Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Dinossauro

Mário Nogueira pode orgulhar-se do seu poder. Durante anos e anos tem mantido os professores na crista da onda, chantageando todos os tipos de governo, sejam eles de direita, esquerda ou do centro, e transformando os professores numa poderosíssima corporação dentro da função pública.

 

Ele manifesta, ele confronta, ele determina, ele interrompe, ele exige.

 

E António Costa, pela forma como se deixou levar para a discussão de rua, desautorizando o seu Ministro da Educação que também não parece importar-se com a sua evidente incapacidade e inutilidade políticas, reconheceu a Mário Nogueira, esse dinossauro do sindicalismo, o seu poder.

Aldrabices

Retrato_oficial_Assuncao_Cristas.jpg

Ministra da Agricultura e do Mar

XIX e XX Governos

 

Os membros dos governos deixaram a linguagem pomposa e formal para adoptarem uma postura que roça o grosseiro. Confesso a minha veia reaccionária ao não gostar desta pseudo democratização da linguagem. Não gosto de grosserias de ninguém e não me parece que ajudem a imagem dos nossos representantes.

 

Assunção Cristas, nesta nova elegante moda, disse que os professores foram aldrabados pelo governo. Não vale a pena os desmentidos já feitos pelos responsáveis governamentais. Não interessa se é verdade ou mentira, conceitos que deixaram de fazer sentido nesta nossa era de factos alternativos. Mas igualando a Presidente do CDS/PP, convém lembrar as aldrabices de Assunção Cristas, que se tem revelado uma bela aldrabona, sendo a maior delas a capacidade que tem de desdizer tudo o que defendeu e fez o governo de que ela fez parte, tal como outros membros do seu partido.

 

O CDS/PP fez parte integrante do XIX governo (que nos desgovernou entre 2011 e 2015). E eu ainda não me esqueci das aldrabices com que alcançaram e pretendiam manter o poder, desde a promessa de não cortar o subsídio de Natal à devolução da sobretaxa pré-eleitoral. 

Um dia como os outros (186)

UmDiaComoOsOutros.jpeg

(...) Daí que sejam socializados para existir por direito próprio, para viver o corpo como seu, para olharem em vez de serem olhados, para desejar em vez de serem desejados, para agir em vez de serem "agidos". Ao contrário, as mulheres são-no para depender da apreciação e valorização de outrem, sentindo sempre sobre si, em perpétua vigilância, um olhar que julga. Um olhar enxertado no seu: desde crianças, aprendem a existir como corpo sitiado, expropriado por regras e vontades alheias - que ocupam mas lhes não pertence. (...)

 

Fernanda Câncio

O mundo virado do avesso

new york times.jpg

 

 

Não tenho sido muito assídua a escrever no blogue. Não porque não me interesse pelo que vai acontecendo, mas porque tenho cada vez mais a noção da irrelevância do que possa dizer.

 

Há, no entanto, algumas coisas a que não posso deixar de reagir, como ao que se está a passar nos Estados Unidos da América. Já não sei como escandalizar-me, pois gastei as palavras que conheço para me espantar e desgostar. Como é possível que uma pessoa como Donald Trump tenha chegado à presidência daquele país, é uma pergunta para que não encontro resposta.

 

texto de opinião anónimo que saiu no New York Times sobre a resistência dentro da Administração americana é muitíssimo importante pelo que revela, mas também pelo que significa em termos da discussão do jornalismo e da ética do mesmo.

 

Mas de uma coisa estamos certos - Donald Trump é um perigo para os Estados Unidos e para o mundo. Se apenas o suspeitávamos, agora temos a certeza.

Na toca

toca.jpg

Parque do Piauí

 

1.

Basta um toque

a morna quietude do abandono

para que a primeira realidade

seja a felicidade

do teu amor.

 

2.

A vida regular e normalizada

café da manhã espreitar os jornais

deliciar-me com um dia pacato

pacatez de um oceano

mediania da existência

sem ondas nem plano.

 

3.

Ainda faltam

as costumeiras andanças de domingo.

Ainda não é meio-dia.

Ainda posso sonhar com vastos mundos

de cabeça vazia.

 

Pág. 2/2