Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Defender o Quadrado

Nesta casa serve-se tudo a quente. As cadeiras são de pau e têm as costas direitas. Há sempre pão a cozer e o conforto da desarrumação. A porta está sempre aberta... mas fecha-se rapidamente aos vermes que infestam alguns cantos do quadrado. Sejam

Da descompressão nacional

antonio costa.jpg

Governo recuperou "normalidade" em 100 dias

 

Já passaram 100 dias desde a posse de um governo que nunca considerei desejável nem possível. Depois das eleições legislativas, defendi que António Costa deveria ter assumido a derrota e ter-se demitido. Mas a realidade impõe-se e eu já constatei por diversas vezes a minha incapacidade para perceber as estratégias políticas e ser derrotada pelas circunstâncias.

 

Temos um governo que, contra todas as expectativas e contra todos os desejos da direita tomou posse, apoiado por uma coligação frágil e titubeante, como todos os dias nos lembram os partidos derrotados, os jornalistas e comentadores nacionais, os eurocratas e todos os que defendem a política europeia que tão desastrosos resultados tem conseguido.

 

Parece haver uma ligeira descompressão. Na verdade, respira-se um pouco mais de esperança. António Costa e os seus Ministros têm conseguido estar à altura das circunstâncias, reagindo com calma, bom senso e bom humor às mais diversas armadilhas que lhes vão sendo montadas. Desde os buracos na saúde, aos buracos nos bancos e às más decisões que nos vão custar milhões, António Costa e Mário Centeno dizem aquilo que é óbvio mas que é uma novidade após estes anos de chumbo - aqui estão para resolver os problemas que se apresentarem.

 

O governo tem contado com a ajuda da inacreditável falta de vergonha dos anteriores Ministros, com grande destaque para Passos Coelho que deve pensar que o País é completamente idiota. Todas as ocasiões são boas para, com um desplante estonteante, branquear o total falhanço da sua governação.

 

Esperemos pois, calmamente, que o BE, o PCP  e o Verdes não exagerem nas suas posições reivindicativas e na sua pressão mediática porque este tem sido um muito melhor governo que qualquer de nós poderia antecipar. E ainda bem.

Dos retratos Presidenciais

cavaco possolo.JPG

 

Cavaco Silva acaba o seu segundo mandato presidencial sem honra nem glória. Por sua responsabilidade, porque não soube honrar o cargo nem a função, porque fez da Presidência da República uma Instituição azeda, vingativa e ao serviço de um sector da população.

 

Por isso mesmo todo o País será mais claro e solidário, num clima de normalidade democrática que se vai instalando desde a tomada de posse deste governo (mesmo com toda a pressão da direita e dos media ao seu serviço para o anúncio diário do apocalipse), quando for substituído.

 

Mas o coro de críticas a que temos assistido a propósito da seu retrato oficial parece-me deslocado, injusto e é o espelho da sobranceria e da intolerância que as supostas elites culturais sempre demonstraram em relação a tudo o que não faz parte do seu núcleo bem pensante. Independentemente da avaliação e do gosto de cada um suspeito que, se Cavaco Silva não fosse tão depreciado como é, não faltariam as vozes apreciativas quanto ao arrojo e acerto da escolha, para além das várias interpretações psicológicas e artísticas da obra.

 

Basta ver o que foi feito por Paula Rego de Sampaio que, para mim, deixa bastante a desejar. Mas eu não percebo nada de finanças e tenho uma pequena biblioteca.

 

sampaio paula rego.JPG

 

Pág. 2/2