Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

O charme discreto do cinema britânico

 

Discreto, sóbrio, profundamente humano e contido, The Children Act é um excelente filme.

 

Down by the Salley Gardens

 

Down by the Salley Gardens

my love and I did meet;

She passed the salley gardens

with little snow-white feet.

She bid me take love easy,

as the leaves grow on the tree;

But I, being young and foolish,

with her would not agree.

 

In a field by the river

my love and I did stand,

And on my leaning shoulder

she laid her snow-white hand.

She bid me take life easy,

as the grass grows on the weirs;

But I was young and foolish,

and now am full of tears.

 

William Butler Yeats

 

Descrédito a expensas próprias

expresso 14092018.JPG

observador 14092018.JPG

 

 

Mais uma vez os jornalistas e os jornais prestaram um péssimo serviço à sua própria credibilidade. No fim de semana passado o Expresso e o Observador, em grandes manchetes, asseguravam a iminência da recondução de Joana Marques Vidal. E fazendo as vezes de papagaios acéfalos, vários outros jornaistelevisões o repetiram.

 

Depois do duche gelado que foi a publicação da nota da Presidência da República sobre a escolha de Lucília Gago para o cargo, nem o Expresso nem o Observador, nem qualquer dos outros que fez eco das fake news, teve a decência de admitir o engano e explicar porquê. Honra seja feita ao DN que não se deixou levar na enxurrada. Grande editorial, o de Ferreira Fernandes.

 

Passos Coelho rompeu o silêncio para destilar azedume e insinuações sobre o Primeiro-ministro e o Presidente da República. A palavra decência que tanto usa no texto, não fez ressonância no seu próprio carácter. Rui Ramos adoptou a linguagem revolucionária da direita mais radical, lamentando-se da noite das facas longas do regime. Não é que me surpreendam, mas custa ver tanta falta de nexo e de sentido democrático.

 

Aguardemos os novos factos políticos que estarão a ser fabricados. Veículos informativos e jornalistas instrumentalizáveis, disponíveis para os plantar e promover, infelizmente não faltam, para além de alguns ventríloquos que se mantém na esfera pública.

Finalmente acabou a novela

PGR.JPG

Lucília Gago

 

 

Presidente da República nomeia Procuradora-Geral da República

O Presidente da República, sob proposta do Governo, decidiu nomear Procuradora-Geral da República a Senhora Procuradora-Geral Adjunta, Dra. Lucília Gago, com efeitos a partir de 12 de outubro de 2018.

Fê-lo por duas razões determinantes:

1.ª - Sempre defendeu a limitação de mandatos, em homenagem à vitalidade da Democracia, à afirmação da credibilidade das Instituições e à renovação de pessoas e estilos, ao serviço dos mesmos valores e princípios.

2.ª - Considera que a Senhora Dra. Lucília Gago garante, pela sua pertença ao Ministério Público, pela sua carreira e pela sua atual integração na Procuradoria-Geral da República - isto é, no centro da magistratura - a continuidade da linha de salvaguarda do Estado de Direito Democrático, do combate à corrupção e da defesa da Justiça igual para todos, sem condescendências ou favoritismos para com ninguém, tão dedicada e inteligentemente prosseguida pela Senhora Dra. Joana Marques Vidal.

Os Patologistas (2)

fatima carneiro.JPG

Público

 

 

(...) mais do que uma distinção pessoal, a conquista deste prémio é um reconhecimento pelo trabalho desenvolvido na Anatomia Patológica, uma especialidade médica a que, por passar despercebido, não é atribuído o valor devido, mas que é essencial para o exercício da Medicina com as suas exigências actuais (...)

 

(...) Este é naturalmente um prémio importante para mim. Mas só existe porque existem instituições, existem projectos, existem visões de pessoas que muito antes de mim souberam desenhar, sonhar e concretizar. Tive a sorte de crescer aqui. Nada acontece por acaso. (...)

 

The Pathologist

 

Das eruditas refeições

Não sei porquê, mas já há algum tempo que tinha vontade de comida indiana. Suspeito que pela quantidade de saladas, frangos, galinhas e perus, peixinhos grelhados ou cozidos, 2 a 3 esquálidas peças de fruta por dia, iogurtes magríssimos e sem pinga de açúcar, sementes de linhaça, girassol e mais que agora me escapam, para além dos treinos dignos de uma recruta, a necessidade de desbundar é avassaladora.

 

Independentemente do motivo, decidi que era altura de avançar sem medo nem culpa para o Kerala, que a pesquisa na internet me devolveu como um dos melhores restaurantes de comida indiana em Lisboa, mais precisamente em Campo de Ourique, na Rua de Infantaria 16, nº 37A.

 

Convém dizer que Campo de Ourique é um bairro de que gosto particularmente, manifestando sempre esse gosto em voz alta, de cada vez que lá vou. Convém também dizer que sou muito ignorante em imensas coisas, sendo uma delas a geografia.

 

Lá fomos muito contentes, eu e o meu companheiro de aventuras culinárias (e outras), rezando para encontrar lugar de estacionamento, o que até nem foi difícil. Esperava-nos uma sala espaçosa, rectangular, com as mesas dispostas dos lados maiores, ao fundo a zona técnica, sobriamente decorada, com as cores habituais e alguns quadros nas paredes, também do tipo habitual. Comemos muito bem.

 

restaurante kerala.jpg

 

Embora estas incursões na culinária possam estar associadas a acontecimentos insólitos que já não me deviam espantar, a verdade é que continuam a fazê-lo. Bem me lembro de um restaurante brasileiro em que o meu companheiro resolveu discutir com o empregado não só a sua naturalidade nesse imenso Brasil, como o conhecimento do hino brasileiro. Conversa puxa conversa e a certa altura estava o pobre empregado a cantarolar o hino para provar que o conhecia. De outra vez, a mesma excêntrica companhia levou para o almoço, num restaurante chinês a que íamos frequentemente, um livro que andava a ler para perguntar, indicando o nome numa página, como se pronunciava em chinês Chiang Kai-shek. A dona do restaurante, que falava muito mal o português, ficou embasbacada e muito divertida, apontando os seus 2 indicadores simetricamente para a sua testa, não sei bem se a louvar a curiosidade de quem perguntava se a chamar-lhe louco, ou se apenas a rir da pronúncia dele.

chiang-kai-shek.jpg

Enfim, e para encurtar a história, no meio do caril de peixe, depois de uma famosa chamuça de vegetais, fiquei a saber que Kerala é um dos 28 estados da Índia, por sinal o mais alfabetizado, com melhores níveis de saúde e de cultura, que a língua lá falada é o malaiala, e que as religiões se distribuem entre 55% Hinduísmo, 26% Islamismo e 18% Cristianismo. Fiquei ainda a saber que os donos, de estatura baixa, eram de Kerala e que estavam cá há poucos meses, tendo aberto o restaurante em Março.

 

kerala.jpg

 

Pode ser pela minha falta de conhecimentos em tanta coisa, mas fico sempre espantada com alguém que parece passar os dias a ler enciclopédias. Por isso quando, à noite, ao vermos um excelente documentário na Netflix sobre 5 realizadores de cinema importantíssimos durante a II Guerra Mundial – “Five Came Back” (John Ford, John Huston, George Stevens, Frank Capra e William Wyler), e se contava como John Huston tinha sido enviado às ilhas mais longínquas dos EUA, ao ouvir à minha direita “Pois, as ilhas Aleutas”, fartei-me de rir, causando o embaraço envergonhado do dito erudito.

 

A verdade é que ainda fiquei a saber que a capital de Kerala é uma cidade de nome impronunciável (Thiruvananthapuram), e que os naturais de Kerala comem arroz a todas, mas todas, as refeições.

 

De facto, adoro!

Indigente

Ron-Mueck.jpg

Ron Mueck

 

Recolho os dedos e o pranto

fecho as janelas e o mundo

atenho-me ao morno descanso

empurro-me para o fundo.

 

A voz que se repetia

nesta roufenha memória

preparava a melodia

de uma demissão sem glória.

 

Só me falta o arvoredo

como sombra permanente

que abrigará o segredo

da minha morte indigente.

 

Caricaturas

serena williams.jpgMark Knight

 

A triste cena de que Serena Williams foi protagonista, no Grand Slam, em que perdeu para Naomi Osaka, já foi objecto de acesas discussões de sexismo e racismo. E aquilo que deveria ter sido a grande notícia, precisamente uma tenista de 23 anos ter derrotado a grande Serena Williams, foi abafado por tanto disparate.

 

Até o autor da caricatura foi criticado e acusado de racismo, pela acentuação dos traços fisionómicos de Serena Williams. E eu que pensava que as caricaturas faziam precisamente isso!

Pág. 1/2