Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Da hegemonia mediática da direita

por Sofia Loureiro dos Santos, em 20.04.15

eurosondagem 19abril 2015.jpg

Dados retirados da PORDATA e da EUROSONDAGEM

 

A propósito da publicitação dos resultados da Eurosondagem publicados no último fim de semana, é muito interessante verificar os títulos dos jornais e televisões, realçando a subida do PSD e a estagnação do PS nas intenções de voto dos portugueses.

 

Mas se observarmos os gráficos mais acima e os compararmos com os da sondagem, podemos verificar que a direita (PSD+CDS) nunca teve uma percentagem tão baixa em eleições legislativas: em 1975, em pleno PREC, a direita conseguiu 36,6% dos votos - mais 1,9% que na dita sondagem; e em 2005, na altura em que o PS conseguiu maioria absoluta, PSD e CDS somaram 37,1% dos votos - mais 2,4% que na referida sondagem.

 

Ou seja, nunca a direita teve tão pouca expressão eleitoral com a que tem agora. O espantoso é que não ouvi nem li em lado nenhum os dados apresentados desta forma (ou de outra semelhante) nem ouvi qualquer jornalista perguntar aos diferentes comentadores (que, por acaso, pertencem quase todos ao espectro político da maioria governamental) como podem explicar que, em Portugal, nunca desde o 25 de Abril a direita represente tão pouco da sociedade portuguesa, ao contrário do que parece, pelas barragens e manipulações mediáticas a que assistimos diariamente.

 

Tal como na altura do PREC, só que de sinal contrário.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:10

Come Healing

por Sofia Loureiro dos Santos, em 18.04.15

Leonard Cohen

 

O gather up the brokenness
And bring it to me now
The fragrance of those promises
You never dared to vow

The splinters that you carry
The cross you left behind
Come healing of the body
Come healing of the mind

And let the heavens hear it
The penitential hymn
Come healing of the spirit
Come healing of the limb

Behold the gates of mercy
In arbitrary space
And none of us deserving
The cruelty or the grace

O solitude of longing
Where love has been confined
Come healing of the body
Come healing of the mind

O see the darkness yielding
That tore the light apart
Come healing of the reason
Come healing of the heart

O troubled dust concealing
An undivided love
The Heart beneath is teaching
To the broken Heart above

O let the heavens falter
And let the earth proclaim:
Come healing of the Altar
Come healing of the Name

O longing of the branches
To lift the little bud
O longing of the arteries
To purify the blood

And let the heavens hear it
The penitential hymn
Come healing of the spirit
Come healing of the limb

O let the heavens hear it
The penitential hymn
Come healing of the spirit
Come healing of the limb

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 22:21

Das provocações da direita às reacções da esquerda

por Sofia Loureiro dos Santos, em 18.04.15

O debate lançado pelo Observador sobre a necessidade de uma nova Constituição deve interessar a todos. Aos que concordam e pensam ser necessário redigir uma Constituição e aos que não concordam e pensam ser necessário apenas ir revendo a Constituição existente.

 

De uma forma ou de outra ninguém deve ficar indiferente e recusar o debate. A esquerda não pode transformar o tema constitucional num tabu, como se se tratasse de um texto sagrado e clamando por blasfémia de cada vez que se fala - habitualmente a direita e com intuitos obviamente ideológicos - em fazer uma nova Constituição.

 

O que eu gostaria de ver era a esquerda a explicar porque não quer um novo texto Constitucional, o que pretende manter e o que pretende rever, quando, como e porquê. Se o debate está enviesado à direita a esquerda tem obrigação de o redireccionar.

 

A Constituição tem quase 40 anos e o mundo mudou. Não me causa qualquer espanto a defesa de uma nova Constituição. Penso mesmo que os partidos deveriam ser transparentes e explicarem o que querem mudar ou manter na Constituição, ficando assim com um mandato para a revisão, alteração ou mesmo para se eleger uma nova Assembleia Constituinte. O que me preocupa é perceber que da parte da esquerda há pânico em vez de ideias e de firmeza.

 

A este propósito, vale a pena ler este excelente texto de Domingos Farinho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:08

Da tolerância democrática

por Sofia Loureiro dos Santos, em 18.04.15

Não deixa de ser surpreendente que alguém se candidate a Presidente da República, uma das Instituições da nossa democracia, e tenha tanto desrespeito e desprezo por outra Instituição da nossa democracia. Aliás se não existisse um regime democrático (e Republicano) essa figura não teria oportunidade de poder candidatar-se sequer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:39

Da hipocrisia pornográfica

por Sofia Loureiro dos Santos, em 18.04.15

Mariano_Gago.jpg

 Mariano Gago

 

São quase pornográficas as declarações que ouvimos de Passos Coelho e de Nuno Crato, na hora em que vestem o luto e afivelam rostos de circunstância e pesar, elogiando o trabalho de um homem que dedicou muito da sua vida a construir tudo aquilo que os dois se apressaram a destruir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:20

Do voto de confiança

por Sofia Loureiro dos Santos, em 17.04.15

antonio_costa_600.jpg

Apesar dos erros que estão, na minha opinião, a ser cometidos pelo PS - política de alianças, estratégia presidencial, falha na liderança da agenda política, apesar das sondagens não demonstrarem a tão ansiada subida de intenções de voto, apesar de me indignar com as incapacidades da oposição, não me restam nenhumas dúvidas quanto à infinita diferença entre esta direcção do PS e a anterior.

 

António Costa tem tudo para ser um excelente Primeiro-ministro: cultura política, diplomacia, honestidade, frontalidade e bom-humor, experiência governativa e coragem para enfrentar adversidades. O PS, mais devagar do que eu gostaria, é certo, tem centrado a sua acção de forma hierarquizada em relação às prioridades que definiu, com bastante habilidade e realismo. É um alívio olhar para António Costa e para os seus colegas e perceber que podemos confiar neles.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:58

Dos erros (ex) Presidenciais

por Sofia Loureiro dos Santos, em 17.04.15

Se Ramalho Eanes apoiar a candidatura de Sampaio da Nóvoa para as próximas eleições presidenciais, o PS perde a possibilidade de apresentar, de forma explícita ou não, qualquer outro candidato da área do centro-esquerda que possa ampliar a base de apoio e protagonizar uma verdadeira mudança de ciclo político no País.

 

Como está cada vez mais à vista, o PS foi ultrapassado pelos acontecimentos e não consegue arrancar com alma e coragem, deixando a iniciativa nas mãos das forças políticas mais ou menos marginais à esquerda e nas mãos da direita, com Marcelo Rebelo de Sousa em grande actividade dando gás a esta candidatura.

 

Considero-a (mais) um erro estratégico da esquerda, que se perde nos entrincheiramentos monolíticos e reage a tudo como actos provocatórios, sem que lhe ocorra, àquela histórica esquerda revolucionária, criativa e desestabilizadora, ter alternativas e imaginação. Em vez do descabelamento e das juras de amor eterno ao Texto Constitucional, recusando (por blasfema) a hipótese de discutir a possibilidade de se escrever uma nova Constituição, deveria preocupar-se em avançar com propostas que renovassem a democracia e obrigassem a direita ao desconforto.

 

Infelizmente estamos a assistir ao contrário. Por isso parece-me um erro também de Ramalho Eanes adiantar-se neste apoio, arrumando por mais 10 anos a questão presidencial.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:31

Terra seca

por Sofia Loureiro dos Santos, em 16.04.15

dry_land.jpg

Dry Land

John R Walker

Chamaram-lhe tempo de cerejas

ao vasto encontro da bonomia

ao azul chamamento do mar.

 

Mas dos frutos as mãos já se desarmam

desapetecidos pela secura do olhar

e do tempo já a vida se demora

esquecida do que falta semear.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:54

Dos totalitarismos esclavagistas

por Sofia Loureiro dos Santos, em 16.04.15

slaves.jpg

 Laurence Valère

Anse Cafard Slave Memorial

 

Seremos todos altos, fortes, saudáveis e moralmente puros, com inúmeras virtudes públicas (vícios só os privados).

Governo quer proibir tabaco em todos os locais públicos fechados

Proibição de qualquer tipo de álcool a menores vai avançar

 

E será tudo a favor da Nação, todo o esforço e o suor dos nossos rostos brilharão para o esplendor nacional, de olhos postos no chão e humilde chapéu na mão, facebook para distrair e sol para desdeprimir - Portugal no seu melhor.

Empresas apoiadas pelo Estado pagam 505 euros a engenheiros e professores

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:58

Da exaustão como arma política

por Sofia Loureiro dos Santos, em 16.04.15

slavery.jpg

Erwin Jules de Vries

 

Há muitas formas de alienação, umas privadas e auto sustentadas, outras públicas e utilizadas como arma política. Muitas vezes ambas se confundem e se alimentam. A religião e o futebol são as mais conhecidas e citadas. Mas uma das mais eficazes é o trabalho insano, os horários desumanos e a exaustão completa dos poucos cidadãos que conseguem trabalho e, por isso, deixam de reivindicar qualquer capacidade de protesto.

 

A falta de tempo e de disposição mental para pensar, para ter outra vida que não a que lhe é exigida pelas empresas, individuais ou colectivas, amesquinha, aplana e apaga a criatividade, a vontade e a auto estima, deixando apenas o instinto de sobrevivência e a intolerância absoluta por qualquer movimento que estimule e contenha dinamismo que, por sua vez, aumenta a exaustão.

 

Não tenhamos dúvidas – a concepção do trabalho e das relações laborais desta maioria que nos governa, em Portugal e na Europa, é aquela que reduz a capacidade crítica e que aumenta a subserviência dos cidadãos. É toda uma ideologia subjacente à retórica da economia e do moralismo bacoco, ultrapassado e obsceno que nos inunda.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:05



Mais sobre mim

foto do autor



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.




Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D
  209. 2005
  210. J
  211. F
  212. M
  213. A
  214. M
  215. J
  216. J
  217. A
  218. S
  219. O
  220. N
  221. D

Maria Sofia Magalhães

prosas biblicas 1.jpg

À venda na livraria Ler Devagar



caminho dos ossos.jpg

 

ciclo da pedra.jpg

 À venda na Edita-me e na Wook

 

da sombra que somos.jpg

À venda na Derva Editores e na Wook

 

a luz que se esconde.jpg