Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Boas novas

por Sofia Loureiro dos Santos, em 22.12.16

arcofangels.jpg

Rick Kirby

 

 

A dois dias da Consoada não há refúgio

para o silêncio, nesta cidade em que o atropelo das compras

e o farfalhar dos papéis, misturados no perfume da indiferença,

nos arrasam qualquer tentativa de mergulho

na bonomia ornamental.

 

Piazzola acompanha-me mas estou

tão deslocada, que quase flutuo entre cinzentos

e dores desconhecidas, tristezas e desesperanças,

que me chegam apenas a nível celular. Por vezes

podemos brincar aos deuses e anunciar

boas novas. É nessas alturas

que me sinto

no Natal.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:26

O único acidente é o nosso esquecimento

por Sofia Loureiro dos Santos, em 19.12.16

berlim.jpg

Atentado em Berlim

 

Vamo-nos habituando ao horror, retomamos as nossas vidinhas. Há guerra na Síria, no Iraque, na Palestina, atentados em África, na Ásia e na Europa.

 

E é na Europa que mais nos dói, não porque não nos doam todas as outras mortes, todas as outras atrocidades, mas porque é dentro da nossa casa, dentro das nossas portas.

 

Sobressalto, horror, desfalecimento psicológico, depois a rotina, Isto já é rotina.

 

Mas teimamos em manter as portas abertas, não podemos ceder ao medo. Teimamos em ir vivendo, atentado após atentado, assassinato após assassinato.

 

E é da liberdade que não podemos prescindir. Da liberdade, do direito a uma vida digna e em segurança, da liberdade de ser respeitado e respeitar.

 

Agora foi em Berlim.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:22

Chá de gengibre, limão e canela

por Sofia Loureiro dos Santos, em 18.12.16

doente.png

 

Cortam-se bocadinhos de raíz de gengibre, casca de limão e paus de canela e faz-se uma infusão. Bebe-se, em litradas, assim mesmo ou com mel.

 

chá gengibre.png

Queriam também que colocasse Vicks VapoRub na planta dos pés - recusei liminarmente.

Havia ainda o pormenor de calçar depois umas meias quentes.

 

vaporub.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:54

Adão e Eva

por Sofia Loureiro dos Santos, em 17.12.16

Adam&Eve.jpg

Sir Jacob Epstein

 

 

Um homem senta-se e afasta o trigo do joio

espera que o seu semelhante cresça e se misture

com o joio e o trigo para que sempre se afaste

e se sinta crescer semelhante na espera.

 

Uma mulher deita-se e espera o homem

no dia do início da tarde em que se fez dia

como o eterno leito para que sempre se deite

e para sempre espere pela tarde do dia inicial.

 

Um homem e uma mulher amassam a costela

que um do outro nasceu e de imediato separou

como a massa em que se fizeram e morreram

na costela que um e outro para sempre remendaram.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 19:45

Fado Barroco

por Sofia Loureiro dos Santos, em 15.12.16

fado-barroco.jpg

Fado Barroco

Os Músicos do Tejo

Ana Quintans

Ricardo Ribeiro

Miguel Amaral

Marco Oliveira

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:22

O quebra-nozes

por Sofia Loureiro dos Santos, em 11.12.16

quebra-nozes

O quebra-nozes

Russian National Ballet

CCB

 

Pyotr Ilyich Tchaikovsky 

Rotterdams Philharmonisch Orkest

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:44

A hard rain's a-gonna fall

por Sofia Loureiro dos Santos, em 10.12.16

Patti Smith

Prémios Nobel 20016

 

 Bob Dylan (1964)

 

 

Oh, where have you been, my blue-eyed son

And where have you been, my darling young one

I've stumbled on the side of twelve misty mountains

I've walked and I've crawled on six crooked highways

I've stepped in the middle of seven sad forests

I've been out in front of a dozen dead oceans

I've been ten thousand miles in the mouth of a graveyard

And it's a hard, and it's a hard, it's a hard, and it's a hard

It's a hard rain's a-gonna fall

 

Oh, what did you see, my blue-eyed son

And what did you see, my darling young one

I saw a newborn baby with wild wolves all around it

I saw a highway of diamonds with nobody on it

I saw a black branch with blood that kept drippin'

I saw a room full of men with their hammers a-bleedin'

I saw a white ladder all covered with water

I saw ten thousand talkers whose tongues were all broken

I saw guns and sharp swords in the hands of young children

And it's a hard, and it's a hard, it's a hard, it's a hard

It's a hard rain's a-gonna fall

 

And what did you hear, my blue-eyed son?

And what did you hear, my darling young one?

I heard the sound of a thunder that roared out a warnin'

Heard the roar of a wave that could drown the whole world

Heard one hundred drummers whose hands were a-blazin'

Heard ten thousand whisperin' and nobody listenin'

Heard one person starve, I heard many people laughin'

Heard the song of a poet who died in the gutter

Heard the sound of a clown who cried in the alley

And it's a hard, and it's a hard, it's a hard, it's a hard

It's a hard rain's a-gonna fall

 

Oh, what did you meet, my blue-eyed son?

Who did you meet, my darling young one?

I met a young child beside a dead pony

I met a white man who walked a black dog

I met a young woman whose body was burning

I met a young girl, she gave me a rainbow

I met one man who was wounded in love

I met another man who was wounded with hatred

And it's a hard, it's a hard, it's a hard, it's a hard

It's a hard rain's a-gonna fall

 

And what'll you do now, my blue-eyed son?

And what'll you do now, my darling young one?

I'm a-goin' back out 'fore the rain starts a-fallin'

I'll walk to the depths of the deepest black forest

Where the people are many and their hands are all empty

Where the pellets of poison are flooding their waters

Where the home in the valley meets the damp dirty prison

And the executioner's face is always well hidden

Where hunger is ugly, where souls are forgotten

Where black is the color, where none is the number

And I'll tell it and think it and speak it and breathe it

And reflect it from the mountain so all souls can see it

Then I'll stand on the ocean until I start sinkin'

But I'll know my song well before I start singin'

And it's a hard, it's a hard, it's a hard, it's a hard

It's a hard rain's a-gonna fall

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:36

As consequências

por Sofia Loureiro dos Santos, em 08.12.16

 

Trump nomeia anti-ecologista para liderar agência ambiental

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:54

O Diabo a estourar

por Sofia Loureiro dos Santos, em 08.12.16

 

FMI diz que metas orçamentais do Governo são alcançáveis

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:28

Geleia de espumante

por Sofia Loureiro dos Santos, em 05.12.16

geleia de espumante.png

 

Podem experimentar que é muito bom. Pelo menos eu gosto.

 

Esta foi uma ideia de uma colega minha, que me desafiou a fazer geleia de champanhe. Confesso que nunca tinha ouvido falar de tal mas, numa coincidência engraçada, uns dias depois ofereceram-me geleia de vinho, que é bastante interessante.

 

Como não sou de ignorar um tal desafio, inaugurei a época de confecção natalícia com a dita geleia. Para me inspirar fui à internet ver receitas (está lá tudo). E cumpri (quase) à risca a receita que vi.

 

Cozi um quilo de maçãs cortadas em quartos, com casca mas sem sementes num litro de água, durante 40 minutos (royal gala - que têm bastante teor de pectina). Escorri as maçãs, medi 600 ml do líquido restante e misturei com o sumo de 2 limões, 500 gr de açúcar e uma garrafa de espumante (achei que para experimentação científica bastava).

 

Deixei ferver até que começaram a formar-se muitas bolhas na superfície do cozinhado. Usei o truque de deitar um pouco num prato frio e ver se fazia ponto de estrada, para verificar o ponto. Logo que isso se verificou desliguei o lume – estava pronta.

 

Claro que depois ficou a remanescente maçã em papa, com as cascas. Retirei as cascas e misturei a papa de maçã com uma colher de chá de gengibre em pó, outra colher de chá de canela e um pouco de açúcar. Depois juntei amendoins, sultanas e favas fritas, deitei tudo para um tabuleiro de ir ao forno e deixei a assar (forno médio) durante 20 minutos.

 

Ontem aproveitei também para me desfazer de uma abóbora que carinhosamente me tinham dado (já há algumas semanas) adulando-me indecentemente com os elogios a uma compota de abóbora com chocolate que tinha feito o ano passado. Portanto repeti a dose e já está enfrascada, assim como a geleia de espumante. Começam a compor-se os cabazes de Natal.

 

Para o próximo fim de semana será a vez dos licores.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:44

Pág. 2/2



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2009
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2008
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2007
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2006
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D
  222. 2005
  223. J
  224. F
  225. M
  226. A
  227. M
  228. J
  229. J
  230. A
  231. S
  232. O
  233. N
  234. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg