Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



De uma essência

por Sofia Loureiro dos Santos, em 31.07.18

180730-PRMRS-MFL-0213-3028.jpg

 

O protocolo permitia apenas um escasso número de pessoas a acompanhar cada agraciado. Atentamente e com os murmurinhos das antecipações cerimoniais, fez-se silêncio à entrada do Presidente da República.

 

Marcelo Rebelo de Sousa foi conciso, agradecendo em nome de Portugal (da Pátria, palavra em desuso e mal amada, mas razão de ser de qualquer militar) aos nove agraciados que deram de si o melhor pelo País.

 

O nome foi chamado alta e claramente, pronunciado de forma a percebermos todas as sílabas. O meu pai deu dois passos em frente e recebeu, das mãos do Presidente, a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada, colocada com cuidado, respeito e carinho. As fotografias da praxe. E ele, com um aprumo que faz parte da sua essência, da sua mais funda memória de militar, perfilou-se.

 

Tão pouco que somos. E tanto que alguns de nós são. Aquela figura frágil, quase etérea, perfilada e orgulhosa, segura pelo núcleo da sua vida, de frente para o destino.

 

180730-PRMRS-MFL-0230-3045.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:27

Carmen

por Sofia Loureiro dos Santos, em 29.07.18

carmen.jpg

Carmen

 

Em palco duas grandes actrizes.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 21:24

Coisas simples

por Sofia Loureiro dos Santos, em 21.07.18

Gigantic-Wooden-Sculptures.jpg

Thomas Dambo

 

A água que escorre pelos dedos

um corpo abandonado sobre os lençóis

o cheiro da manhã

uma voz que acorda e reclama.

 

Como o suspiro de uma asa

o olhar aguçado do futuro

pousado ao de leve

em todas as esquinas de uma casa.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:06

Da Mediania

por Sofia Loureiro dos Santos, em 21.07.18

warren king.jpg

Warren King

 

 

Na verdade, só agora percebeu a bênção que é não se inteirar de nada. O mundo deixou de lhe interessar. Tanto que a sua arrogância tinha para dizer, tudo o que pensava precisar de partilhar, pensamentos, sugestões, indignações, espantos, comoções, palavras, textos, poemas, notícias dissecadas, treino de costela detectivesca, desprezos, confianças, juras de fidelidade e dores de traições, nada mais lhe interessava.

 

A vida facilitou-se enormemente com o afastamento da mundana necessidade de estar a par dos acontecimentos. Vagueia mole e sonolentamente pelas redes sociais, observa com um olho meio fechado os títulos dos jornais, ouve de vez em quando os locutores dos canais de notícias, com aquele jeito de estar sempre a anunciar o apocalipse, os comentadores a perorar sobre as últimas colheitas e a próxima guerra intergaláctica.

 

O mundo não precisava da sua atenção, nem das suas análises. Pode concentrar-se na perpétua e menor actividade de passar um dia após o outro entre as paredes da sua realidade, com pedras e flores mais ou menos aleatórias. A comezinha tarefa de viver, comer, dormir, trabalhar, rir, chorar, ver séries de televisão à desfilada, ouvir música, muita música, acordar para a ginástica, discutir e planear concertos, teatro, livros, sonhar as viagens que há-de curtr.

 

A mediania que nasce connosco e não se encomenda, mas que se recomenda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:48

O Oráculo de Jamais

por Sofia Loureiro dos Santos, em 16.07.18

oraculo de jamais.jpg

É dos livros mais extraordinários que li até hoje, há já muitos anos. Comovente, lindíssimo. De Altino do Tojal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:33

Pombos de guerra

por Sofia Loureiro dos Santos, em 15.07.18

Cher_Ami.jpg

Cher Ami

 

 

Na era das comunicações digitais, globais e internáuticas, em que a comunicação é instantânea e os segredos deixaram praticamente de existir, causa-nos uma enorme estranheza a utilização de pombos como mensageiros, ainda por cima em tempo de guerra, em que as informações são extremamente sensíveis.

