uma cidade de intelectuais e artistas.

parador ronda.jpg

Parador de Ronda

 

A Ponte Nova, construída entre 1751 e 1793 (após o colapso da sua antecessora em 1741), é a mais alta das 3 pontes que unem a falésia e fica a uma altura de cerca de 100 m. É lindo e assustador. A minha acrofobia batia palmas de satisfação por tamanha dimensão de desfiladeiro. Em baixo da ponte, com acesso por uma estreitíssimas escadas com um corrimão de metal que descia ao longo da falésia, ficava o centro de interpretação da ponte, abaixo de um dos arcos, numa antiga prisão. Não o visitámos, com grande pena minha, mas não fui capaz de descer as escadas.

A praça de touros de Ronda é uma das primeiras construída em pedra e tijolo, para que fosse definitiva, ao contrário das habituais construções em madeira que se desmontavam após as touradas.

praca touros ronda.jpg

Praça de Touros - Ronda

 

Decidimos visitar os banhos árabes, que ficam junto à ponte romana, na base do desfiladeiro. Não sabíamos o que nos esperava. Se a calçada portuguesa é perigosa, imaginem uma calçada andaluza, feita de pedras irregulares, que se encaixam irregularmente, com bicos irregulares, enfim, tudo do mais irregular que possa existir, bem deslizante pelo tempo e por milhões de pés e sapatos a desgastá-la. As ruas em declives acentuadíssimos, com corrimões de metal que escaldavam ao sol, os nossos corpos rotundos e desequilibrados tacteando a medo o caminho, numa descida periclitante e infernal, na iminência permanente de uma escorregadela e um monumental rebolar sem fim até às pedras dos ditos banhos.

Não sei como lá chegámos, sãos e salvos. Parámos para recuperar as forças, principalmente anímicas, para fazermos o caminho de volta. Os banhos estão muito bem conservados e relativamente mais frescos que o resto de Ronda. Há um vídeo explicativo da forma como funcionavam, muito interessante.

banhos arabes ronda.jpg

Banhos Árabes de Ronda

 

À volta iniciámos o mesmo calvário. Cruzámo-nos com outros turistas da terra, uma senhora em pânico, com umas sandálias totalmente desadequadas, prometendo pés torcidos e grandes sustos, a gritar Madre mia para quem a quisesse ouvir, mas a madre dela não a ouvia. A certa altura descobrimos uma alternativa feita de escadarias gigantescas, mas menos perigosas, que subimos lentamente, até chegarmos ao paraíso, encharcados de suor e alívio.

Aventura de que saímos vivos, ainda não sei bem como. Mas contentes e felizes, sem dúvida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 23:15

Crónicas de Ronda (1)

por Sofia Loureiro dos Santos, em 07.08.21

Chegámos a Ronda com a ideia de passar por uma livraria, pois tinha acabado de ler o livro que me acompanhava desde o início destas parcas férias – Terra Alta, de Javier Cercas.

terra alta.png

Livro bastante interessante, que marca uma incursão de Javier Cercas na literatura policial, com a assinatura de um novo herói – Melchor Marín. Não foi dos que mais gostei, embora me tenha prendido do princípio ao fim. Personagens bem marcadas e marcantes, enredo bem desenvolvido e credível. O fim foi um pouco forçado. Dá a sensação que Javier Cercas se cansou do livro e resolveu despachar a conclusão.

Como tenho lido pouco, porque chego ao fim do dia como se me tivessem desbastado a superfície com raladores de cenouras e mal me recosto adormeço, mesmo que depois leve a noite às voltas e reviravoltas, nas férias aproveito para recuperar um pouco o enorme prazer da leitura. Por isso quando me vi sem literatura, tremi.

A internet tudo sabe e resolve, portanto procurámos uma livraria em Ronda e caminhámos até lá. Mais precisamente uma Librería-Papelería. Mas de librería não tinha nada, só de papelería de revistería e de periodoquería. Com o sol a pique e um bafo incrível, fomos em direcção ao Parador, procurando sombras ou cafés onde pudéssemos descansar do calor, quando nos deparámos com outra papelería.

E havia livros, verdadeiros, com capa rija e capa mole, de colecções de bolso e outras, predominantemente em castelhano mas também em inglês. Autores que conhecia, poucos, desconhecidos, muitos. Encontrei vários de Javier Cercas, mas já tinha lido, tendo visto um de Arturo Pérez-Reverte que me dispunha a experimentar ler no original.

Mas eu tenho muita sorte e alguém que gosta muito de mim. Descobriu outros mostradores com outros livros, um dos quais também de Javier Cercas – Independencia. Nunca tinha ouvido falar e fui ver as badanas.

independencia.jpg

Nada menos que o último livro dele, saído em Março deste ano, e a continuação de Terra Alta, com o mesmo Melchor Merín y sus compañeros Mossos d?Esquadra!

Ronda estava a começar bem. Mais sorte é difícil (já o devorei, mesmo em castelhano - é muito melhor que o primeiro)!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:56


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg