Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

O adensar das nuvens

manuel alegre.JPG

Diário de Notícias

 

O BE e o PCP estão inebriados com a Geringonça. Espero que o PS seja mais realista e menos arrogante. Manuel Alegre tem toda a razão. O PS deveria preocupar-se em cimentar, com os seus parceiros da esquerda, um relacionamento parlamentar que garantisse mais 3 anos de legislatura, em vez de tentar calar e menorizar os descontentamentos e as opiniões contrárias.

 

É mau sinal e passa uma mensagem de enorme insegurança.

 

A nova maioria

trio parlamentar.png

 

 

 

A Geringonça foi uma tal lufada de ar fresco e tão surpreendente que todos pudemos respirar fundo durante o ano anterior. As expectativas eram tão baixas que a solução se revelou melhor do que alguém se atrevia a desejar. A transformação dos partidos de protesto em partidos que suportavam uma solução governativa abriu a esperança de uma responsabilidade à esquerda a que não estávamos habituados. Catarina Martins e Jerónimo de Sousa foram protagonistas dessa mudança, tal como António Costa e todos os que, diariamente, trabalharam para manter o governo a funcionar, para devolver algum do rendimento perdido aos cidadãos, algum do optimismo do Primeiro-ministro e alguma da energia do Presidente da República.

 

Infelizmente parece que o BE e o PCP se inebriaram com o êxito do primeiro ano da Geringonça. A forma como, no Parlamento, se vão aliar à direita para destronar o que foi conseguido na Concertação Social, por muito que seja coerente com as suas posições, é uma machadada na estabilidade governativa. E se à manutenção das parcerias público-privadas (PPP) na saúde quiserem fazer o mesmo, então serão os coveiros da tão refrescante e promissora governação de esquerda.

 

Só por ignorância e/ ou preconceito se pode afirmar que as PPP na saúde não acautelam o SNS e o Estado. Os Hospitais em PPP são os melhores classificados nas várias avaliações comparativas que se vão fazendo e há relatórios que provam que o Estado lucra com essas parcerias.

 

Não ponho em causa a renegociação das mesmas, o apertado controlo efectuado pelo Estado, os contratos e as obrigações a que devem estar sujeitas. O que ponho em causa é a cegueira que o BE e o PCP mostram em teimar em ir queimando o governo em fogo lento, não se inibindo nem envergonhando de servir a estratégia da direita, além de ser objectivamente um erro na gestão do serviço público de saúde.

 

Espero bem que entendam o que estão a fazer e os riscos que todos corremos.

 

Quanto à posição/ oposição do PSD, é difícil qualificá-la. O oportunismo, a incoerência, o tacticismo, a baixa política é tal, que me causa urticária. A falta de sentido do que é servir os cidadãos, o vazio e a mesquinhez afastam a população dos seus representantes. Este é um excelente exemplo do que nunca se deveria fazer.

 

Declaração de interesses: trabalho no Hospital Vila Franca de Xira - uma PPP da José de Mello Saúde.

Um dia como os outros (170)

UmDiaComoOsOutros.jpeg

(...) Um dia, depois desses dias que me formaram, hoje, eu dei-me conta de que um homem que varreu os adversários do seu partido amesquinhando-os, que apoucou deficientes, que rebaixou o heroísmo autêntico na guerra de um correligionário seu (ele, que para fugir dessa mesma guerra pretextou doenças que não tinha), que se me apresentou, em palcos públicos, sem compaixão por pais que perderam o filho, que achincalhou as doenças, verdadeiras ou inventadas por ele, da adversária, que levou a humilhação como a arma principal da luta política, um dia, dizia eu, vou ver esse homem a tomar o poder mais poderoso do mundo. Contra ele recuso-me, neste dia, a discutir as ideias dele, políticas, económicas ou ecológicas. A partir de amanhã, certamente. Hoje, tenho a dizer, tão-só, que é um dia desgraçado.

 

Ferreira Fernandes

Multidão

PassingCrowd.jpg

Passing Crowd

Ronald Pope

 

 

1.

Quase em susto

enfrento os anónimos olhares

da gente que fala

os sons incompreensíveis do convívio. 

Espanto pela partilha

de tantas palavras sem mãos

todas iguais

na vivência da solidão.

 

2.

Hei-de ser eu

e outras tantas mais

para que possa dividir

o silêncio de mim

e possa articular

uma qualquer palavra

e depois calar

as outras tantas vozes

que me fazem

sobrar.

 

A nova era

trump e obama.jpg

Expresso

 

Amanhã toma posse, como Presidente dos Estados Unidos, alguém que tem mostrado, durante a campanha e depois de vencer as eleições, que não tem a menor ideia da função que vai exercer.

 

Aqueles de nós que vão de espanto em espanto, com a secreta e adiada esperança de que, logo após a tomada de posse, as coisas possam mudar para melhor, ainda que ligeiramente, assistem assustadas e ainda incrédulas ao desfilar da degradação do que nos habituámos a pensar e ver como o Presidente da maior potência mundial.

 

Ninguém pode dizer que não sabia ao que ele vinha, pois ele foi e é claro. Não acreditaram, não valorizaram, ou então é mesmo isto que querem.

 

Amanhã toma posse um intervalo na sanidade mundial. só espero que seja curto e que não faça estragos irrecuperáveis.

 

Um quarto de século

al pantalone.png

 

 

O Teatro Meridional comemora 25 anos e dá-nos a todos um excelente presente de aniversário.

 

Não percam o que de melhor se faz em Portugal em teatro, música, cenografia e encenação, jogo de luzes e representação. É tudo bom, desde o espaço no Poço do Bispo, à simpatia e generosidade com que se acolhem os espectadores, à incrível criatividade e persistência dos seus Directores Artísticos e de todos os que com eles colaboram, tornando cada espectáculo numa experiência única.

 

Para ver e/ ou rever, aqui fica o calendário das reposições para este ano:

  • AL PANTALONE, de Mário Botequilha - já em cena, até 5/ Fevereiro,
  • A LIÇÃO, de Ionesco - de 22/ Fevereiro a 12/ Março
  • ANTÓNIO E MARIA, a partir da obra de António Lobo Antunes - de 30/ Março a 9/ Abril
  • O SR. IBRAHIM E AS FLORES DO CORÃO, de Éric-Emmanuel Schmidt - de 10 a 28/ Maio
  • CONTOS EM VIAGEM – CABO VERDE - de 12 a 30/ Julho
  • AS CENTENÁRIAS, de Newton Moreno - de 13/ Setembro a 1/ Outubro

 

Parabéns a quem nos sabe fazer rir, sonhar, chorar e pensar.