 

E, no entanto, os pombos (especificamente uma determinada raça, os homing pigeons) foram importantíssimos para o esforço de guerra, em todos os lados do conflito, pela capacidade única de conseguirem regressar a um local de onde partiram (homing) por aquilo a que se chama magnetorecepção (capacidade de detectar um campo magnético para estabelecer coordenadas de altitude, direcção e localização). Há registos da utilização dos pombos como mensageiros militares desde o império romano.

 

Nas I Guerra Mundial um pombo (o Cher Ami) foi condecorado com a Croix de Guerre, pelos valorosos serviços prestados na Batalha de Verdun. Na II Guerra Mundial a Dickin Medal foi atribuída a 32 pombos.

 

Mesmo neste século ainda há notícias de pombos usados em comunicações militares. É extraordinária a capacidade do Homem em colocar a natureza ao seu serviço, transformando os animais em extensões das suas necessidades.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:16

Ecos

por Sofia Loureiro dos Santos, em 14.07.18

crescente.gif

Crescent

Thomas Joynes

 

 

Os teus olhos as tuas mãos

as vozes no rumor do começo.

Onde estou agora? Por onde

passaram os dias que me espreitam

de longe? Ecos de uma vida

que já não reconheço.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 23:18

Erbarme dich, mein Gott

por Sofia Loureiro dos Santos, em 14.07.18

 Anne Sofie von Otter

J. S. Bach - Matthäus-Passion

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 22:28

Redoma

por Sofia Loureiro dos Santos, em 14.07.18

poppies sculptures.jpg

Papoilas de cerâmica

Lincoln Castle

 

Da janela enfrento as nuvens dentro da redoma do esquecimento.

Espero o vagar do sono os gestos do descanso a que me obrigo

aplicadamente para suster a respiração. As bandeiras

deixaram a cor empalidecer e os hinos estão calados. Amanhã

acordarei a alma por eles.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:48

A poesia na Grande Guerra

por Sofia Loureiro dos Santos, em 09.07.18

gassed.jpg

Gassed

John Singer Sargent

 

All a poet can do today is warn. That is why the true poet must be truthful

Wilfred Owen

 

poesia é um dos grandes testemunhos da I Guerra Mundial. Muitos dos poetas eram jovens que combateram e morreram nas batalhas ou como consequência delas. A poesia foi um meio de expressarem o seu medo, a sua fúria, a sua tristeza, a sua vulnerabilidade. Transformaram-se nas vozes das consciências dos povos, pela sua comovedora sinceridade e honestidade, numa linguagem que se desligou de artificialismos formais e nos aproxima do sofrimento, da amizade e da solidariedade.

 

Muitos foram os que publicara os seus poemas durante a Grande Guerra, havendo inúmeras antologias já do pós-guerra.

 

IN FLANDERS FIELDS

 

In Flanders fields the poppies blow

Between the crosses, row on row,

    That mark our place; and in the sky

    The larks, still bravely singing, fly

Scarce heard amid the guns below.

 

We are the Dead. Short days ago

We lived, felt dawn, saw sunset glow,

    Loved and were loved, and now we lie,

        In Flanders fields.

 

Take up our quarrel with the foe:

To you from failing hands we throw

    The torch; be yours to hold it high.

    If ye break faith with us who die

We shall not sleep, though poppies grow

        In Flanders fields.

 

John Mccrae

 

 

THE DEAD

 

These hearts were woven of human joys and cares,

      Washed marvellously with sorrow, swift to mirth.

The years had given them kindness. Dawn was theirs,

      And sunset, and the colours of the earth.

These had seen movement, and heard music; known

      Slumber and waking; loved; gone proudly friended;

Felt the quick stir of wonder; sat alone;

      Touched flowers and furs and cheeks. All this is ended.

 

There are waters blown by changing winds to laughter

And lit by the rich skies, all day. And after,

      Frost, with a gesture, stays the waves that dance

And wandering loveliness. He leaves a white

      Unbroken glory, a gathered radiance,

A width, a shining peace, under the night.

 

Rupert Brooke

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:06


Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2006
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2005
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg